2 de abr de 2012

Experiencias com Desdobramento (Parte 3 de 5) - Magos Negros, Formas Pensamento e Corpo Astral

dragão com armadura, magos negros, senhores da escuridao, trevas

Parte II : AQUI 

Muitos magos negros e seus asseclas (aprendizes que se aliam a milícias de magos negros) utilizam certos conhecimentos de hipnose, utilizando combinações de pulsos magnéticos através do olhar, da entonação da voz e até mesmo na combinação de algumas palavras para causar fascinação e atingir seus objetivos, muitas vezes para estabelecer uma ligação mental com pessoas que desejam fascinar, dominar ou simplesmente ter como aliados em seus intentos.

Algo muito comum que ocorre, sobretudo com os asseclas encarnados, é utilizar esse conhecimento para o desregramento sexual, não apenas para conseguir um número cada vez maior de parceiros sexuais, mas para conseguir de certa forma uma cota maior de ectoplasma que vampirizam dessas pessoas.

Muito comum, porém, é algo sair errado nesse processo magístico, pois a maioria de asseclas de magos negros, sobretudo os encarnados e os que supõem que um dia foram magos ou que acham ser magos atualmente, não dispõe do controle mental para manter um mínimo de equilíbrio com as várias relações mentais estabelecidas com suas várias vítimas.

Ao perceber que não consegue estabelecer esse controle, sobretudo se estiver em um estágio tamanho de desregramento que tenha atraído dezenas ou até mesmo uma centena de vítimas ao mesmo tempo, o assecla/aprendiz acaba decidindo por “abandonar” o controle mental de algumas ou boa parte de suas vítimas e esse certamente é um erro fatal, muito comum nos conflitos entre milícias de magos negros.

Ao cortar abruptamente o comando mental de uma ou mais vítimas, o assecla libera na sua vítima uma intensa carga de confusão e raiva, pois a maioria percebe rapidamente, mesmo que inconscientemente, que estava sendo usado ou usada de alguma forma e então começa na maioria dos casos uma obsessão, de encarnado pra encarnado.

A vítima começa a emitir pulsos de energia mental e magnética em direção ao assecla que outrora a vampirizou formando uma forte egrégora, um forma pensamento exatamente igual a estrutura astral do assecla que a vampirizava. Quando isso ocorre com várias pessoas ao mesmo tempo, que por algum motivo despertaram de algum processo de fascinação, obsessão ou vampirizaçao, a coisa começa a ficar feia para o assecla que realizou tal intento, pois a egrégora negativa com a mesma forma do seu corpo astral começa a ganhar cada vez uma forma mais forte, real e com um único desejo: atacar e destruir o assecla.

Toda essa trama causa algumas situações peculiares na guerra astral que envolve guardiões e milícias de magos negros. Milícias rivais de magos negros utilizam essas egrégoras, seja de asseclas ou de próprios magos negros (encarnados ou desencarnados) para perseguir e enfraquecer os seus rivais. Em muitos casos quando o assecla percebe que a situação esta insustentável, acaba pedindo socorro aos guardiões, espíritos a serviço da alta hierarquia moral do planeta Terra, a polícia do Grande Conselho que atua tentando manter o mínimo de ordem no astral inferior e, sobretudo para proteger as instalações do governo planetário nessas regiões, como por exemplo, os hospitais, centros de resgate e as próprias bases dos guardiões nessas localidades, bem como os portais de ligação com o astral intermediário, na superfície terrestre controlados pelos próprios guardiões.

Ao pedir ajuda aos guardiões o assecla normalmente acaba entregando, em troca de proteção à intensa perseguição da egrégora mental que ele mesmo ajudou a criar, preciosas informações sobre instalações, laboratórios, centrais de informação utilizadas por alguma milícia.

Muitas vezes, quando o problema que persegue o assecla é atenuado, esse assecla se torna um espião infiltrado nas próprias bases que já trabalhava em troca da redução de seus débitos kármicos que são diretamente reduzidos nos arquivos da central do akasha.

Essas reflexões nos levam a um novo entendimento sobre esse conflito, essa guerra, que longe de ser uma simples batalha entre guardiões e magos negros é algo que envolve alianças entre os dois lados e conflitos internos dentro da própria estrutura de poder existente nas milícias umbralinas, muitas inclusive com magos trevosos não aceitando o mando dos dragões, que utilizam o domínio do sol negro como pesado cabresto sobre os magos negros, que necessitam dessa fonte de energia.

Antes de iniciar esse relato sobre as experiências em desdobramento realizadas por mim em Porto Alegre é importante explicar um fenômeno que ocorre tanto nos processos de tratamento espiritual como em processos de alienação coletiva, a técnica é a mesma, o que difere é o objetivo (nobre ou escuso), da mesma forma que a diferença entre o veneno e a cura está na dose.

Quando uma pessoa busca tratamento espiritual, seja por cirurgia espiritual, Apometria, espiritualismo, é muito comum o paciente ser informado que ficará em tratamento em determinado hospital no astral. Esses hospitais podem estar localizados tanto em bases fixas (no astral superior) como em bases móveis (naves e centros de comando também localizados no astral superior). Nessas bases o corpo astral do paciente, onde está manifestado o foco da enfermidade que se manifesta no seu corpo físico, é tratado. No entanto esse tratamento não ocorre apenas enquanto o paciente dorme, basta que uma pequena parte do seu corpo astral fique num desses hospitais para que todo o tratamento cause uma ressonância em todo o corpo astral do paciente.

gif homem vitruviano, corpo astral brilhante, da vinci obra

O corpo astral, diferentemente do corpo físico, não é sólido, apesar de apresentar certas características de um corpo sólido, sobretudo quando está no plano astral, onde interage com um meio semi-material, equivalente a estrutura semi-material do corpo astral, ou seja, é como se estivesse no plano físico, mas com algumas diferenças e menos limitações, devido à menor materialidade tanto do meio como do próprio corpo (astral) onde se manifesta.

Sabemos que o espírito, o centro consciente, não se divide, mas pode estar em mais de um local ao mesmo tempo, assim como um Sol que permanece no mesmo local, mas emana raios para diversas direções e nem por isso tem sua estrutura central divida. Da mesma forma que um espírito pode enviar seu pensamento a vários pontos diferentes ao mesmo tempo, esse pensamento poderá estar manifesto revestido com a estrutura que é própria, ou seja, o corpo astral, o perispírito, manifestando uma projeção ativa da sua consciência, não o próprio espírito, mas uma espécie de holograma que manifesta a vontade e a consciência do espírito que o comanda. 

Mas porque é necessário compreender isso?  Ao sabermos disso, entendemos que quando alguém é tratado em um hospital espiritual, não necessariamente precisa ficar lá conscientemente durante o tratamento, apenas uma pequena parte do corpo astral, um “filete” da sua estrutura energética é levado e todo o tratamento ali feito com a tecnologia do astral superior reverbera em todo o corpo astral.

O problema é que essa capacidade do corpo astral também pode ser usada de forma negativa, quando alguém estabelece profunda sintonia com algum sentimento ruim , entra em algum grande desequilíbrio emocional e acaba indo, durante o sono, a locais comandados por milícias trevosas que habilmente atraem os desavisados (e os avisados que fazem ouvidos moucos também) e mesmo após retornarem ao corpo físico acabam deixando um pequeno “filete” do seu corpo astral, que irá reverberar e potencializar os pensamentos e estados de desequilíbrio que levaram o encarnado a procurar esses locais no astral.

Nos casos de obsessão mais complexa, algumas milícias umbralinas oferecem serviços de “enganchamento”, onde a partir de um pequeno filete de corpo astral conseguem plasmar artificialmente uma forma pensamento igual ao corpo da vitima em desequilíbrio, normalmente com ectoplasma da própria vitima e criam uma forma pensamento quase idêntica ao corpo astral da pessoa encarnada e engancham, literalmente, essa forma pensamento, exatamente como é feito nos açougues com os pedaços de carne, para que a vítima se sinta desvitalizada e não tenha forças para reagir ao processo obsessivo. Normalmente esse “serviço” é requerido em casos de vingança, por encarnados e desencarnados que desejam atacar alguém. 

A equipe de Apometria que trabalho em Porto Alegre já detectou um caso desses, retirando uma dessas formas pensamento plasmadas do gancho e desfazendo assim o trabalho de enganchamento sobre essa pessoa. Esse local em Porto Alegre eu nomeei de “o açougue” e relatarei em seguida a ligação desse local com outros locais não aprazíveis do astral intermediário e inferior da capital gaúcha.

Quem quiser ver uma imagem parecida com o que eu vi (imagem forte, desaconselhável aos mais sensíveis ou impressionáveis) , é só entrar nesse link AQUI  


Parte IVAQUI


Fanpage Profecias o Ápice em 2036 no Facebook: 
http://www.facebook.com/josemaria.alencastro2036

4 comentários:

sapopular disse...

Tenho a "percepçao" que tenho alguns "ganchos" nas minhas costas. Quem devo procurar?

José Alencastro disse...

De preferencia um bom centro espírita que tenha Apometria para que possam avaliar o caso e se for esse o caso, tratar.

RafAH disse...

Um questionamento... Esses "filetes" os quais tu citou, por acaso seriam os conhecidos níveis e/ou subníveis do corpo astral? Ou apenas divisões do corpo astral conforme foi citado? Obrigado. Otávio - Pelotas(RS)

José Alencastro disse...

Olá Rafa. Esses filetes são apenas estruturas moleculares do perispirito. A ciencia atual da humanidade a recem descobriu o mapeamento genetico e ainda engatinha no uso das celulas tronco, mas na ciencia da espiritualidade, sobretudo das nobres equipes ligadas a area de saude, a tecnologia já está muito mais avançada. Basta portanto um pequeno "filete" para que uma equipe de saúde da alta espiritualidade possa ter acesso a todo o conteúdo karmico do perispirito e agir a distancia em toda a estrutura perispiritual. Com tecnologia semelhante, cientistas das trevas e magos negros realizam procedimento semelhante,sobretudo em processos obsessivos mais pesados, que normalmente são resolvidos apenas com Apometria ou antigoécia. Abraço