21 de ago de 2017

Projeção Astral Pré Eclipse


Há alguns dias eu estava refletindo sobre como um eclipse tão intenso como o ocorrido hoje poderia influenciar ou afetar uma experiência projetiva. Hoje próximo do almoço reservei um curto período para dormir, realizando o método que descrevi no livro "Brasil o Lírio das Américas": após dormir algumas horas de sono durante a madrugada acordei e após algumas horas reservei esse curto período para já adentrar no sono REM profundo. Nos primeiros minutos um forte eco metálico começou a ecoar no interior da cabeça e a sensação de expansão energética no chacra coroa também era intensa, permitindo que eu sentisse o corpo astral "decolando" do corpo físico exatamente através do topo da cabeça.

Durante a experiência projetiva visitei três locais e percebi uma grande lucidez. Na prática pude atestar que o eclipse potencializou a experiência projetiva, o que eu já esperava. Como esse tipo de fenômeno normalmente favorece os processos de reflexão interna (simbolicamente o emocional da Lua cobrindo o racional do Sol produzindo a sombra, simbolicamente representando o oculto do subconsciente e do inconsciente vindo à tona) e a própria projeção consciente envolve lidar e trabalhar com muitas questões do subconsciente e do inconsciente, era previsível que a experiência projetiva fosse mais intensa.

Por volta de meio dia - 13h cheguei acompanhado de um amigo guardião à uma residência, localizada na região do astral intermediário no bairro do Alto Leblon no RJ (há uma ampla narrativa sobre um trabalho espiritual feito na região relatado no livro "Brasil: Ordem em Progresso"). O local apresentava duas salas amplas, uma decoração simples com sofás e cadeiras comuns em casas de praia. Na cozinha duas pessoas vestindo branco preparavam um alimento, algo semelhante a uma sopa (o aspecto parecia bom apesar de não conseguir sentir o cheiro) num aparelho semelhante a um forno de inox com uma compartimento interno (que segundo o guardião que me acompanhava condensava um pouco de ectoplasma que era transmitido pelo calor para a sopa). 

Ao chegar na sala vi quatro poltronas reclináveis ocupadas por pessoas que estavam em uma espécie de sono profundo. O guardião que me conduzia naquele lugar disse que eram encarnados em projeção doando ectoplasma para o lugar no qual estávamos uma espécie de base dos guardiões (entre várias) na região intermediária do astral (na contrapartida da superfície física) utilizada para dar suporte ao trabalho dos guardiões, sobretudo nos atuais tempos conturbados que a cidade maravilhosa vivia. Ao mesmo tempo em que os encarnados doavam ectoplasma, eles vivenciavam um trabalho conduzido por amigos socorristas que registravam algumas reações dos campos emocionais ligados ao subconsciente e inconsciente daquelas pessoas, permitindo que antigos traumas ou lembranças ruins registradas "abaixo" da zona consciente aflorassem na forma de sonhos e sonhos lúcidos e assim a mente consciente deles pudesse superar positivamente algumas memórias dolorosas. 

O amigo guardião aproveitou para esclarecer, enquanto eu observava aquele interessante fenômeno de ajuda mútua entre os doadores de ectoplasma e as equipes socorristas:

– Durante a noite, sobretudo a partir da meia noite e durante a madrugada até 4 horas o trabalho de policia das equipes de guardiões é muito intenso. Precisamos lidar não apenas com os trabalhos de goécia que são feitos pelos encarnados nesses horários, em tristes permutas sombrias com as milícias umbralinas em troca de fama, sexo e poder, como também o grande contingente de encarnados que ao dormir reverbera ainda mais os próprios desequilíbrios, buscando zonas de divertimento fácil e vícios tanto em zonas do astral intermediário como do astral inferior controladas por milícias trevosas. Diante desse cenário de guerra espiritual buscamos horários alternativos mais adequados para ajudar as pessoas que se propõe a um trabalho interno de equilíbrio energético e interessadas em doar ectoplasma, colaborando de alguma forma com a atividade das equipes que buscam manter a ordem nesses tempos conturbados do astral da Terra

– E quais seriam esses horários? – questionei curioso

– Normalmente no início do sono para as pessoas que dormem ate 22h-22h30min e depois no final da madrugada, próximo do amanhecer, entre 5h e 6h quando a situação das ruas, no astral intermediário e inferior não está tão caótica. Aqueles que buscam se equilibrar ao longo do dia, meditando, fazendo o evangelho e aqueles que se propõe a ajudar, normalmente levamos as equipes socorristas nesses horários e aqueles que já apresentam um equilíbrio maior levamos aos hospitais do astral em bases mais próximas da residência da pessoa para que ela faça um trabalho mais intenso, tanto de doação energética como de reequilíbrio.

