2 de ago de 2013

O Sol e as Trevas, a Evolução Humana durante a jornada do Apocalipse


Tudo na vida é dual, até mesmo o que, aparentemente não é. Temos, por exemplo, dois ouvidos, dois olhos, duas pernas, mas uma única boca, um único coração e um único cérebro.

Mesmo assim, a boca possui dois lábios, o coração dois átrios que realizam o movimento principal de bombeamento e o cérebro possui dois hemisférios.

A dualidade aparentemente poderia indicar separação, antítese, mas na verdade indica a multiplicação, transformação para o fortalecimento e união daquilo que foi multiplicado e transformado.

No processo de geração do embrião humano, assim como em todo o ciclo celular o mesmo processo ocorre: de uma única célula é gerada uma nova célula, com a mesma composição genética da célula que a gerou, processo que ocorre em todos os animais e plantas.

Na geração do embrião humano, assim como na reprodução sexuada, duas células (no caso, reprodutivas) unem-se para formar uma nova estrutura: um ovo, que dará origem a um embrião e em seguida a um novo ser da mesma espécie.

A criação do espírito ou centelha espiritual ocorre da mesma forma: Deus, em sua essência feminina e masculina, Pai e Mãe, transmite o princípio vital inteligente a cada ser vivente criado para que este princípio se desenvolva, cresça, multiplique, exatamente como uma célula.

O corpo humano, por exemplo, é um gigantesco organismo multicelular com trilhões de células.

Da mesma forma, o espírito humano vive em um conjunto com bilhões de outros espíritos ou “células” vivendo na Terra, o que de certa forma justifica a alegoria de Efésios de que o homem precisa ser parte consciente do “corpo” do Cristo.

No mundo espiritual existe uma atividade semelhante à Criação Divina da vida: é a formação de uma egrégora.

Criar espíritos ou princípios vitais com o gérmen da inteligência é uma exclusividade da Fonte, a causa primária de Tudo. Mas as criaturas também podem exercer papel semelhante ao unir seus pensamentos, vontade, esforços em um objetivo comum, exatamente a descrição de uma egrégora, que possui núcleo como uma célula e capacidade de multiplicação da sua energia e da sua programação interna. Seguindo uma programação “natural”, alguns milhões de células do corpo humano se organizam para formar ou regenerar um órgão, da mesma forma milhões de pessoas ou “células espirituais” vivendo no planeta, podem elas criar a união em um foco, um objetivo comum, para mudar uma estrutura, um órgão, existente no planeta Terra, o “corpo humano” da qual todas as “células” fazem parte.

O princípio da união, do coletivo, por um ideal maior, está presente em várias religiões ou filosofias, desde o Cristianismo Primitivo, passando pela Cabala e indo até estudos mais iniciáticos e da mesma forma é a verdadeira chave evolutiva, quando o homem deixa de considerar-se “um corpo” para descobrir que é uma “célula”, inserida em um mundo (este sim, verdadeiramente um corpo) e por isso mesmo deve realizar esforços conjuntos com as demais “células” para manter o corpo sadio.

Ao descobrir essa chave, o espírito descobre que pode não apenas unir seus esforços com outros espíritos por um propósito mais elevado, mas também unir suas próprias experiências vivências, faixas de passado, encarnações anteriores em um movimento harmônico de expansão, criando em sua própria “célula” um organismo “multicelular maior”, o que muitos chamam de expansão da consciência, fazendo com que a célula torne-se verdadeiramente corpo, o homem torne-se Cristo.

Com base nessa explicação fica mais fácil compreender porque João Evangelista comparou Jesus com o Sol e ao mesmo tempo comparou o Sol com algo bestial. Na Cabala, o Sol é representado pelo 666, a kamea solar: basta um rápido estudo sobre os “quadrados mágicos” para perceber que o Sol é representado pela quadrado 6x6, totalizando 36 quadrados menores entre linhas e colunas que entre si somados equivalem a 666.  

No plano da eclíptica, todos os planetas do Sistema Solar orbitam o Sol numa espécie de disco imaginário. O Sol está no centro da Arvore das Vidas como a esfera Thipheret. Nada mais natural do que o Sol ou o 666 represente o homem iluminado, a essência divina perfeita existente dentro de cada homem, por isso o 666 é número de homem.



Da mesma forma que o Sol no centro da eclíptica ilumina todas as camadas planetárias do Sistema Solar mergulhadas na escuridão espacial, a essência espiritual divina, como um Sol, ilumina todas as camadas da alma e dos seus corpos espirituais e semi-materiais ainda imersos na escuridão da ignorância.

Dentro do homem, porém, existe a Besta, o animal feroz, o “therion”, o instinto primitivo, o Sol das Trevas interior que coexiste fusionado ao Sol Divino, a alma em evolução ainda imperfeita que também representa o 666.


Em um sentido profundo, a narrativa do Apocalipse que fala das representações da Besta do início ao fim, de cavaleiros montando cavalos ferozes que também representam Bestas, narra a jornada da alma humana ainda em um mundo de expiações e provações, lutando para descobrir o seu Sol verdadeiro, o sentido de Regeneração, a pirâmide mítica que desce na forma da Nova Jerusalém, como a luz dos céus superiores que chega pelo chacra coroa e simboliza a elevação da consciência.

A jornada dos 22 capítulos do Apocalipse é similiar aos 22 caminhos que unem as esferas da Arvore da Vida e possui justamente em seu centro o Sol, o 666, mergulhado nas trevas, nas Bestas durante a maior parte da narrativa associada ao atual mundo de provações que vivemos, mas que culmina no encontro com o verdadeiro Sol, a essência espiritual pura que serve de guia aos espíritos viventes em mundos de Regeneração, guiados pelo propósito de crescimento coletivo e não das paixões individuais, pois compreendem e sentem, verdadeiramente, que pela união harmônica e comum de propósitos maiores, naturalmente vivenciarão seu próprio crescimento energético e consciencial.

Da mesma forma essa analogia explica a imagem do mítico Dragão. Se colocarmos o símbolo do infinito sobre o corpo humano, seu centro, o ponto de conversão ou “encruzilhada” fica exatamente sobre o chacra sexual, o gerador da vida orgânica, ligado tanto as manifestações mais nobres de amor e sentimento como aos mais primitivos impulsos instintivos do sexo, eis a luta do Dragão e do Sol, pois o Dragão é o impulso, a serpente da kundalini que naturalmente circula por todos os chacras e encontra seu ponto natural de maior força exatamente no chacra sexual, enquanto que o Sol é o ponto mais elevado, o chacra coroa que está acima do corpo humano e que também irradia energia por todo o corpo, fazendo essa energia circular também por todos os chacras.

O entrelaçamento destas energias simbolizado no desenho do infinito sobre o corpo humano une as duas energias: a telúrica, que vem da terra, que sobe pelo corpo humano, pela coluna e circula por todo o corpo, assim como a energia espiritual, que vem das esferas superiores pelo chacra coroa e percorre o mesmo caminho que a kundalini, só que no sentido de cima para baixo.

O entrelaçamento dessas energias no chacra sexual mostra que é a vontade superior que deve guiar o Dragão escondido na caverna, pois é lá “embaixo” que as energias se cruzam, aonde a energia superior chega para dominar o Dragão dos instintos.

Da mesma forma que o homem precisa reconhecer-se ainda uma célula, que precisa unir-se por um propósito maior acima de si mesmo e dos seus interesses pessoais com outras “células”, para o crescimento do conjunto, do “corpo Terra”, também precisa reconhecer-se um Sol e um Dragão, pois se ignorar a sua natureza e achar-se já purificado ou apenas luz, então perigosamente permitirá que o Dragão, sempre presente e escondido dentro de si, nas profundas potencialidades vitais e anímicas guie, instintivamente, suas ações e seu livre arbítrio. O Dragão não pode ser esquecido ou acorrentado por muito tempo, mas sim comandado e treinado, pois sua natureza é ignífera assim como o Sol.

Somente assim ele poderá converter-se um dia na pomba branca, como as duas serpentes do caduceu na iniciação de Jesus que se transformaram em uma pomba com suas duas asas abertas, no topo do mítico símbolo iniciático.

“Sede prudente como as serpentes e simples como as pombas” (Mateus 10:16)

Esta é a jornada evolutiva do homem e em boa parte alegoricamente representada no Apocalipse ao longo das visões proféticas mostradas a João em desdobramento consciente, essa é a iniciação do homem para a sua ascensão, tal qual a iniciação de Jesus para a ascensão da sua missão messiânica entre os homens.  

A união, o trabalho coletivo por um ideal maior me lembra o que o guardião Jeremias disse em uma das minhas projeções e consta no livro “A Bíblia no 3º Milênio”:

A humanidade precisa mais do que despertar; as pessoas precisam é começar a “malhar” sua espiritualidade, trabalhar sinceramente sua renovação moral, pois quem ainda está dormindo e não “despertou” não será com palavras decoradas ou frases de autoajuda, mas sim com o “desperta-dor”, um “relógio de provações” tocando bem alto para levantá-los da inércia, afinal os trabalhadores da última hora descritos na parábola de Jesus são os trabalhadores, aqueles já “acordados” e trabalhando sua reforma interior e não os “dorminhocos” da última hora.

Apesar do estilo às vezes ácido do nobre guardião, penso de forma semelhante: não existe evolução ou expansão da consciência sem um trabalho de renovação moral, tanto a nível exterior como as células que trabalham e buscam a união por um nobre propósito, como a nível interior na luta entre o Sol e o Dragão (a Besta) interior. Sem este sentido prático de trabalho coletivo e luta interior de nada adianta “despertar” e permanecer anestesiado até o ápice da Tribulação.

Trabalho e luta, eis o significado da narrativa apocalíptica que explica bem o atual momento da Era de Expiações e Provações em seus momentos finais, momentos estes definidos como Transição Planetária. Significado que mostra claramente a necessidade de reconhecer-se célula que precisa trabalhar pelo bem coletivo do planeta acima do bem pessoal e ao mesmo tempo reconhecer a própria natureza ignífera do espírito: o Dragão (alma imperfeita em evolução) e o Sol (Espírito, essência divina), pois imergindo em si mesmo (o batismo) o homem encontrará essas duas naturezas e inevitavelmente, tal qual a narrativa apocalíptica, terá que derrotar a Besta, o seu Dragão interior

“Eu vim trazer fogo à Terra, e que quero eu, senão que ele se acenda? Eu, pois, tenho de ser batizado num batismo, e quão grande não é a minha angústia, até que ele se cumpra?” (Lucas 12:49)



A Bíblia no 3º Milênio: O link com o resumo dos 27 capítulos em 650 páginas em promoção por 49,33 de 1 a 7 de setembro está aqui:


Fanpage Profecias o Ápice em 2036 no Facebook:

3 comentários:

Edomberto Freitas disse...

Olá Alencastro,
Estive lendo algumas profecias no site
https://sites.google.com/site/oprofetamundial2/profecias
e fiquei surpreso com uma informação que consta ali, que não sei se é verídica, mas que coaduna com o que você vem dizendo que o anticristo nascerá em um país islâmico, e que eles liderarão a invasão da Europa. Diz lá que existe uma profecia amplamente divulgada entre eles de que virá um messias muçulmano e que liderará o povo islâmico para construir um mundo islâmico. O que você acha disso?
Um abraço.

José Alencastro disse...

Então Edomberto, existem profecias no Islã sobre o dia do julgamento, quando Issa (Jesus) retornará para combater o ad-dajjal (falso profeta), homem que nascerá no território de Sham (engloba terras como Irã,Iraque e Síria)e que enganará o mundo islâmico o arrastando para a guerra.

Existem muitas similaridades entre o falso profeta descrito no Apocalise e o ad-dajjal descrito no Islamismo, inclusive ao falar sobre o falso profeta no livro A Bíblia no 3ºMilênio eu cito as profecias sobre o ad-dajjal.

Comparando essas profecias, com as do Apocalipse, as do Velho testamento sobre o confronto entre gog e magog e ainda com as profecias de Nostradamus e João XXIII exponho no livro que serão, em verdade, 3 personagens principais de 3 diferentes regiões do planeta que surgirão no conflito que envolverá guerras e invasões em solo europeu e israelense, são os "três espiritos imundos" descritos no Apocalipse e que representam o falso profeta, a Besta e o opositor.

Mas certamente, as 3 religiões abraâmicas possuem profecias sobre o dia do julgamento, a vinda do Messias e o estabelecimento de um mundo melhor. Todas essas análises eu busquei realizar de forma simples e didática no livro. Abraço

Edomberto Freitas disse...

Olá Alencastro,
Novamente lendo o site do comentário anterior fiquei impressionado com umas cinco profecias que dizem respeito a uma queda de um cometa ou asteróide nos fins dos tempos. Duas, pelo que me lembro, eram de uma freira, que viu a queda de um cometa, e outra de um padre Pio (1887-1968), que viu a queda de um asteróide. Muitas fazem referência de uma ameaça que vem do céu. Muitas fazem referência a uma guerra envolvendo os islâmicos e os ocidentais europeus. Muitas falam de 3 dias de escuridão. Você poderia comentar essas profecias?
Um abraço!