8 de fev. de 2020

As Causas Kármicas e Astrológicas para os Eventos em MG nos Últimos Anos



No texto a seguir buscarei explicar não apenas as questões kármicas dos recentes eventos em MG como Mariana e Brumadinho como também explicarei as causas astrológicas, causas essas que comprovarão claramente o mapa de Belo Horizonte (capital) como o mapa regente de Minas Gerais. O mapa de Belo Horizonte (que é o mapa de Minas Gerais) está abaixo:



Em 2020 Marte começou a transitar forte sobre o mapa de BH exatamente no início de janeiro passando sobre Urano, depois sobre Saturno e na semana final de janeiro sobre o Marte natal do mapa de BH. Além dessas conjunções maléficas ao mesmo tempo o trânsito de Marte foi fazendo oposição ao Plutão natal de BH. Até o dia 10-11 de fevereiro Marte vai passar por cima do Sol de BH e ao mesmo tempo ficar oposto a Netuno natal no mapa de BH.

Todo esse trânsito explosivo de Marte potencializou ainda mais um outro trânsito tenso que já está há alguns anos no mapa mineiro: a quadratura (distância de 90 graus) entre o Marte natal de BH e o trânsito de Netuno em Peixes dentro de um céu que já estava (e ainda está) tenso pela  atual conjunção de Saturno e Plutão que ali pelo dia 10-11 de fevereiro já estará enfraquecida (quase no limite de 3 graus de variação)

O problema é que entraremos naquele posicionamento tenso no céu que já venho falando há algumas semanas: 4 astros dentro de Capricórnio a partir do dia 16 de fevereiro (até o dia 20 de março) enquanto que ao mesmo tempo Netuno em trânsito ficará em quadratura com Marte natal e Sol natal de BH. Tensão demais no elemento terra (04 astros juntos em Capricórnio) e forte quadratura envolvendo potencialização (Sol e Marte em Sagitário mapa de BH) da água (Netuno transitando em Peixes quadraturando com Sol e Marte de BH) podem ocasionar, infelizmente, não apenas mais temporais como novo rompimento de barragem, sendo praticamente certo pelo mapa e trânsitos sobre BH que até abril de 2022 (quando se encerra o trânsito de Netuno por quadratura sobre o Sagitário de BH) tenhamos pelo menos mais um grande temporal semelhante ao de janeiro de 2020 ou mais um rompimento de barragem no Estado.

Pra entender mais sobre a conjunção Saturno – Plutão e os 4 astros que estarão juntos no signo de Capricórnio entre meados de fevereiro e meados de março aconselho o texto:

O DESASTRE DE BRUMADINHO



Astrologicamente esse trânsito de Netuno em Peixes (que dura vários anos) quadraturando ao longo dos últimos anos com o mapa de BH (que possui vários astros em Sagitário) explica tantos as tragédias de Brumadinho como Mariana.

O rompimento da barragem de Brumadinho ocorrido em 25 de janeiro de 2019 já contava com uma posição ruim no céu naquele dia propenso a desastres com inundação: Júpiter a 16 graus de Sagitário quadraturando com Netuno a 14 graus de Peixes (expansão das águas, inundação). O ponto é que Júpiter nesse dia estava sobre o Marte natal de BH (ou seja, potencializando a ação do Marte natal de BH na quadratura com o trânsito de Netuno) e o pior: Marte natal de BH em quadratura exatíssima com Netuno em trânsito pois Marte de BH está a 14º 46' enquanto que Netuno em trânsito estava a 14º 43', apontando que um possível evento de inundação poderia ocorrer naquele dia pois ativaria uma gigantesca tensão por expansão de águas no mapa de BH


O DESASTRE DE MARIANA



Na tarde do dia 05 de novembro de 2015 aconteceu o trágico rompimento na barragem de Mariana. Naquele dia Saturno estava a 4º 36' de Sagitário e Netuno a 7º 04' de Peixes ativando no céu uma quadratura de expansão das águas a qual previ na época como um desastre com águas contaminadas.