– E o que ocorre nos horários mais conturbados para o trabalho dos guardiões diante daquelas pessoas que oram e se propõe a doar energia? – indaguei de forma retórica pois já sabia parcialmente a resposta

– Gostaríamos de atender, mas não dispomos de um contingente para atender as pessoas nesses horários em virtude dos grandes conflitos que temos enfrentado entre meia noite e 4 horas da manhã. Normalmente nesses casos a pessoa fica repousando em corpo astral um pouco acima do corpo físico até que uma equipe de socorristas tendo a segurança dos guardiões possa organizar uma visita em horário menos conturbado. O próprio trabalho com os amigos encarnados que desejam ajudar mais ativamente os guardiões, tanto em missões mais locais como mais complexas tem sido bem seleto, exatamente pelo grande perigo dos conflitos que temos enfrentado. Ainda que alguns médiuns acreditem, erroneamente, que os guardiões são quase super homens e que derrotam magos negros e milícias inteiras erguendo espadas e bradando a plenos pulmões, a realidade para aqueles que realmente têm visto a guerra espiritual aqui desse lado é muito mais complexa, ao ponto de estarmos recebendo a cada mês novos reforços vindos de civilizações amigas, que enviam guardiões dos seus mundos de origem para ajudar no trabalho que a Terra está atravessando atualmente para cumprir o cronograma estipulado no tempo devido até o grande expurgo. – esclareceu de forma serena ainda que mostrando certa preocupação     

Enquanto eu procurava absorver aquelas informações, o amigo guardião que estava trajando uniforme "a paisana" e não as tradicionais armaduras que os guardiões utilizavam quando em missão de combate apontou que deveríamos descer na direção da praia para que eu pudesse fazer novas observações durante aquela experiência projetiva pré eclipse.

Num átimo de segundo saímos da ampla casa e chegamos diretamente na praia através do teletrasporte mental que é muito comum na realidade astral. Ao chegar de frente para a faixa de areia observei algumas situações inusitadas: a primeira é que mesmo estando projetado por volta do meio dia e meia, o céu não apenas estava nublado (como poderia em um dia qualquer sem Sol), mas estava eclipsado. Olhei para o céu e perguntei ao amigo guardião que fazia companhia:

– Mas como assim? O eclipse é apenas no território americano e ainda não começou – questionei intrigado, pois estava bem lúcido o que anularia a possibilidade de onirismo

Sorrindo diante da minha natural curiosidade, o amigo esclareceu:

– Mais uma informação que você pode levar aos encarnados José: o eclipse apesar de atingir apenas parcialmente o território físico da Terra tem um efeito energético muito mais amplo na esfera astral, atingindo as duas Américas em pleno dia – concluiu enquanto eu observava aquele fenômeno

Outra visão curiosa foi observar centenas de pessoas andando desorientadas sobre a areia, enquanto vário veículo com cor amarela dourado (identifiquei como a policia de apoio dos guardiões) circulavam. Diferentemente dos guardiões que atuam em escala global ou em questões mais amplas no processo da transição planetária terrestre e usam normalmente armaduras douradas, a "policia local" (uma espécie de guardiões restritos a zona de bairro ou municipal) vestiam uma outra espécie de roupa, também em tons dourados, porém mais próxima daquela que um policial normalmente usaria (calça, colete). Percebendo a minha curiosidade o amigo guardião vestido a paisana esclareceu:

– Essa aparência é para facilitar que os desencarnados e os encarnados em projeção semi consciente ou consciente identifiquem esses amigos como a "policia" do lugar. No caso dos guardiões que atuam em missões mais amplas há a necessidade de usar as imponentes armaduras não apenas pela tecnologia avançada para enfrentar milícias trevosas e magos negros, especialistas em controle mental nas zonas mais inferiores do astral, como também causar um forte impacto mental diante dessas almas pertinazes no mal há milênios e que reconhecem na imagem dessas armaduras o exercito celeste de Miguel, os soldados do Cristo o que cria uma aura de temor, ainda que tentem lutar ou não demonstrar esse medo. – concluiu

Feliz com tantas informações obtidas e pela experiência projetiva em si eu retornei ao corpo físico agradecido pelos esclarecimentos e por descortinar um pouco mais da realidade astral.


Para saber do cronograma da transição planetária, previsões cumpridas desde 2013 e saber como adquirir os livros:




15 de jul de 2017

Constelação Familiar

Constelação familiar

Alguns leitores têm perguntado pra mim sobre o que é e como funciona a constelação familiar. Vamos compreender o tema: 

A constelação familiar trabalha buscando explicar certos padrões de comportamento no histórico familiar (clã) da pessoa ou seja, ao invés de explicar isso pela reencarnação ou atos praticados em encarnações passadas, busca explicar tais atos em comportamentos do clã familiar que a pessoa está inserida. 

Na Psicologia se estuda, entre outras coisas, os padrões de comportamento construídos na infância, enquanto que para o Espiritismo muitos desses padrões encontram respostas em encarnações passadas, enquanto que para a constelação muitos desses padrões se explicam pelo modo de vida e necessidades do clã no qual a pessoa encarnou.

Numa explicação mais "espiritualista" a idéia de clã representa uma egrégora, formada por espíritos simpáticos ou não tão simpáticos assim que se unem, através das encarnações, por afinidade ou necessidade ao longo das gerações, mesmo que um espírito nunca tenha encarnado antes dentro daquele clã e ao se unir a essa egrégora, o espírito leva um pouco da sua bagagem imortal de experiências passadas e ao mesmo tempo absorve um pouco do que a egrégora oferece

Da mesma forma ocorre com os pais dessa pessoa/espírito que encarna, por isso que muito da energia da egrégora (do clã ou constelação familiar) influencia em muitos dos padrões que a pessoa desenvolve a partir da infância, ao mesmo tempo em que muitos desses padrões são também desenvolvidos pelas próprias experiências de encarnações passadas que o espírito traz. São, portanto, análises complementares que não se excluem entre si e creio que seja algo muito mais positivo e suave do que, por exemplo, uma regressão à vidas passadas.

A egrégora formada pelo clã familiar é o que se denomina de "consciência familiar" que atua sobre a pessoa inserida naquele clã (formado pelo histórico familiar das gerações): da mesma maneira que uma pessoa herda a aparência física dos seus antepassados ela também é influenciada por uma gama de situações que aquele clã vivenciou, recebendo influências tanto positivas quanto negativas das lembranças dessa "consciência familiar" a qual a pessoa está inserida. A grande questão é encarar esse conhecimento interligado ao conhecimento da lei do karma: um espírito que reencarna em uma família que há várias gerações tem vários dos seus membros envolvidos, por exemplo, com problemas como o alcoolismo, vai ser inevitavelmente testado nesse campo, pois a egrégora ou memória coletiva da "consciência familiar" se alimenta e estimula aquele comportamento há várias gerações.

Um espírito encarnado que tenha abusado do álcool ou outros vícios relacionados cometendo assim suicídio inconsciente e gradual (agindo contra o seu corpo espiritual e seu corpo físico) naturalmente pela lei do karma responderá pelos excessos que cometeu voltando em encarnação seguinte com limitações físicas que repercutem os efeitos negativos dos órgãos que em encarnação pregressa sofreram com os excessos do vício, o que de forma alguma é um castigo, mas uma forma sábia da justiça divina evitar que o espírito incorra naquele mesmo erro (alguém que foi um fumante inveterado normalmente nasce com sérios problemas alérgicos e pulmonares desde a infância motivando a repulsa ao fumo, pela natural sensibilização do aparelho respiratório). Após vencer essa provação, o espírito tem então a prova definitiva, que é reencarnar em perfeitas condições físicas, mas em um ambiente que estimule a prática do vício que ele padeceu no passado e é aqui que entra a encarnação em um ambiente que estimule a prática daquele determinado vício, exatamente o que acontece em um clã que padece, há várias encarnações, de membros envolvidos com aquele determinado vício.

O mesmo entendimento da "consciência familiar" dentro do clã se aplica também na questão dos vícios morais. Em todos esses casos não apenas encarnam espíritos que estão em prova como também aqueles espíritos mais evoluídos moralmente e que já venceram determinados vícios, encarnando para dar o exemplo de como superar um karma negativo.

constelação familiar

É dessa maneira que podemos integrar o conhecimento da constelação familiar ou “consciência familiar” (egrégora formada pelas experiências encarnatórias dos membros do clã familiar) com as questões kármicas de origem no passado espiritual e também as questões de ordem psicológica, oriundas de padrões de comportamento mais ligados às raízes psicológicas da infância e a forma como o ego se estruturou a partir das interações sociais que a pessoa teve ao longo da atual encarnação, desde família, escola e demais experiências sociais.


Para maiores informações sobre o método que se utiliza a constelação familiar:

Para maiores informações sobre algumas das questões psicológicas abordadas no post:

Sobre a aplicação da constelação familiar, reproduzo a pergunta e resposta de um outro post e que vai ajudar na compreensão dessa questão:

Pergunta: Eu gostaria de saber sobre a depressão na sua visão será que pode ser espiritual também?

Resposta: "Toda a doença é sinal de desequilíbrio interior, seja uma simples gripe até uma doença severa, desequilíbrio que envolve causas emocionais e físicas. Se cuidamos do nosso equilíbrio emocional e físico, evitando excessos e atitudes destrutivas, automaticamente criamos um ambiente de saúde física e espiritual.

A depressão vai além de uma melancolia ou uma tristeza prolongada e, além disso, manifesta, quimicamente por alterações no cérebro, padrões prolongados de desequilíbrio interior a nível emocional que abrem brechas para a atuação espiritual negativa de outras entidades que tão somente exploram os próprios desequilíbrios que a pessoa cultivou. Sendo assim quando a pessoa busca uma Apometria já com um estado depressivo grave, tomando remédios e sofrendo processo obsessivo a causa não está no espírito obsessor, mas na própria pessoa que não cuidou do seu equilíbrio interior permitindo que chegasse a esse estado (e aqui vale frisar que mesmo as patologias herdadas geneticamente só são herdadas por encontrarem ressonância na vibração do espírito reencarnante).

Dito isso nos casos de depressão é preciso avaliar em que grau a pessoa se encontra, pois os tratamentos (terapia, remédios e auxilio espiritual) são tratamento que atacam a conseqüência (ainda que a linha junguiana foque mais nas causas psicológicas), mas que encontram como verdadeira causa desequilíbrios emocionais e comportamentais, gerando padrões destrutivos que precisam ser trabalhados na base: tanto a nível psicológico para que a pessoa reorganize suas emoções e pensamentos com um auxilio terapêutico adequado (em especial acho a linha junguiana mais eficaz nesse ponto) e ao mesmo tempo encontre motivações e objetivos de vida, algo que o atendimento espiritual é útil.

Estando a pessoa mais reequilibrada, tendo superado a depressão aí eu acredito que entram as outras ferramentas de autoconhecimento, como por exemplo, constelação familiar, astrologia e outras, quando a pessoa consegue olhar para si mesma e refletir sobre alguns temas mais delicados sem tanto sofrimento. 

Tendo essa visão de modo mais amplo acredito que tanto médiuns como pacientes poderão entender que combater esses casos vai muito alem de realizar processos de desobsessão e que o trabalho é muito mais amplo, além de fundamentalmente depender do esforço pessoal da pessoa em se reerguer, esforço esse que vai ditar o tempo e eficácia de qualquer tratamento por melhor que ele seja."

Feitas essas considerações temos a definição do conceito de constelação familiar, inserida dentro da realidade espiritual (kármica) e psicológica assim como sua utilidade e aplicação dentro do processo de autoconhecimento e em quais situações ela pode ser mais adequada.

Para adquirir os livros que lancei: