6 de dez de 2018

Macron não é Marxista e o Globalismo não existe – Não Seja um Olavete


Olavete é o petista de direita, aquele seguidor cego, normalmente bem católico e conservador, que não questiona: se Olavo disse tá certo é verdade absoluta e combaterá ferozmente quem discordar do "mestre". Felizmente nem todos os leitores do Olavo tem esse perfil e como eu filtram (bastante) aproveitando o que serve e rechaçando o que não serve (e tem muita coisa pra ser descartada)

Como não suporto o petismo e o psolismo devido ao ideário marxista e de doutrinação cultural da "verdade inquestionável" menos ainda vou suportar "petismo de direita".  A idéia de que o verdadeiro conservador é católico e quem não comungar exatamente todos os ideais morais do conservadorismo então será um marxista-globalista-fabiano é o típico discurso de alienação e doutrinação cultural que o petismo e o gramscismo fizeram no país, só que voltado para a direita.

Marxista não aceita a democracia e sempre buscará a hegemonia política, ser o partido hegemônico para se perpetuar no poder (inclusive se precisar usar a corrupção em nome da causa), pois acredita que somente o partido e o marxismo possuem o direito de ter o poder, pois pra eles todo o poder político deve levar ao estágio do comunismo (eliminando o capitalismo/livre mercado ao máximo permitindo cada vez maior controle do Estado na economia e sobre toda a riqueza produzida, por isso combatendo a burguesia e a propriedade privada, para em seguida implantar o socialismo quando o livre mercado é reduzido a menos de 10% com praticamente só estatais e grandes empresas ligadas ao Estado, ou seja, de empresários e políticos simpáticos a causa e trabalhando pela causa, até que segundo a organização do ideário marxista exposta no Manifesto Comunista de 1848 se chegue algum dia ao comunismo).

Isso é marxismo, a diferença é que Marx assim como Stálin acreditava na luta armada para implantar um governo nesses moldes, que necessariamente controlasse as forças amadas. Trótsky avistou um cenário diferente: o marxismo deveria se expandir pelo resto do mundo e não ficar apenas concentrado na URSS (como uma superpotência que rivalizaria com o capitalismo) já antevendo a globalização e o mundo multipolar que viriam depois da Guerra Fria, em especial buscando expandir o marxismo na América do Sul para enfraquecer um adversário que estava em outro continente (já que seria mais simples buscar a expansão dentro da Europa devido a proximidade geográfica com a URSS) e exatamente por isso os EUA buscaram tanta aproximação com a Europa e os marxistas sempre cobiçaram a América do Sul

Como pelas armas não foi possível dominar a América do Sul a saída foi a conquista cultural: o gramscismo, o "marxismo cultural", buscando alienar politicamente toda a população para que ela acreditasse inquestionavelmente que o marxismo era a única saída. Não, a única saída é a democracia, evitando a excessiva concentração de poder, fortalecendo instituições, direcionando o país para o crescimento econômico e bem estar da sua população.

Na medida em que um partido ou grupo político não aceita debater os caminhos a serem decididos dentro da democracia mas passa tão somente a buscar hegemonia e destruir o outro lado está se usando o mesmo principio do marxismo.

Eleger a maioria dos governos de esquerda da Europa como marxista ou "globalistas" é de uma ignorância política atroz, mas pior do que isso, é usar o mesmo método do marxismo e do gramscismo só que voltado para o lado oposto: o petismo de direita, ou seja, eleger qualquer partido, governo ou político que não seja 100% conservador como marxista-globalista-fabiano" como se não existisse centro-esquerda, centro, centro-direita, visões mais liberais na economia, visões um pouco mais estatizantes, visões que não abarcam 100% da pauta moral do conservadorismo, como se tudo que não fosse exatamente 100% conservador então supostamente seria marxista.

Isso é de uma estupidez atroz. Tentar padronizar como marxismo tudo que não seja 100% conservador é o mesmo que o marxismo petista tentou fazer no Brasil tentando vender a idéia de que se você é negro, pobre, gay ou mulher você tem ser feminista, defender a ideologia de gênero e ser sempre a favor do pt ou do psol. Segundo essa padronização do "petismo de direita" para combater o marxismo você tem que defender e venerar o Olavo, enxergar qualquer idéia de esquerda, centro esquerda, centro como "globalistas-marxistas- fabianos", ser católico ou não contrariar a teologia católica, senão você será um marxista globalista.

Lutei pela derrocada do petismo e do marxismo e não pra implantar um "petismo de direita" das olavetes. Podem esquecer. Quando tava tudo dominado pela esquerda lá em 2014 e o Olavo dizia pelos vídeos que estávamos fadados a ser uma Venezuela, que os militares não fariam nada, eu avisei que os militares voltariam ao governo pela via democrática e que até 2018 o petismo cairia e eles, os militares, subiriam ao poder.  Que todos os corruptos seriam pegos e que as manifestações nas ruas seriam ainda maiores. Está documentado no blog e no livro "Brasil Lírio das Américas". Vamos então analisar os fatos com quem leu corretamente com os fatos da geopolítica se desenrolaram nos últimos 5 anos em especial sobre o papel dos militares nessa mudança no Brasil :

MACRON MARXISTA-COMUNISTA? GLOBALISMO NA EUROPA

Sempre que alguém afirmar algo é preciso questionar se tal afirmação tem comprovação nos fatos. Simples assim. Quando alguém afirma que Macron é marxista essa pessoa precisa mostrar fatos, ações que ele tenha praticado que comprovem isso. E o que os fatos dizem? Macron fez uma reforma trabalhista que tirou boa parte do poder dos sindicatos franceses, Macron reduziu a verba estatal para a aquisição de casas por parte da população e endureceu profundamente o programa de entrada de refugiados no território francês, como pode ser visto no link abaixo:



E o que aconteceu depois disso? É claro que os marxistas-socialistas franceses iriam gritar, afinal depois de anos de governos socialistas chega um cara querendo colocar as finanças em ordem (reforma trabalhista, medidas restritivas de crédito social, aumento de imposto), cortando as asinhas dos sindicatos, combatendo o politicamente correto de aceitar qualquer quantidade de imigrantes é óbvio que os marxistas socialistas iriam gritar.

O quebra quebra em Paris aconteceu exatamente por esses motivos: blackblocks da esquerda tomaram as ruas com depredações e pichações com dizeres como "fora Macron" e "não ao capitalismo"

E mesmo com tudo isso ainda vai aparecer gente dizendo que Macron é marxista??? Antes de sair repetindo o que olavetes andam dizendo por aí parem e reflitam sobre os fatos sem cometer os mesmos erros que petistas e psolistas idiotizados fizeram e ainda fazem ao divulgar noticias sem base algumas nos fatos, mas tão somente porque alguma liderança deles disse.

Dito isso e agora que você leitor sabe o que é marxismo e porque Macron não é marxista, vamos entender afinal o que é globalismo:

GLOBALISMO - O QUE DIZEM QUE É E O QUE REALMENTE NÃO É

Sendo bem claro: Não existe essa história de globalismo isso é coisa da cabeça do Olavo que tenta transformar tudo que não for conservador em "comunista marxista globalista" como se o mundo fosse conservadores contra comunistas. O que existe e já falei disso e ele mesmo já falou sobre isso, são 3 grandes grupos de atuação mundial: os próprios comunas (China e Rússia), os islâmicos e por fim o grupo formado por EUA +Europa +Israel + Japão (e dentro desse grupo os grupos poderosos como Bildberg, Rotschild entre outros).

Tanto a idéia de que "há um projeto de união global dos senhores do mundo" como a idéia de que todos os grupos supranacionais de regulação e controle seriam de viés marxista (o que o Olavo chama de globalistas ou globalismo) são idéias totalmente equivocadas e que se explicam nos próprios fatos: no primeiro caso uma "união global para dominar o mundo" é impossível não apenas pelos diferentes interesses desses 3 grupos como nas próprias lutas internas de poder dentro desses 3 grupos (ex: sunitas contra xiitas e no meio deles o estado islâmico, ou ainda Rússia e China que tretam em questões internas como a questão do mar da China), da mesma forma a idéia de que há um movimento dos marxistas para dominar o mundo através de organismos supranacionais também é uma falácia, basta observar a própria zona do Euro que tornou a Europa uma potencia econômica ainda maior e não interferiu em questões de soberania dos países, ate porque os países são livres para sair do acordo caso não concordem com o que a maioria decide (principio da democracia) ou ainda outros casos ainda mais claros, como a OMC (organização mundial do comércio) que não tem nada de marxista.

Texto complementar - Xadrez mundial e as 3 forças de poder mundial (leia após a leitura de todo esse post) :


É óbvio que há infiltração marxista na ONU e em vários organismos e países isso é óbvio, pois é a estratégia desenvolvida por Trótsky de expansão do comunismo em especial no coração da América para combater a hegemonia americana, só que isso não é novidade alguma, nem é globalismo (pois todos os 3 grupos tentam expandir seu poder no Globo e nem por isso chamam o capitalismo ou islamismo de globalismo), basta observar que o marxismo falhou miseravelmente na América (ao contrário do que Olavo previu quando Obama e Lula eram presidentes ao mesmo tempo) não conquistou nenhuma potência na Europa (chamar o Macron de marxista, aquele que quis reduzir o direito dos trabalhadores é uma piada), então essa história furada de "globalismo" (como sinônimo de uma ação mundial de domínio do marxismo através de organismos supranacionais) é um delírio que não tem base nos fatos, uma teoria furada que foi criada tão somente para tentar convencer as pessoas que tudo que não for conservadorismo seria comunista-marxista-globalista, como se não existisse democracia ou partidos que pregam idéias de esquerda (como bem estar social por exemplo) mas que respeitam a democracia e a troca de poder no jogo democrático (diferente do marxismo).

O que o Olavo chama de "globalismo" nada mais é do que a tentativa das forças marxistas aparelharem ideologicamente as instituições, só que no nível de organismos supranacionais. O erro, na análise dele é dizer que todo organismo supranacional é "globalista" ou em outras palavras a serviço da difusão do marxismo. Existem sim organismos que estão com alto grau de aparelhamento como a ONU, mas tal influência não se repete, por exemplo, na OMC, Zona do Euro e tantas outras organizações supranacionais. Considerar todo político ou partido de esquerda ou centro esquerda como "marxista" ou a serviço do projeto marxista é outro erro crasso (vide o caso do Macron, chamá-lo de marxista é de uma imbecilidade sem tamanho). Basta observar os fatos, o que OMC ou OPEP fizeram de bom para os marxistas ou nações prioritariamente marxista? Nada.

A União Européia está inclusive em processo de adesão para receber a Ucrânia, algo totalmente contrário aos interesses da Rússia por conta do comércio de gás.  O Banco central Europeu adotou as mesmas medidas do FED (sistema de bancos centrais americanos) reduzindo quase a zero a taxa de juros dos países da zona do Euro para incentivar o crédito e o consumo. O que isso tem de marxista?

A Inglaterra, celebrada pelas olavetes devido ao brexit em 2017 amarga um crescimento em 2018 e projeção de crescimento para 2019 inferiores ao crescimento de 2016 e 2017 (que já estava entre os mais baixos da Inglaterra nos últimos anos) segundo o próprio banco da Inglaterra, ao ponto de hoje o governo (conservador) tentar manter as benesses de vários acordos econômicos com países da zona do Euro mesmo saindo da zona do euro. O próprio banco da Inglaterra foi claro: a queda do pib é culpa do brexit (óbvio)

Por fim e talvez o caso mais emblemático seja a Alemanha.  Um governo formado por uma chanceler de centro-direita aliada ao partido dos sociais democratas (e claro, governo chamado de marxista-globalista pelas olavetes). A Alemanha é a quarta economia do planeta, o motor da zona do Euro, tem crescido em média a 2% nos últimos 9 anos, algo que não era visto desde os anos 60 por lá. A recuperação começou em 2010 após o crash americano no final de 2008 e todo 2009 quando a divida alemã estava explodindo. A partir de 2010 o ritmo de crescimento da dívida foi diminuindo gradativamente até chegar em 2018 com o início da redução da dívida. Isso sem falar na taxa de desemprego na mínima histórica abaixo dos 4%. Será que a zona do Euro tem sido ruim pra Alemanha? Um governo de centro-direita seria marxista porque se aliou a sociais democratas? Sei....  

É como disse antes, a teoria do "globalismo" (suposta dominação em massa do marxismo nos organismos supranacionais) pra fazer sentido precisa criar "vilões marxistas" que não existem, como Merkel, Macron, Obama e a União Européia que não apenas tomou as mesmas medidas econômicas do FED reduzindo quase a zero os juros da zona do euro como também está em processo de aceitação da Ucrânia para ferrar de vez com os russos (devido a questão do gás) e mesmo assim as olavetes estúpidas continuam com o mantra que a União Européia é marxista globalista.

É óbvio que existe a tentativa dos marxistas em aparelharem partidos, governos (como foi no Brasil e América do Sul) e organismos supranacionais (a ONU é uma prova disso), mas daí o cidadão (olavete) concluir que TODOS os organismos supranacionais estão aparelhados e que toda a esquerda mundial é marxista, aí é um delírio, pois não tem base nos fatos como já expus até aqui: OMC, OPEP, União Européia, Merkel, Macron, absolutamente nada nos fatos atesta que esses organismos e lideranças são marxistas.       

Então na prática a teoria do "globalismo" nada mais e do que uma teoria com o superdimensionamento da ação marxista pelo mundo, tentando mostrar que existe uma ameaça marxista global e que a única saída é o conservadorismo (de preferência 100% católico) e que toda esquerda é marxista-globalista-fabiana e por isso precisa ser exterminada (outra bobagem, já que temos esquerda, centro esquerda, centro que não são marxistas).

O próprio governo Bolsonaro (conservador e aliados aos militares) governará fazendo aliança com a esquerda, centro esquerda e centro (os sociais democratas, como DEM e tucanos). A exceção de pt, psol, pc do b, psb e pdt (notoriamente marxistas,membros ou apoiadores do foro de SP) o resto dos partidos está no espectro de esquerda, centro esquerda e centro, definindo claramente que existe esquerda que não seja marxista, esquerda essa não-marxista que vai governar em sua maioria com o Bolsonaro, a não ser que o Olavo queira insistir que todo o Congresso de esquerda é marxista e que os militares e Bolsonaro, portanto, governarão com marxistas. Não dá né?

A LÓGICA E O QUE EU PREVI

A lógica dos fatos se impõe pela razão e coloca por terra teorias sem sustentação na realidade. A teoria do globalismo não tem sustentação nos fatos prova disso são os exercícios mirabolantes que analisas precisam fazer para tentar construir uma realidade que não se sustenta nos fatos. Quando uma teoria precisa de tais exercícios para ser sustentada é sinal de que ela já está errada.    

Um pouco antes de 2012 (lá por 2010) combati a histeria da "profecia maia", "nova era em 2012", vinda de Nibiru e outras teorias sem base profética alguma.  Estava certo

Por essa época também já combatia o petismo e em 2014 apontei claramente que o petismo cairia no Brasil e os militares ascenderiam ao poder pela via democrática até 2018 (enquanto alguns "analistas" que moram nos EUA não acreditavam nos militares e achavam que estávamos condenados a sermos uma Venezuela). Mais uma vez eu estava certo

Agora com a onda conservadora e o sentimento antipetista tem gente (as olavetes) querendo transformar tudo que não seja 100% conservador e de acordo com a teologia católica( transformar quem não comungar 100% com isso) em marxista, globalista ou fabiano. Uma ova!!! Lutei pela derrubada do petismo não pra compactuar com um petismo de direita no Brasil, não me venham com táticas de doutrinação cultural a la Gramsci querendo criar um pensamento único sobre o que é ser conservador porque não vai rolar, podem ter certeza disso.  

Vai ter conservador discordando da teologia católica sim, vai ter conservador discordando de um monte das idéias do Olavo sim e vai ter conservador não concordando com algumas pautas do conservadorismo ainda que acredite na maioria delas (o que os ingleses chama de liberal-conservative). Nem percam tempo tentando criar um petismo de direita no Brasil, tentando colocar quem pensa 1% contrário do “olavismo” como um marxista globalista pois não vai rolar.

Bolsonaro foi eleito com os militares democraticamente para resgatar o patriotismo, o fim da corrupção, derrotar o marxismo (compondo um governo no Congresso com a esquerda e centro esquerda sim) e resgatar o crescimento econômico através do liberalismo e empreendedorismo (nada de estatismo ou isolacionismo a la Trump ouviram olavetes?), Bolsonaro foi eleito pra isso, resgatando os valores (muitos deles conservadores) dentro da democracia, governando inclusive com gente da esquerda que não concorde com todos os valores conservadores, portanto podem esquecer que não vai rolar “petismo de direita” no Brasil, não vai ter essa de que “ou você é conservador exatamente como o Olavo ensina ou então você é um marxista”. Podem ter certeza absoluta que isso não vai rolar aqui no Brasil.

Podem ter certeza que como nas outras duas vezes anteriores eu novamente estarei certo, mostrando lógica, fatos e razão por trás da histeria e alienação coletiva, com argumentos baseados nos fatos e não em idéias que não se sustentam na realidade. É dessa forma que se antevê o futuro

Profecias cumpridas desde 2013 e como adquirir as obras que trouxeram desde 2014 a previsão do fim do petismo e a ascensão dos militares pela via democrática até 2018 (clique no banner para acessar o link):



19 de nov de 2018

Maçonaria, Mercúrio Filosofal, Baphomet, Cavaleiros Templários, Sociedades Secretas, Iluminati e o Globalismo

Baphomet, Mercúrio filosofal, templários, maçonaria


Pergunta interessante que recebi na fanpage e que deu origem ao texto:

"Acompanho seu trabalho e seus relatos. Conheci seu trabalho na melhor hora, pois como trabalho com a espiritualidade, acabou me ajudando e abrindo outras visões que não tinha. Diante disso quero te parabenizar pela dedicação e empenho. Gostaria de saber se você tem algum relato ou estudo sobre a fraternidade maçônica. Sempre tive muita curiosidade e pé atrás, pois nos chegam poucas informações de suas origens, seus rituais e etc. Há na internet pouca informação e as que tem são comparações com adoração a bafomet (bode), rituais de natureza satânica, com oferendas de bodes dentro de pentagramas em troca de poder e dinheiro. Enfim, se você tiver algo relevante poderia compartilhar? Tenho conhecidos próximos que pertencem a maçonaria e são GADUS, porém sempre tive curiosidade de saber se tb há algum tipo de ligação com o espiritual. Gratidão. Grande abraço." (Pergunta enviada pelo Marcos)

Resposta: Olá Marcos. Tem alguns textos bons sobre o tema no site do Del Debbio, eu escrevi alguma coisa no blog sobre o simbolismo do 33 e da acácia em um texto que deixarei ao final o link. Fico feliz que os textos do blog e da fanpage estejam sendo úteis de alguma forma.

Sobre a Maçonaria em si basicamente ela é uma ordem que tenta congregar homens livres e de bons costumes, ou seja, pessoas que sejam independentes em sua vida financeira e que sigam padrões morais elevados de comportamento, erguendo templos as virtudes e enterrando caixões pretos aos vícios. Normalmente a pessoa ingressa na maçonaria convidada por um maçom e normalmente é feita uma pesquisa na vida social pregressa da pessoa.

Há sessões abertas nas lojas e sessões fechadas apenas para os adeptos com os rituais e estudos específicos de determinadas obras. Há também um gasto financeiro relativamente elevado com a aquisição da indumentária (ternos pretos, aventais bordados) e com jantares que reúnem os membros e funcionam não apenas para arrecadar fundos para a loja como permitir a interação social dos membros, que costumam ajudar uns aos outros na vida social. Inclusive existem determinados sinais feitos com mãos em relação a cabeça e o tronco, determinadas expressões e modo de se expressar e caminhar que permitem os maçons se identificarem inclusive em outros países

Assim como nas Igrejas, casas espíritas, casas de Umbanda, temos bons templos maçônicos e não tão bons, pois tudo depende das pessoas que compõe o templo e cumprem, ou não, suas regras. Há casos de conflitos de poder e até mesmo templos que batem as suas colunas, mas há também bons locais de estudo, confraternização e mútua ajuda

Quanto a questão de baphomet, o que acontece é que boa parte da estrutura do templo maçônico é associada às constelações do Zodíaco e também porque muito dos rituais maçônicos são baseados em representações de eventos ocorridos nas construções do primeiro e segundo templo hebraicos. Nos relatos judaicos sobre essa época contidos nos livros sagrados dos judeus temos um antigo costume conhecido até hoje como "bode expiatório" no qual os antigos hebreus em ritual pegavam dois bodes, um branco e um preto, um para ser sacrificado em honra a YHWH e outro, que ouvia os pecados sussurrados pelos participantes do ritual e que era levado para o deserto (o ritual todo está em Levítico capítulo 16 e há maiores informações no livro de Enoch). Ao mesmo tempo nas 12 casas (colunas) astrológicas do templo, a mais alta é a de Capricórnio simbolizado pela cabra. Dessa união simbólica na ritualística entre homem, bode e cabra é que surgiu a imagem andrógina e simbólica de baphomet criada pelo ocultista Eliphas Levi (há ainda toda uma correlação com a ressurreição através do Sol invictus após o Sol entrar no signo de Capricórnio, tema que também foi narrado no blog e está detalhado ao final do livro "Armagedoom 2036") o que explica o uso do termo que significa "batismo da sabedoria" 



Acontece que essa famosa imagem de baphomet como um ser meio humano, meio cabra/bode criada por Eliphas no livro Ritual de Alta Magia (e a partir daí muito utilizada pelo satanismo, daí a sua má fama) é uma representação posterior a original, que surgiu na verdade com os cavaleiros templários, pelos idos do ano 1.100 quando cuidaram da região que se localizava o templo de Salomão e tiveram acesso a informações e objetos do povo que vivia na região criando diversos símbolos, sendo que por volta de 1300 foram condenados, pela Igreja, por heresia. 


Séculos depois o barão e arqueólogo austríaco Joseph Von Hammer Purgstall, em 1818 lançou o livro "Mysterium Baphometis Revelatum" que trouxe em sua obra algumas representações (desenhos) atribuídos aos templários que seriam representações de baphomet, igualmente andróginas só que com aparência humana. Se temos pelo menos duas representações andróginas (o mercúrio filosófico da imagem) temos ainda diversas associações e possíveis traduções para o termo baphomet que podem ser vistas aqui:




Então pra resumir a história sobre baphomet o que temos nos dias de hoje é a representação (imagem) de Eliphas Levi como a mais famosa e estudada pelos ocultistas na sua simbologia (inclusive maçons), que ganhou má fama como diversos outros símbolos (por exemplo, a carta o diabo do Tarot que pode assustar quem não estuda ou não entende seu significado), porém esse símbolo de baphomet não é o único (há ainda pelo menos mais uma referência andrógina que o associa ao simbolismo do mercúrio primordial e da própria representação dentro da mitologia de mercúrio ou hermes três vezes (homem, mulher, amálgama) grande (trimegistus) utilizando a alquimia para representar esses símbolos.

É possível dizer com tranqüilidade que em todas as traduções ou interpretações do termo baphomet existe a palavra "sabedoria" presente e nas suas representações desenhadas sempre a cabeça como ponto central (a imagem de Von Hammer atribuída aos templários coloca a caveira como base da figura humana andrógina,enquanto que Levi focaliza a imagem central na cabeça da cabra) apontando que de alguma forma o encontro da sabedoria passa pela razão, pelo bom uso do cérebro, pelo ciclo de vida-morte-reencarnação (a caveira, o gólgota) pelo reconhecimento da natureza animal que existe dentro da cada um e que está no meio entre razão e emoção formando os 3 pilares da Árvore das Vidas que também está claramente associada a todas as imagens (mercúrio filosofal, baphomet dos templários, baphomet de Levi)


Eliphas Levi assim define a imagem que consta no seu livro (páginas 337-338 da obra Dogma e Ritual de Alta Magia):

"O bode, que é representado no nosso frontispício, traz na fronte o signo do pentagrama, com a ponta para cima, o que é suficiente para fazer dele um símbolo de luz; faz com as mãos o sinal do ocultismo, e mostra em cima a lua branca de Chesed, e embaixo a lua preta de Geburah. Este sinal exprime o perfeito acordo da misericórdia com a justiça. Um dos seus braços é feminino, o outro é masculino, como no andrógino de Khunrath, cujos atributos tivemos de reunir aos do nosso bode, pois que é um único e mesmo símbolo. O facho da inteligência que brilha entre os seus chifres é a luz mágica do equilíbrio universal; é também a figura da alma elevada acima da matéria, embora esteja presa à própria matéria, como a chama está presa ao facho. A cabeça horrenda do animal exprime o horror do pecado, de que só o agente material, único responsável, deve para sempre sofrer a pena: porque a alma é impassível por sua própria natureza, e só chega a sofrer, materializando-se. O caduceu, que está em lugar do órgão gerador, representa a vida eterna; o ventre coberto de escamas é a água; o círculo que está em cima é a atmosfera; as penas que vêm depois são o emblema do volátil; depois, a humanidade é presenteada pelos dois seios e os braços andróginos desta esfinge das ciências ocultas" 

Curiosamente Levi usa os mesmos símbolos contidos na imagem templária: uma capa que cobre os membros inferiores de baphomet que está sentado sobre um local esférico semelhante a parte superior de um crânio, utiliza a representação da Lua, do pentagrama, do facho de luz central no topo da cabeça para representar o Sol, o caduceu com seu entrelaçamento tipicamente mercurial, a imagem está toda baseada na imagem templária em especial no detalhe dos 3 "chifres" (na imagem templária aparece como uma coroa, no baphomet de Levi são os dois cornos da cabeça e um adicional ao centro com um facho de luz)

Obviamente que tais representações de aparência até certo ponto assustadoras como um bode, uma caveira entre outras são propositalmente criadas pelos estudiosos para afastar os curiosos e ao mesmo tempo habituar o estudioso a ter um olhar mais minucioso alem das aparências, pois muitas vezes nos embates astrais ou magisticos o mais difícil nem é ter coragem de enfrentar um ser medonho de aparência horrorosa, mas aprender a identificar o que está escondido por trás de uma aparência sedutora  

MAÇONARIA X SATANISMO

O Satanismo ou o grupo que se conhece como satanismo nos dias de hoje (Satanismo moderno) foi criado nos anos 60 por Anton LaVey e, como explicado no texto, estuda vários dos símbolos que já eram estudados muito tempo antes na Maçonaria e exatamente a partir desse ponto surgiram as associações da Maçonaria com o Satanismo, a grande maioria errônea.

A história da maçonaria pode ser lida aqui:




A maioria das lojas maçônicas pratica 3 tipos de ritos: o Rito de York, O Rito Escocês Antigo e Aceito e o Rito Francês. Cada um deles tem regras e um cerimonial bem definido, portanto qualquer coisa fora disso não é Maçonaria. Agora que sabemos o que é Maçonaria é importante não confundir Maçonaria com outros grupos:


BOHEMIAN GROOVE, CLUBE DE BILDBERG, SKULL AND BONES, ILUMINATIS – É TUDO MAÇONARIA DO CAPETA???

Você já deve ter lido algum crente ou algum espiritualista que não sabe lhufas de coisas nenhuma ou ainda algum olavete falando em “maçonaria berço do globalismo”, que “Jorge Soros é um maçom satanista” ou ainda sobre “cabala negra e rituais demoníacos da maçonaria”. O que todas essas pessoas tem em comum é que falam daquilo que nada sabem.

Existem diversos grupos e ordens poderosas no mundo, que reúnem grandes magnatas, políticos, reis, banqueiros, famílias poderosas, cada uma com objetivos bem definidos, mas que não são maçônicas (ainda que eventualmente um maçom ou outro participe de alguma dessas ordens ou grupos). Como expliquei ao longo do texto há costumes e ritos próprios dentro da Maçonaria que a distinguem de outras ordens ou grupos

Da mesma forma que nem todo presidente americano ou europeu é ou foi maçom (ainda que número expressivo de políticos e pessoas influentes seja ou tenha sido), temos muitos maçons que associam à outros grupos por questões ou objetivos pessoais. Grupos como o Bohemian Groove ou o Clube de Bildberg reúnem as pessoas mais poderosas da Califórnia e do eixo EUA-Europa que ao entrar nesses grupos passam a seguir o código de conduta de tais grupos. Sobre esses grupos poderosos e especificamente o Clube de Bildberg eu falei bastante nesse texto aqui:


Inclusive no texto linkado acima está explicado como essas grandes organizações atuam no cenário mundial, muitas delas movidas muito mais por interesses pessoais (de poder e dinheiro) dos seus membros do que ideologias como apoiar marxismo ou conservadorismo. Perguntem a qualquer grande investidor da Bolsa de Valores, seja nos EUA ou no Brasil, quando que as melhores oportunidades surgem e todos responderão a mesma coisa: nas crises. Talvez a mais poderosa família européia, os Rotschild cunhou a celebre frase que virou um mantra de mega investidores como Soros e Warren Buffet: “compre ao som dos canhões e venda ao som dos violinos”. Em épocas de guerra (e nos tempos modernos nas Bolsas de Valores) é nas grandes crises, quando os canhões estouram, que o valor de empresas com sólidos fundamentos cai abruptamente muito abaixo do seu valor real e é aí que os grandes investidores compram e erguem seus impérios. Soros e Buffet estão pouco se importando com marxismo, conservadorismo ou qualquer outra ideologia, com globalismo ou isolacionismo, estão apenas interessados em saber como é possível manipular mercados e governos para novas crises nas quais eles possam comprar ativos por um valor bem abaixo do que eles realmente valem.

Grupos como Bohemian Groove e Bildberg entendem que é muito mais lucrativo fortalecer os laços econômicos entre EUA e Europa, não apenas por questões econômicas, mas também sociais e políticas, pois existe um laço de confiança construído ao longo de séculos. O que muitos homens poderosos que entram nesses grupos vislumbram é exatamente um veículo que proporcione fazer bons negócios, de forma segura e confiável, com pessoas dispostas a seguir o mesmo código de ética e sujeitos as mesmas punições. Entender isso é compreender que o conceito de “nação” e “globalismo” vai muito além de disputas ideológicas ou patrióticas como alguns (olavetes) querem vender aos incautos.

Reflitam: em um passado não tão distante homens poderosos na política, nas finanças e no comércio (que os comunas chamariam de burguesia) se uniram nos EUA, depois na França e depois no Brasil para lutar por independência. A Maçonaria esteve em cada uma dessas lutas como peça fundamental, inclusive nos EUA eles foram conhecidos como os “pais fundadores”. Inclusive o presidente George Washington (que era maçom) colocou a pedra fundamental do Capitólio devidamente paramentado com avental


Mais sobre a influência maçônica na independência e desenvolvimento dos EUA pode ser visto aqui:


E como os Estados Unidos (como o próprio nome diz) tornaram-se a nação mais poderosa e próspera do mundo? A resposta é: colocando seus Estados independentes, cada qual com suas leis, dentro de uma Confederação a qual deveriam seguir (A Constituição Americana). É exatamente o mesmíssimo modelo que os países europeus signatários da zona do Euro seguiram, assim como é o mesmo modelo que todos os países que desejam comercializar globalmente seguiram ao entrar na OMC (organização mundial do comércio)

Como expliquei no texto do xadrez mundial linkado a pouco não existe nova ordem mundial alguma, a ordem ou status quo do mundo permanece a mesma, apenas mais globalizada: homens poderosos e nações criam grupos que representem seus interesses e permitem que esses grupos, com maior poder, possam barganhar ou negociar de forma mais vantajosa com outras nações ou grupos. Simples assim. O problema é que tem alguns "estudiosos" que são estatistas e antiglobalização e aí querem inventar histórinhas com outros nomes (globalismo) para esconder o que realmente desejam combater que é a economia liberal e globalizada.  Tem ex comunista que agora é (ou se diz) conservador que se esqueceu de abandonar a velha dialética, mas sobretudo de abandonar o velho estatismo.

Inclusive fiz um texto ainda mais específico explicando como as grandes famílias poderosas atuam para fortalecer ainda mais a hegemonia do grupo EUA-Europa dentro do “xadrez mundial”:


Portanto é muito ingenuidade de alguns “analistas” (os mesmos que disseram que com a eleição de Lula e Obama o Brasil estava fadado a ser uma Venezuela, porque Obama era um comunista e o Exército brasileiro não teria pulso para segurar o avanço comunista.....pelo visto não tinha razão) acreditarem que existem forças do “globalismo” querendo controlar nações ou continentes... queridinho, tais forças fazem parte exatamente do sistema associado a esses governos e nações exatamente para fortalecê-los, pois diferente desses “pseudo analistas” tais governos e nações sabem que o mundo caminha para um grande confronto final por PODER de ação e controle, no qual cada nação, cada homem poderoso confia que aquele grande grupos que está inserido poderá ser o vencedor. Se tem gente achando que há uma nova ordem mundial ou um grande acordo mundial esse pessoal precisa olhar um pouco melhor a geopolítica mundial (deixo novamente o texto sobre o xadrez mundial) aqui:


Os três grandes grupos (EUA-Europa, Marxismo e Islamismo) se articulam para a batalha final prevista há séculos. Uma briga por poder que reflete a mesma briga por poder das zonas umbralinas. A mesma e velha ordem mundial que lutou e luta por poder. Somente após os eventos da grande tribulação, o ápice da Transição Planetária é que vivenciaremos, aí sim, uma Nova Ordem Mundial, reconstruídas sobre os escombros da antiga civilização e erguida sobre novas bases, confederados e irmanados pelos ideais de fraternidade, cooperação e democracia, onde fronteiras e muros não serão mais necessários, onde a busca pela paz e o fim da miséria, pela dignidade e progresso pessoal e coletivo serão os objetivos globais, onde somente haverá uma raça, a humana e somente uma pátria, o planeta inteiro.    


MAS E OS ILUMINATI ZÉ??? A MAÇONARIA É ILUMINATI???

Aqui a coisa fica interessante pois é comum confundirmos os membros da sociedade iluminati com os homens que desencadearam o movimento conhecido como Iluminismo.

A sociedade iluminati também conhecida como os iluminados da Baviera foi criada na Alemanha pelos idos de 1776 por um maçom chamada Adam Weishaupt. Politicamente eram contra a propriedade privada, contra os grandes proprietários econômicos (leia-se burguesia) e contra a autoridade social (seja a Monarquia sistema mais comum na época, seja a Igreja no âmbito religioso). Se você leitor foi perspicaz então você percebeu que os Iluminati trouxeram, na verdade, todas as bases do marxismo, que décadas depois ganharia praticamente as mesmas idéias, só que agora através de Karl Marx (nascido em 1818 na antiga Prússia, hoje Alemanha) no Manifesto Comunista de 1848

Os Iluminati não pertenciam ou eram Maçonaria (pois não seguiam seus ritos) mas tão somente foi uma sociedade criada originalmente por um maçom e que trouxe o gérmen, no seio da Europa, daquilo que futuramente seria conhecido como marxismo. É importante aqui diferenciarmos os Iluminati do Iluminismo

O Iluminismo defendia a separação da Igreja do Estado juntamente com maior liberdade política e econômica com a clara diferença em relação aos Iluminati e posteriormente os marxistas, de que o Iluminismo era patrocinado e defendia a burguesia, ou seja, um comércio menos descentralizado (por isso o combate às Monarquias Absolutistas e ao poder da Igreja) o que em síntese significava um comércio menos regulado pelo Estado, com menor intervenção do Estado. Se hoje os países mais prósperos são aqueles com maior liberdade, sobretudo econômica muito disso se deve exatamente aos ideais iluministas e a clara comprovação de que os ideais marxistas (comunistas e iluminatis) definitivamente fracassaram.


ENCERRANDO

Aconselho a leitura e releitura do texto bem como dos links que foram colocados ao longo do texto, pois acredito que a leitura de todo esse material permitirá esclarecer as principais dúvidas sobre o tema Maçonaria bem como colocar por terra crendices de alguns “intelectuais” que não entendem lhufas do tema.   

Previsões cumpridas sobre o Brasil e como adquirir as obras (tanto no formato impresso como em pdf) clique no banner abaixo: 


9 de nov de 2018

Júpiter - Entrada em Sagitário - Primeiras Análises 2019

Júpiter Sagitário previsões 2019

Ontem, dia 08 de novembro, mais especificamente às 10h39min, Júpiter adentrou no signo de Sagitário que é regido exatamente por esse astro. Poucas horas depois, por volta das 17 horas, a Lua Nova fez uma conjunção exata com Júpiter. Até o final de novembro de 2019, Júpiter permanecerá em Sagitário antes que adentre no signo de Capricórnio quando então teremos o grande evento astrológico de 2020 (descrito amplamente no livro “Brasil o Lírio das Américas” lançado no ano de 2014, página 285) 

Júpiter demora 11 anos e 315 dias para completar uma volta ao redor do Sol, ou seja, seu ciclo astrológico é de aproximadamente 12 anos e aproximadamente 12 meses para cada signo. Júpiter representa no mapa de uma pessoa a busca pelo sentido da vida, a conexão com a sua jornada pessoal, ou seja, como a pessoa busca filosoficamente compreender e vivenciar a vida.

Júpiter é o maior planeta do sistema solar, representa o impulso primordial à ação, a boa sorte, tem profunda influência cultural no enriquecimento mental de uma pessoa, ele mostra onde a pessoa encontra felicidade e sentido pra própria vida, em suma, a busca filosófica pela própria missão de vida.

Por esses motivos Júpiter é considerado um astro benéfico ou de boa sorte no mapa, um facilitador, pois sua função no mapa é apontar em qual assunto (casa que está domiciliado) a pessoa encontrará sentido para a sua vida, encontrará a sua jornada e de qual forma (segundo o signo) ela buscará essa jornada e esse sentido filosófico para a sua existência.

Sagitário por sua vez é conhecido pelo dilema entre a razão e o instinto simbolizado no centauro que representa o signo: o lado racional impulsiona o conhecimento filosófico, o lado instintivo busca a aventura para descobrir na prática o que foi aprendido na teoria. Por isso que Sagitário rege, ao mesmo tempo, a busca pelo conhecimento filosófico, os grandes centros acadêmicos, as universidades e, ao mesmo tempo, rege as viagens, o contato com outras culturas e países.

O lado mais humano do centauro busca o conhecimento, mas ao mesmo tempo necessita da adrenalina da jornada, do aprendizado prático. Por esse motivo Sagitário, diferente do seu oposto (e complementar) Gêmeos não busca apenas o conhecimento, a troca intelectual, mas sim a compreensão dos sistemas que regem a vida e de que forma povos, culturas e filosofias compõe esses sistemas, e de que forma ele Sagitário pode fazer parte desse mundo no seu sentido mais amplo de compreensão e vivência prática.

Outro ponto importante que precisamos compreender é que a fama de “boa sorte” de Júpiter representa, na verdade, a capacidade para atingir um alvo, ter uma meta, determinar-se em uma direção. Tanto o astro Júpiter (representação romana de Zeus) como o signo por ele regido, Sagitarius (do latim sagitta que significa flecha, seta) são representados por seres (tanto Zeus como o centauro) que levam nas mãos uma arma de longa distância (Zeus segura um raio e o centauro as flechas para atirar com o arco).

Júpiter demarca o assunto (dependendo da casa que estiver localizado no mapa) que dará sentido para a vida da pessoa, onde ela buscará alcançar suas principais metas, enquanto que o signo de Sagitário demarcará em qual assunto (a casa na qual estiver localizado) ela encontrará o sentido da sua vida. Por exemplo: alguém com Júpiter na casa 07 (casa das associações com outra pessoa, seja um casamento ou sociedade na vida profissional) e com Sagitário na casa 11 (grupos que unem pessoas com um ideal comum, o trabalho em grupo por um objetivo social) buscará boas associações, pois é sua meta principal, o que dá sentido para a sua vida, mas na verdade esse será um caminho para chegar a casa 11, casa na qual realmente encontrará o sentido para a sua vida (pois Sagitário está nessa casa).

Obviamente um Júpiter em Leão será diferente de um Júpiter em Peixes (o primeiro sempre buscará a liderança a qualquer custo, o segundo estará mais disposto a sacrifícios, renúncias e a se adaptar ao grupo ou associação que estiver inserido) e obviamente os aspectos envolvendo tanto Júpiter como Sagitário no mapa da pessoa devem ser considerados, pois quanto maiores forem as tensões (quadraturas, oposições, quincúcios) mais árido será o caminho de realização desse Júpiter, enquanto que facilitadores (sextis, trígonos ou conjunções envolvendo astros “benéficos” como por exemplo com Sol e Vênus) mostram que será um caminho de despertar mais rápido ou com menos sobressaltos.

Com a entrada de Júpiter em Sagitário (assim como a entrada de Kiron em Áries) teremos coletivamente uma preocupação em atingir metas muito claras para o futuro próximo, maior debate sobre questões filosóficas e valores éticos e morais, ao mesmo tempo em que a população terá grande disposição para iniciar uma nova jornada com disposição para enfrentar os desafios e aventuras nessa nova trajetória. Isso representa um ponto positivo para o novo governo, pois no geral a população estará atenta às questões políticas, cobrando combate firme à corrupção e tendo metas muito claras, projetando prazos para os objetivos traçados.

Um deles que posso adiantar diz respeito às reformas (previdenciária, política, tributária entre outras): caso o governo não consiga até os idos de final de 2019/começo de 2020 passar as reformas que deseja, uma semi-constituinte via plebiscito com algumas emendas será realizado nas eleições de 2020 como uma espécie de “base” ou “gênese” de uma constituinte mais ampla que deverá ser realizada a partir da eleição do novo presidente ao final de 2022.

As mudanças que se iniciarão agora no início de 2019 no sentido de elevar os valores éticos e filosóficos do país na política, sobretudo no combate à corrupção encontrarão seu apogeu ao longo de 2020 quando Saturno e Plutão e depois na companhia de Júpiter, todos em Capricórnio, definitivamente “passarão a foice” em tudo aquilo que está carcomido nas instituições e valores não republicanos.

Curiosamente no ciclo anterior de Júpiter em Sagitário (2006-2007) tivemos o julgamento do mensalão na Câmara (o julgamento no STF só ocorreria em 2012), porém naquela época estávamos sob o grande ciclo do Sol (1981-2016) então tivemos “apenas” o grande esquema antiético e corrupto sendo exposto, iluminado, vindo às claras para todo mundo, só que agora o grande ciclo é de Saturno (2017-2052), a grande foice de chumbo retirando tudo aquilo que não presta e, para ficar ainda mais interessante ao longo de 2019 teremos a regência de Ogum (Marte) então os corruptos que se preparem, pois a caçada do super Moro aos corruptos será implacável (nas últimas vezes que tivemos a combinação Saturno – Marte na regência de grandes ciclos e ciclos menores, tendo Marte como o regente de ciclo, foi exatamente o período das duas grandes guerras)         

Júpiter Sagitário novembro


Júpiter adentrará Sagitário na casa 11 e estará nessa casa na companhia de Sol, Lua e Mercúrio no próximo dia 08 de novembro, sendo que o trânsito do Sol nesse dia fará uma conjunção exata com o Meio Céu do mapa da Independência, realçando o mesmo movimento coletivo de libertação do povo na busca por uma transformação profunda (nada mais escorpiônico afinal o grito de “independência ou morte” foi dado com o MC em Escorpião e com Marte no mesmo signo). A depuração das mais altas instituições do país, simbolizadas no MC do mapa da Independência serão levadas a cabo pela união coletiva de um grupo unido por uma causa social/humanitária (a maioria que elegeu Bolsonaro) alavancando uma transformação profunda, a quebra de antigos hábitos enraizados (corrupção) nas entranhas do poder. 

Poucas horas depois os mesmos astros (Sol, Lua, Júpiter e Mercúrio) estarão todos na casa 08 só que agora a conjunção exata Júpiter + Lua Nova, tendo Saturno e Plutão (ambos em Capricórnio no topo do mapa) como podemos observar na imagem abaixo:

Júpiter Sagitário 2019


A casa 08 fala do poder, controle, jogos de poder nos bastidores, transformações, regeneração, renascimento, tudo isso potencializado por essa conjunção de Júpiter com a Lua Nova.

INDIVIDUALMENTE

Todo esse efeito de Júpiter, sobretudo fortalecendo, regenerando e aumentando a capacidade de renascimento de cada pessoa na busca por suas metas e sentido de vida será mais benéfico para aqueles que possuem Sol, Júpiter ou Ascendente natal em Sagitário (e receberão ao longo do ano a conjunção pelo trânsito de Júpiter no céu) como também aqueles que possuem Sol, Júpiter ou Ascendente em Leão (receberão trigonos pelo trânsito de Júpiter) ou em Aquário (receberão sextis). Os nativos que possuírem Sol, Júpiter ou Ascendente a menos de 5º ou acima de 20º em Libra ou Áries também serão beneficiados, assim como aqueles que possuírem Sol, Júpiter ou Ascendente entre o grau 5 e o grau 20 de Capricórnio (todos com essas posições terão em alguns momentos do ano a “sorte” favorecida, na realidade favorecido o caminho para aqueles que estão trilhando nos últimos meses a busca pela realização dos seus objetivos)

Para acompanhar a trajetória de Júpiter nos próximos 12 meses deixo a seguir uma tabela que mostra em quais graus o astro transitará mês a mês, lembrando que em 10 de abril ele inicia a retrogradação e em 11 de agosto volta ao movimento direto

Novembro – 0, 1, 2, 3, 4,5
Dezembro – 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11
Janeiro – 12, 13, 14, 15, 16, 17
Fevereiro – 18, 19, 20, 21
Março – 22, 23, 24
Abril – 23, 24
Maio – 23, 22, 21, 20
Junho – 20, 19, 18, 17
Julho – 16, 15, 14
Agosto – 15, 14
Setembro – 15, 16, 17, 18
Outubro – 18, 19, 20, 21, 22, 23
Novembro – 24, 25, 26, 27, 28, 29

Bem no início de dezembro, no dia 03, Júpiter adentrará em Capricórnio

Para complementar os assuntos abordados nesse post:

Urano Em Touro (2018-2026), Kíron em Áries, o grande ciclo de Saturno e a passagem de Saturno e Plutão em Capricórnio até final de 2020 (para acessar o link clique no banner abaixo):



24 de ago de 2018

Altos Tributos, Luxos e Corrupção - Quais as Possíveis Soluções


A piada (triste) e recorrente é que o Brasil cobra impostos como os países nórdicos e oferece serviços e retorno ao povo padrão África. O problema não é se o imposto é alto ou baixo ou se o Estado de bem estar social é grande ou pequeno, mas sim se os recursos obtidos pelos impostos são geridos adequadamente (ou seja, um Estado eficiente e com baixa corrupção). Se o Estado cobra alta carga tributária e não oferece serviços públicos de qualidade o motivo é má gestão e corrupção, exatamente o caso do Brasil. Essa é a verdadeira discussão.


Atualmente o Brasil gasta dezenas de bilhões para manter luxos e privilégios nos três Poderes que retiram dinheiro que deveria ser empregado em serviços públicos, luxos como 4 mil funcionários aspones no Congresso, 15º salários, altas verbas de gabinete, auxilio moradia e por aí vai. Pra complicar um pouco mais há a corrupção que desvia os recursos que deveriam ser utilizados para escolas, hospitais e etc. No caso do Brasil há uma corrupção sistêmica tanto a nível macro (o mega esquema da propinocracia vermelha envolvendo políticos e grandes empresários, como também pequenas prefeituras e governos com corrupção entre políticos e agentes públicos). Ou seja, já temos dois grandes gargalos (luxos/privilégios e a corrupção) que "comem" bilhões do que foi arrecadado com altos impostos. Mas há um terceiro problema: a dívida acumulada.

Como os governos (em especial os 13 anos do governo vermelho) gastam mais do que arrecadam, criam a dívida e pior ainda, em um cenário de taxa alta de juros. Então o governo ainda precisa destinar parte (grande) do dinheiro arrecadado para pagar os juros da dívida (veja bem, os juros, sem conseguir diminuir o montante de dívida). Vale lembrar que os juros são altos porque o custo do dinheiro é alto, ou seja, os investidores que desejam investir nos mercados mundiais não investiriam no país devido a insegurança jurídica (tema amplamente explicado por Douglas North e pontuado no livro “Brasil o Lírio das Américas) e portanto só o fazem mediante alta remuneração, ou seja, emprestam dinheiro para o banco em troca de um ganho (juro) alto que é repassado quando o banco vai emprestar esse dinheiro (isso sem falar no spread altíssimo, pois como temos poucos bancos no país a concorrência é baixa e o banco põe o preço que quer no dinheiro, o spread, que a diferença entre aquilo que ele paga a quem bota o dinheiro no banco e o que o banco cobra para quem vai pegar dinheiro emprestado). Dito isso temos praticamente mapeados todo os principais problemas econômicos e estruturais do país. Sim, basicamente é “apenas” isso.

Como começar a solucionar isso? Primeiramente abrir a concorrência bancária (mais bancos), regras mais claras no âmbito jurídico para as empresas que desejam investir no país. Isso vai atrair recursos externos (investimento) e diminuir o custo do dinheiro. Juros menores e spread menor representam custo menor para a dívida que o país tem com os agentes do sistema financeiro

Segundo ponto é atacar o tamanho da dívida, pois uma dívida grande demais também afasta investidores externos. A solução pra esse problema, já mostrada por Paulo Guedes (economista da escola de Chicago e futuro ministro da economia de Bolsonaro) é privatizar, diminuindo os custos de gerência do Estado e gerando receita a ser usada para pagar a dívida e conseqüentemente a médio prazo cada vez menos custos com a rolagem dos juros da dívida.A venda de várias estatais cabide de empregos e de imóveis do governo que não são usados podem amortecer grande parte da dívida e a curto prazo o custo com os juros da dívida (ver o vídeo ao final com a entrevista dele na globonews)

Terceiro ponto é simplificar a arrecadação com no máximo 3 ou 4 impostos e não os impostos em cascata que o país paga. Quanto mais alto um governo cobra de impostos, menos ele arrecada como foi mostrado de forma clara e irrefutável na curva de Laffer: se o governo cobra 90% a 100% de imposto as pessoas preferem morrer à trabalhar para dar tudo que produzem para o governo, enquanto que se o valor fica entorno de 15%, 20% (o limite seria 33% quando a curva de arrecadação começa a cair) a maioria aceita contribuir e dessa forma a arrecadação é mais eficiente (vale aqui lembrar que saídas defendidas por Ciro Gomes e Piketty como taxar grandes fortunas ou taxar o lucro das grandes empresas não funcionam na prática, pois em um mercado globalizado esses agentes em um cenário assim simplesmente deixam de investir no país ou transferem cidadania para outro país com impostos mais amigáveis, então é utopia, furada).

Melhorando a arrecadação o governo bota mais dinheiro em caixa, mas ainda tem aqueles dois problemas iniciais que abordei (luxos/privilégios e corrupção) para resolver, pois ele precisa gerir o melhor possível o dinheiro que entra para depois fazer uma escolha importante que abordarei ao final do texto.

Muito se debate sobre o tamanho da máquina (estatal) mas o ponto central é que a compreensão geral do brasileiro sobre "trabalhar para o Estado" está errada. A maioria enxerga o funcionalismo público como a solução financeira da vida buscando um cargo público não por dom ou talento, mas simplesmente porque paga bem e traz estabilidade, só que isso em um Estado produtivo de verdade não existe; o funcionário que trabalha para o Estado deveria servir ao Estado e não se servir do Estado, Estado não é lugar para ninguém enriquecer, Estado não é para garantir estabilidade de emprego mas sim atrair aqueles que já possuem uma vida financeira estável e dom para aquela determinada tarefa como por exemplo ocorre no parlamento sueco sem regalias.

É surreal que existam vereadores no Brasil com a remuneração que possuem, surreal que exista 15º salário e tamanha verba de gabinete e auxílios financeiros adicionais, bem como que o funcionalismo público ganhe salários superiores aos da iniciativa privada. Enquanto os salários do funcionalismo público não forem indexados aos da iniciativa privada e dentro das carreiras do funcionalismo público não houver um limite claro (por exemplo, o maior cargo pode ganhar no máximo 10 salários mínimos ou 10 vezes o valor do salário inicial/mínimo para quem entra no funcionalismo público) enquanto não houver isso a farra vai continuar (e pra mudar isso é necessário fazer uma Constituinte).

Outro ponto importante é que existe um número de cargos públicos e de confiança que precisam ser cortados (os famosos aspones) isso sem falar em cortar metade do numero de deputados, senadores e vereadores (já há várias pecs nesse sentido, uma inclusive famosa do falecido Clodovil) permitindo que inclusive parte desses recursos economizados seja usada para melhorar as condições dos serviços públicos.

Por fim falta a principal medida: combater a corrupção. De nada adianta arrecadar mais, cortar os luxos/privilégios se os agentes públicos e políticos desviam dinheiro. Sem dúvida há uma corrupção sistêmica no país e muito disso é decorrente do aparelhamento do Estado desde o nível municipal até o federal: sindicatos, filhos de pessoas influentes, parentes de políticos, todo mundo consegue uma boquinha em algum cargo ou secretaria. Diminuir apenas salários não vai coibir a corrupção nesses casos, pois há as verbas de orçamento, superfaturamento de obras então somente duas saídas radicais podem resolver o problema: vedação total a qualquer parente de político eleito ou parente de pessoa concursada de trabalhar para o Estado e em segundo lugar quem trabalhar para o Estado precisa estar em um regime tributário diferenciado: sigilo bancário totalmente aberto para os órgãos de investigação enquanto for funcionário do Estado e vedação total a qualquer ente do Estado (eleito ou concursado) de possuir dinheiro seu ou de familiar depositado no exterior, seja em offshore, empresa ou qualquer tipo de negócio.

Tais medidas visam obviamente permitir que somente os honestos e que não querem se servir financeiramente do Estado procurem trabalhar para o Estado. Regiões como o nordeste onde o coronelismo na política é profundamente enraizado rapidamente expurgariam o problema da corrupção. A estrutura fabulosa da receita federal que já existe e funciona muito bem conseguiria fiscalizar isso tranquilamente.

E qual a escolha que o governo precisa fazer agora? A escolha é o tamanho do Estado de bem estar social, ou seja, quais serviços serão públicos (não gratuitos, pois foram pagos pelo povo na forma de impostos, não existe almoço grátis). No caso do Brasil quanto mais rápido conseguir pagar a dívida toda, mais rapidamente terá maiores condições de investimentos vindos do exterior e também de maior dinheiro para investir em infra estrutura, então acredito que o caminho seria diminuir um pouco o valor destinado a serviços públicos e mesmo assim teríamos um serviço público melhor, pois o dinheiro seria investido de forma mais eficiente e além disso o cidadão teria mais dinheiro no bolso por pagar menos impostos e poderia eventualmente recorrer a serviços privados em lugares ou épocas que o serviço público não conseguisse suprir a demanda.

Acredito também que no orçamento deveria ser investido maior volume de recursos para a educação, por vários motivos. Primeiramente o escola sem partido e escolas militares para áreas violentas, pois é preciso quebrar a ação do tráfico sobre as crianças, bem como a ação do marxismo cultural. E isso é um trabalho de médio e longo prazo que precisa ser feito. Além disso um país com pessoas mais preparadas intelectualmente permite que sejam mais autônomas para planejar a vida econômica, oferecer uma mão de obra melhor para o país.

Não adianta pensar em impulsionar o empreendedorismo se não tivermos pessoas capacitadas pra isso, por isso a educação é fundamental e merece maiores recursos. O mesmo vale para a saúde (criar uma carreira para o médico facilitando melhores condições de medicina em pequenas cidades) e segurança (valorizar a carreira do policial, dar boas condições e segurança jurídica para sua atuação, em especial o fortalecimento da policia militar)

COMO FAZER POLITICAMENTE TUDO ISSO

Agora vem o ponto principal: como colocar tantas mudanças em prática?  Acredito que temos 3 pilares fundamentais para que tudo isso possa ser feito. Primeiro de tudo é mudar o sistema de eleição, que precisa ser distrital misto. Isso impede que puxadores de voto e partidos escolham os representantes do povo e que o povo realmente escolha quem vai ser o seu representante no Congresso. Isso facilita que não apenas o povo possa eleger um presidente sintonizado com essas pautas descritas no texto como também parlamentares igualmente sintonizados.

O segundo passo é uma constituinte mudando vários princípios constitucionais que permitam a implementação dessas medidas. O terceiro ponto ou pilar é acabar com a quarta instância, deixando a justiça com apenas 3 instâncias e com súmulas vinculantes como regra clara para os julgamentos, deixando que a suprema corte apenas debata e discuta sobre alguma súmula que precise ser alterada em caso de algum acontecimento relevante que motive a mudança. Teríamos uma justiça muito mais próxima do que é nos EUA hoje, na qual não existe muita interpretação da lei, lei clara, a pessoa sabe que se faz algo é condenada e rapidamente vai cumprir a pena, sem o excesso de recursos protelatórios e penduricalhos jurídicos que existe hoje.  Leis mais rígidas contra a corrupção, lei que permita presos construindo presídios seriam mais algumas mudanças que ajudariam a combater a questão da corrupção, da impunidade e da morosidade do sistema jurídico brasileiro, além é claro da manutenção da prisão em segunda instância.

Muitos desses temas já foram abordados no livro "Brasil o Lírio das Américas" de 2014 com o valioso auxílio da equipe do guardião Jeremias e acredito que constituem um caminho possível para as necessárias mudanças que o país precisa realizar.

Entrevista Paulo Guedes:





Previsões cumpridas desde 2014 sobre a transformação do Brasil:




Como adquirir os livros (clique na imagem abaixo):