Previsão sobre águas contaminadas e desastre natural (Mariana):

Pois bem, novamente essa quadratura ativou tensões no mapa de BH: Saturno em trânsito estava passando sobre o Saturno natal de BH a 5 graus de Sagitário e ao mesmo tempo o Saturno natal de BH quadraturava com o trânsito de Netuno. Ou seja, as duas tragédias foram astrologicamente desencadeadas não apenas por uma quadratura no céu envolvendo Sagitário e Peixes, mas igualmente ativando a quadratura de Netuno em trânsito no signo de Peixes sobre astros em Sagitário no mapa de BH, primeiro o Saturno natal de BH em Sagitário na tragédia de Mariana e depois o Marte natal de BH em Sagitário na tragédia de Brumadinho.

Já a grande chuva de janeiro (a maior da história de BH) sobre a capital aconteceu exatamente pela passagem ao longo dos principais dias de chuvas do trânsito de Marte exatamente sobre Saturno e Marte natal de BH (todos em Sagitário) desencadeando as demais posições tensas abordadas no início desse texto  

AS GRANDES ENCHENTES NO SUDESTE DO BRASIL AO FINAL DE 2013

Entre 11 e 31 de dezembro de 2013 o sudeste, mas especialmente Espírito Santo e, sobretudo BH e cidades próximas foram afetadas por grandes enchentes com muitos deslizamentos e inundações. Naqueles dias Urano em trânsito no signo de Áries quadraturava com Plutão em Capricórnio e estava oposto a Marte em Libra, gerando muita tensão através de eletricidade, tempestades (Urano sob tensão) e desabamentos (Plutão em Capricórnio sob tensão). Ao mesmo tempo Netuno em trânsito estava quadraturando a menos de 3 graus com o Urano natal de BH.

Essa seqüência de grandes desastres naturais sobre BH e região próxima entre 2013 e início de 2020 é explicada exatamente através desses trânsitos pois antes desses eventos as grandes chuvas ou inundações na região de BH e MG aconteceram apenas em 1979 e 1985 apontando que realmente algo de mais intenso e fora do padrão aconteceu nos últimos 7 anos na região. Como exposto no texto não apenas esses trânsitos explicam astrologicamente os eventos ocorridos em Minas Gerais nos últimos 7 anos como comprovam claramente o mapa de Belo Horizonte como o mapa de estudos do Estado de Minas Gerais.

Inundação em MG 2020 – Previsão cumprida:

Questão kármica de Brumadinho e Mariana:

Previsões cumpridas desde 2014 e como adquirir os livros publicados até o momento:

30 de jan. de 2020

Corona Vírus - A Peste na Coroa do Imperador


O primeiro caso da manifestação de um novo coronavirus foi reportado pela China a OMS no dia 31 de dezembro quando um estranho caso de pneumonia viral foi detectado. Mais de uma semana antes eu escrevi o seguinte na página: 

"O ano de 2020 será regido pelo Sol na Astrologia (e, portanto a regência de Oxalá entre os orixás e não de Xangô como erroneamente alguns tem divulgado) e pelo Arcano do Imperador (pois a soma dos algarismos equivalerá ao número 04, a carta do imperador). Esse é um arcano muito poderoso devido a raridade da sua aparição juntamente com os arcanos 01, 02, 03. No último ano que tivemos um ano do Imperador surgiu a peste negra que poucas décadas depois se espalhou pelo planeta, ceifando em 10 anos um terço da população européia e 20% da população mundial." (22 de dezembro de 2019)

Texto completo:




Curiosamente o corona vírus significa literalmente vírus em forma de coroa (do latim corona) e mais curioso ainda é que o novo corona vírus surgiu exatamente na província de Hubei (onde fica a cidade de Wuhan), exatamente a província na qual surgiu a peste negra. Ao que parece o imperador voltou com uma nova "coroa" depois de muitos séculos comprovando a associação que foi explicada no dia 22 de dezembro.

Vejam que interessante outro aviso dado no final de 2019:

No texto sobre o ano de Omulu e Oxalá (2020) publicado ao final de dezembro expliquei como seria o ano:

"Saturno age como um rigoroso professor que coloca em prova o seu aluno. A foice de Saturno não visa castigar, mas sim testar, via provações, até que ponto o aluno está capacitado para lidar com aquela determinada lição. E nesse sentido Saturno age igualmente como Cronos: seu objetivo é que através do tempo ele ensine o aluno a cultivar melhor hábitos, hábitos renovados para que assim não repita o erro. De forma semelhante no âmbito kármico Obaluaye ou Omulu, a linha das almas que alguns chamam de linha das doenças age apontando quem permanecerá com uma doença, quem poderá ser curado e quem desencarnará pela doença, não por castigo, mas tão somente estimular a pessoa a encontrar a sua própria cura interna, a cura da própria alma, que muitas vezes passa por um longo período vivenciando uma doença ou limitação, exatamente para que ao longo do tempo modifique o seu estado mental interior para, futuramente, não repetir os erros kármicos de encarnações pretéritas que ensejaram aquela limitação. Saturno e Omulu agem na mesma vibração: colocar em prova aquilo que aprendemos, testar nosso amadurecimento em determinado assunto e muitas vezes de forma dolorosa colocar um longo desafio para que ao longo da jornada, enfrentando esse desafio, possamos modificar hábitos milenares."

Texto completo:




Assim como as demais profecias certeiras para janeiro que foram feitas em dezembro e se concretizaram em volume e exatidão impressionantes, igualmente não é surpresa que um surto ou epidemia pudesse acontecer em 2020: foi previsto antes da epidemia começar. 

Porém há ainda outros dados curiosos.

Quando a peste negra eclodiu pelos idos de 1350 na Europa, Urano estava exatamente na mesma posição que está agora (nos primeiros graus de Touro) ao mesmo tempo que Saturno e Plutão também estavam conjuntos, só que naquela época no signo de Áries e agora no signo de Capricórnio. Como expliquei amplamente no livro "Brasil o Lírio das Américas" (e em vários outros textos de Astrologia como o que deixarei ao final desse parágrafo) tanto Saturno como Plutão agem de forma transformadora e violenta, mudando profundamente um cenário que estava estabelecido (no ponto de vista social, governamental) enquanto que Urano age de forma elétrica, dando um choque que espalha rapidamente uma energia transformadora situações que precisam ser transformadas (ainda que a execução de tais transformações esteja mais ligada a Saturno e Plutão). De toda forma esses três astros agem em conjunto dentro de processos transformadoras.

Na peste negra tudo foi muito mais violento pois Saturno e Plutão estavam em Áries agindo quase que de forma incendiária e muito violenta sobre as terras e fronteiras (Touro) que estavam alimentadas pela eletricidade uraniana do trânsito sobre Touro. Agora a ação é mais ligada aos governos e estruturas governamentais (Capricórnio) e com a própria tecnologia associada a Urano (regendo as rápidas movimentações de aviões sobre as fronteiras como também a grande rede tecnológica que permita a rápida troca de informações) inclusive a tecnologia para criar novos vírus e novas vacinas.

Se Saturno representa as provações e Plutão está associado às profundezas,veneno, toxicidade, claramente a junção de ambos (uma conjunção que possui efeito semelhante a uma quadratura) enseja o aparecimento de vírus como está acontecendo agora na conjunção de ambos em Capricórnio e aconteceu no auge da peste negra, com ambos no signo de Áries.

O encontro de gigantes:


Também é oportuno lembrar (já que estamos em um ano do Sol/Oxalá dentro de um ciclo de Saturno/omulu) que o último surto viral de grande disseminação global foi exatamente a zika. O zika vírus surgiu no Brasil em 2013 (exatamente em um ano de Saturno e num grande ciclo do Sol, agora em 2020 estamos em um grande ciclo de Saturno e num ano do Sol). O vírus se espalhou por todo o continente americano na forma de um grande surto exatamente ao longo de 2016, ano regido pelo Sol. Assim como a regência do Imperador tende a manifestar surtos ou epidemias, a combinação de anos e ciclos envolvendo Saturno e Sol igualmente gera esse tipo de manifestação.


ARMA BIOLÓGICA OU VÍRUS COMERCIAL?

Pela forma que o vírus se comporta eu descartaria a hipótese de uma "arma biológica" vazada (seja por falha do laboratório seja por dolo de algum membro do laboratório de Wuhan), mas sim um "vírus comercial", ou seja, com potente disseminação, com efeitos mais preocupantes que uma forte gripe (no caso uma pneumonia) com baixa letalidade (menos de 3%) o suficiente para motivar a criação de uma grande demanda popular por uma vacina. O mesmo foi feito há uns dez anos no surto global de H1N1, onde os grandes laboratórios que produzem a vacina e os investidores que têm acesso privilegiado às informações lucram bastante (como por exemplo, no dia do pronunciamento da OMS sobre emergência global: quem já estava avisado que a  OMS se pronunciaria já tinha vendido suas ações pois sabia que haveria queda, assim como aqueles que já sabem qual será o laboratório escolhido para "trazer a cura" já estão enchendo o carrinho de ações dessa empresa). Ou alguém acredita que em 6 meses alguém cria uma vacina ou remédio contra um novo virus? Business amigos, business.

Como expliquei no texto sobre o "Kimera" virus:

sim: o vírus vai se espalhar globalmente

não: o vírus não foi criado em laboratório PARA (objetivo) dizimar parte da população mundial

não: o vírus não é a peste apocalíptica do final dos tempos (a peste do final dos tempos profetizada no Apocalipse e por Nostradamus apenas acontecerá em meados da década de 30 e seu efeito será diferente de um gripe, falarei disso amanhã também)

sim: o vírus foi criado em laboratório seguindo as mesmas diretrizes do H1N1 (baixa letalidade, alto poder de infecção, o suficiente PARA (objetivo) criar uma demanda alta de mercado pra muita gente lucrar). A escolha da cidade de Wuhan (onde existe um laboratório de biosegurança de nível 4 e onde existe um mercado amplo de consumo de animais exóticos) para que o vírus fosse disseminado foi exatamente para parecer que poderia ser alguma falha do laboratório ou um animal como vetor do vírus. Da mesma forma a escolha da época (bem próximo das cerimônias do ano novo chinês) quando milhões de chineses viajam pela China também não foi "coincidência".

Não há motivo para pânico, apenas os casos mais graves se convertem em uma pneumonia viral aguda sendo que a maioria dos casos que se convertem em pneumonia responde aos protocolos de tratamento para pneumonia viral. O grande problema não é a letalidade do vírus, mas sim a sua capacidade de disseminação 4 vezes mais forte que a SARS pois há o temor que algumas cidades, dependendo do tamanho do surto, não tenha recursos suficientes para tratar todos adequadamente, exatamente como está sendo relatado em Wuhan com falta de vagas nos hospitais (por isso dois hospitais estão sendo construídos)



SURTO GLOBAL OU VÍRUS DO APOCALIPSE?

Olhando para o comportamento altamente transmissível do vírus e pelas posições astrológicas analisadas em 2020 (prevendo tudo o que aconteceu nesse início do ano) bem semelhantes à posições anteriores de grandes surtos  epidemias acredito que sim que teremos um surto global com muitos casos e uma baixa letalidade . Porém é importante ressaltar que definitivamente o corona vírus não tem qualquer ligação com "peste apocalíptica" ou "cavalo amarelo".

Tanto nas profecias do Apocalipse (interpretadas versículo a versículo no livro “A Bíblia no 3º Milênio”) como na obra de Nostradamus há uma referência a uma grande peste de alcance global que ceifará a vida de milhões de pessoas, porém ambas as referências proféticas apontam que tal peste apenas acontecerá no final dos tempos, ou seja, próximos dos eventos de 2036.

Para o leitor que não possui ou não leu o livro interpretando essas profecias deixo dois links, um com o texto que interpreta a carta de Nostradamus ao rei Henrique e o estudo sobre o ápice dos eventos, assim o leitor compreenderá os motivos de não termos nem agora e nem antes de meados da década de 30 qualquer peste global

Carta de Nostradamus a Henrique:


Porque todas as profecias da história apontam para 2036:



COMO SERÁ A PESTE NO FINAL DOS TEMPOS

Miocardite aguda por via viral. O planeta não apenas vai convulsionar nas suas entranhas tectônicas como terríveis dores que prenunciam o nascimento de uma nova civilização como também agirá através da peste para impedir a fúria atômica dos homens em uma série de eventos que marcarão o ápice da Transição Planetária em 2036 ou a chamada Grande Tribulação, Dia do Juízo como é conhecido esse momento futuro da humanidade que vai exilar os rebeldes, os antifraternos, os egoístas, aqueles movidos apenas pelos gozos materiais. No final dos tempos em meados da década de 30 uma peste vai se espalhar pelo planeta como resposta ao furor bélico dos homens.

Quando ouvirem no início dos anos 30 as primeiras notícias sobre uma estranha anomalia no miocárdio, incurável e de origem viral saibam que é apenas o início, pois depois de alguns anos uma mutação fará com que esse vírus se espalhe por todo o planeta como uma resposta planetária às primeiras movimentações da Terceira Guerra. Segundo as informações trazidas pelo Dr Fritz nas reuniões que participei quando meu pai ainda era vivo (e que previu com acerto muitos acontecimentos futuros) a peste será tão extensa perto do auge dos eventos que cidades ficarão vazias, pessoas evitando sair nas ruas e pessoas caindo mortas no meio da rua por infarto fulminante em decorrência da infecção.

Nem o corona vírus e nem 2020, a grande peste que ainda virá terá efeitos diferentes (e apenas em meados da década de 30). Muita coisa ainda vai acontecer nos próximos 16 anos e eu espero continuar antevendo com alto grau de acerto tais eventos, preparando e alertando as pessoas, pois trazer “mensagens elevadas” apenas depois que os eventos acontecem é moleza (e animismo)

Previsões cumpridas desde 2014, previsões cumpridas em 2019 e como adquirir as obras sobre o futuro da Transição Planetária:



11 de jan. de 2020

O Xadrez Geopolítico Explosivo do Oriente Médio




Vamos entender os fatores determinantes que estão motivando o recente conflito no Oriente Médio

Há um universo de 1 bilhão e meio de pessoas no mundo islâmico

Sunitas representam a maioria do mundo islâmico, entorno de 80%

Xiitas, o segundo maior grupo, entorno de 20%

Irã e Iraque são os dois países com maioria xiita.

Irã - 95% xiita

Iraque - 65% xiitas

Xiitas e curdos foram perseguidos pelo regime de Sadam Hussein (que era um ditador sunita em um país de maioria xiita)

Curdos - totalizam 30 milhões (14 milhões na Turquia e o restante dos 16 milhões espalhados pela Síria, Irã e Iraque)

Temos ainda os wahabitas ou salafistas que são um ramo radicalizado fundamentalista dentro dos sunitas que corresponde a 30 milhões de muçulmanos e a 25% da população da Arábia Saudita. Sua ideologia radicalizada tem como alvos principais os EUA e Israel. Dentro desse ramo radicalizado estão grupos como a Al Qaeda e o Estado Islâmico, este último contando com o seu efetivo na Síria e no Iraque.

É importante compreender esse ponto, pois Al Qaeda e Estado Islâmico (ISIS) chegaram a trabalhar de forma cooperada e depois se separaram devido a divergências, em especial do objetivo principal do Estado Islâmico em formar um território autônomo e posteriormente entraram em rota de colisão, muito devido ao apoio do Irã e da Rússia ao regime sírio.

O regime dos aiatolás através da guarda revolucionária iraniana começou a financiar nos últimos dois anos a Al Qaeda para que retirassem o ISIS do Iraque (devido a maioria da população iraquiana ser xiita) ao mesmo tempo que a Rússia (aliada do regime de Assad na Síria) pavimentou o acordo de ajuda mútua entre o regime de Assad com os curdos para que expulsassem o Estado Islâmico da Síria, em troca de um apoio formal de Assad (e da Rússia obviamente) a criação de um estado curdo dentro da Turquia (que tem atacado duramente os curdos dentro da fronteira do território turco com a Síria)

Em algumas regiões do Iraque, Síria e Turquia os curdos reivindicam territórios autônomos (o que já conseguiram em uma região do Iraque conhecida como Curdistão Iraquiano) e exatamente por isso o ditador turco Erdogan luta ferozmente para eliminar os curdos da Turquia.

O regime de Assad (Síria), Irã e Rússia se uniram na luta contra o Estado Islâmico por conta de objetivos muito mais amplos no Oriente Médio. Para os iranianos interessa fortalecer um governo xiita no Iraque e pra isso sabem que é fundamental a ajuda dos curdos dentro do Iraque para evitar que o Estado Islâmico se reorganize.

A Rússia por sua vez quer aumentar sua esfera de atuação no Oriente Médio e pra isso busca um acordo com Erdogan para estabelecer um território curdo dentro da fronteira da Turquia com a Síria em troca de um acordo mútuo de paz entre curdos, turcos e sírios. Putin comercializou recentemente com Erdogan um moderníssimo sistema de defesa antiaérea e uma grande rede de gasoduto, ao mesmo tempo que Erdogan sabe que não é uma boa idéia ficar contra os russos e iranianos.

Diante de todo esse movimento na região está a Arábia Saudita que nos últimos anos deixou de financiar o Estado Islâmico e constitui a maior esperança americana (e de Israel) para evitar que um confronto exploda (literalmente na região). A Arábia Saudita sempre contou com a hegemonia política do mundo islâmico no Oriente Médio enquanto Sadam Hussein (sunita) controlava o Iraque. Com a morte do ditador iraquiano, os xiitas (que sempre foram maioria no Iraque) estabeleceram governo e uma natural aproximação com o Irã aconteceu (e vem acontecendo). Para complicar um pouco mais as coisas o Irã e sua guarda revolucionária começaram a apoiar nos últimos anos grupos políticos (e armados) contrários aos sauditas, especialmente os Houthi no Iêmen e o Hezzbolah no Líbano.

Se olharmos o mapa da região abaixo veremos que a Arábia Saudita assim como Israel estão isolados. Tanto Putin como os aiatolás iranianos viram no surgimento do Estado Islâmico uma enorme oportunidade para tomarem conta do Oriente Médio e conseguiram aproveitar essa oportunidade. Mas não há nada que esteja ruim que não possa ficar pior ainda (para a paz na região).


A Arábia Saudita resolveu vender parte da sua estatal petrolífera, a Saudi Aramco na maior oferta pública inicial (IPO) de ações da história levantando 26 bilhões de dólares vendendo entorno de 2% do capital da empresa avaliada em 1 trilhão e 700 bilhões de dólares. Em 11 de dezembro do ano passado após o IPO as ações subiram 10% e adivinhem quem foi o maior comprador das ações: China. O Silk Road Fund (Fundo da Rota da Seda) que conta com 50 bilhões de dólares e deseja fomentar a construção completa da nova rota da seda comprou maciçamente as ações da petrolífera com o objetivo claro de aumentar a influência chinesa no Oriente Médio, uma negociação tão forte entre as duas nações que os sauditas se recusaram a fazer a oferta na bolsa americana e japonesa.

Os Estados Unidos então se depararam com o seguinte cenário ao final de 2019 no Oriente Médio: Israel isolado (como sempre), Arábia Saudita que antes equilibrava forças na região com o Irã agora igualmente isolado tendo que iniciar uma aliança financeira com a China (interessada na região para instalar sua nova rota da seda) e o resto do Oriente Médio aliado com os russos. Vendo esse cenário desfavorável na região os americanos decidiram tomar a atitude que tomaram: matar o principal líder da guarda revolucionária iraniana, pois sabiam que isso desencadearia a fúria do regime dos aiatolás contra seus adversários na região, especialmente a Arábia Saudita (há poucos meses os iranianos foram acusados de atacar e danificar algumas instalações da Aramco).

O objetivo dos americanos foi criar no resto do mundo uma expectativa real de novos ataques e confrontos entre iranianos e sauditas na região com o claro objetivo de desvalorizar o valor da empresa petrolífera saudita (enfraquecendo o poderio dos sauditas na sua recém embrionária aliança com os chineses) ao mesmo tempo fomentar uma dura resposta do regime iraniano (atacar bases americanas no Iraque e publicamente anunciar que vai enriquecer urânio sem limites) permitindo que os EUA tenham um argumento para mobilizar forças na região que em última instância tem um objetivo claro: impedir que Putin e China pacifiquem as divergência entre seus aliados.

Putin deseja unir turcos, curdos e o regime de Assad em um grande acordo de paz que envolva os xiitas do Irã e Iraque o que permitiria o ambiente ideal para o comércio de gás na região para a Europa (tanto pelo gasoduto recém inaugurado em parceria com os turcos , o Turk Stream, como pelo outro gasoduto que está sendo construído para aumentar a venda de gás para a Alemanha, o Nord Stream, que inclusive tem sido alvo de sanções do governo Trump sobre os participantes do empreendimento.

Turk Stream inaugurado recentemente por Putin e Erdogan:



Gasoduto Nord Stream (que envolve Alemanha e Rússia) em construção - sanções de Trump:


Já os chineses desejam construir a nova rota da Seda que passa por Teerã e pra isso precisam conseguir pacificar os conflitos entre sauditas e iranianos, sobretudo os impulsos do jovem sheik saudita que deseja abrir guerra com os iranianos. Pra isso chineses e russos entrariam em um grande acordão pacificando as diversas tretas dentro do mundo islâmico, permitindo assim que os chineses criem a maior rota comercial do planeta e os russos a maior rede de gasodutos para fornecimento da Europa enfraquecendo fortemente o comércio americano de gás com os europeus. China e Rússia pretendem dominar dessa forma o Oriente Médio, um cenário apocalíptico para Israel que ficaria isolada no meio de todos os grupos muçulmanos unidos em um mesmo objetivo: destruir Israel



Como os americanos não pretendem deixar que esse cenário aconteça, tanto de domínio russo e chinês no Oriente Médio e especialmente de união dos grupos islâmicos contra Israel é que decidiram mover essa peça no xadrez geopolítico da região, ou seja, usar a morte do general iraniano como estopim para desequilíbrios na região que impeçam o avanço dos interesses chineses e sobretudo russos na região.

Por tudo isso as tensões no Oriente Médio estão longe de diminuírem, pois na atual composição do xadrez geopolítico interessa aos americanos que as tensões no Oriente Médio, sobretudo entre Irã e Arábia Saudita aumentem, em especial pelo fato de que os sauditas estarão mais temerosos de novos ataques iranianos sobre sua petrolífera e sobretudo na questão de um desenvolvimento de arma nuclear. Diante desse cenário o movimento mais óbvio que os sauditas devem realizar e voltar a financiar os ISIS que está se reagrupando nas montanhas e cavernas do Iraque e usar os terroristas como ponta de lança para atacar o governo xiita no Iraque e enfraquecer a ligação entre os xiitas do Irã e Iraque.

Ao mesmo tempo os americanos farão sanções contra os iranianos, russos e demais envolvidos no projeto do gasoduto Nord Stream ao mesmo tempo que devem pressionar a Turquia. Se as relações com os curdos não estiverem totalmente azedadas depois dos últimos anos eu não duvidaria se os americanos tentassem uma aproximação com os curdos, não apenas com a desculpa de combater o ISIS no Iraque, mas sobretudo para enfraquecer Erdogan e assim tentar melar todo o avanço de Putin com os gasodutos na região.

Particularmente vejo Trump aceitando esse movimento estratégico (certamente a pedido do Exército americano e serviços de Inteligência americanos) como uma prova de lealdade as forças de defesa americanas já desconfiadas do envolvimento do presidente americano com Putin desde sua eleição em 2016. Essa é a única explicação lógica, pois apesar do movimento tirar um pouco o foco do processo de impeachment ele é altamente arriscado para as aspirações de eleição de Trump: se por um lado ele se fortalece com o seu eleitorado mais conservador e patriótico por outro se enfraquece profundamente nos "estados pêndulo" (que tradicionalmente são aqueles que não votam sempre com os republicanos ou com os democratas) que normalmente tem altos índices de reprovação quanto a incursão americana em conflitos externos e teme profundamente o terrorismo em solo americano (e exatamente por conta desse eleitorado é que Trump buscou ao longo do seu mandato não entrar em nenhum grande confronto externo).

O regime dos aiatolás sabe disso e sabem que a maior derrota que podem impor a Trump é evitar sua reeleição então com certeza já está sendo articulado para as próximas semanas um atentado terrorista em solo americano através das células adormecidas que existem no país tendo por claro objetivo estimular a reprovação da população americana sobre o presidente.

Em experiência projetiva ocorrida durante a tarde de ontem vi que uma dessas células já foi contatada e o plano envolve prioritariamente uma das seguintes cidades; Chicago, Oklahoma, Nova York ou Los Angeles, prioritariamente uma de maioria democrata (pois motivaria maiores manifestações contrárias ao presidente) e de maioria iraniana (no caso Los Angeles onde a comunidade persa é grande) para motivar ainda mais o acirramento do governo americano e o mundo islâmico na América. O que vi na projeção foi uma mulher de cabelos escuros e três homens que compõe uma dessas células.

Como bem destacou uma leitora no post de ontem "uma rede social ligada ao Irã, postou um trecho da música de Jennifer Lopez chamada “Waiting for tonight” que significa: esperando pela noite/ pelo anoitecer. Ocorre que J.Lo e Shakira são as artistas que irão performar no show de enceramento do super bowl."

É sabido que os terroristas sempre atacam em locais com grande aglomeração de pessoas (estádios, entrada de estádios, boates, eventos na rua como maratonas e também metrô e demais locais de aglomeração) portanto é importante estar atento, sobretudo nos locais citados nesse parágrafo mas sobretudo nas cidades citadas, observando atitudes suspeitas como por exemplo mochilas muito volumosas ou pessoas com casaco muito fechado de rosto magro mas aparentando um corpo muito cheio na região do tórax (normalmente são coletes explosivos)

2020 reserva muito trabalho para os amigos espirituais, assim como os próximos 16 anos até o ápice da grande tribulação. Que possamos manter a serenidade diante desses conflitos que envolvem governos e organizações no início do grande confronto entre Ocidente e Oriente previsto nos textos proféticos do passado. Ao leitor interessado em conhecer todo o contexto profético do conflito apocalíptico entre Oriente e Ocidente no ápice da grande tribulação envolvendo Gog, Magog, o falso profeta tendo o Oriente Médio como palco central na década de 30 aconselho a leitura detalhada de todo o capítulo 23 do livro “A Bíblia no 3º Milênio” (lançada em 2013).

As previsões sobre o eclipse e o Oriente Médio:


As previsões para janeiro e fevereiro de 2020:


O que vai acontecer em 2036: