22 de out de 2014

Mapa Astrológico do Último Debate – Uma Eleição Incendiária e Plutoniana com o Batismo das Águas




astrologia debate globo
MAPA ASTROLÓGICO DEBATE GLOBO

Sabidamente teremos o principal e mais assistido debate dos presidenciáveis no dia 24 de outubro, com um posicionamento astrológico no céu dos planetas, sobretudo aqueles com órbita mais lenta, bem semelhante ao dia das eleições. Dessa forma, para facilitar a análise do desempenho nesse debate, analisarei no mapa astral a Lua (sustentação e equilíbrio emocional), Mercúrio (comunicação), MC (status e imagem pública) e Ascendente (ambiente na hora do debate). Os planetas com órbitas mais lentas eu analisarei no próximo post, pois seu posicionamento será praticamente o mesmo nas eleições e no dia do debate.

No “sangrento” debate ocorrido no SBT o ascendente esteve em boa parte no signo de Gêmeos enquanto a Lua esteve em Leão, juntando “ar com fogo”, aflorando uma comunicação (Gêmeos) mais emocional (Lua) e aguerrida na busca pela liderança (Leão)

Já no debate “morno” ocorrido na Record, o ascendente esteve na maior parte do tempo em Câncer e a Lua esteve em Virgem, naturalmente inibindo uma maior comunicação (Virgem) e estimulando uma atitude mais pensada, perfeccionista, racional e menos emotiva, evitando assim o embate direto

No debate da Globo teremos novamente o ascendente em Câncer, porém com a Lua em Escorpião. Provavelmente será um debate pautado por fortes apelos emocionais devido aos dois signos de água, mas ao mesmo tempo uma forte batalha pelo controle da situação, com a utilização de algum fato novo polêmico, características típicas de Escorpião, algo exacerbado pela presença de Plutão (regente de Escorpião) como o planeta que recebe duas quadraturas de Urano e Mercúrio.

Durante o debate, o céu estará com o seguinte posicionamento:

Ascendente a 1º a 18º de Câncer (movimento do início ao fim)
Meio Céu a 14º a 0º de Áries (movimento do início ao fim)
Mercúrio a 16º de Libra
Lua a 15º de Escorpião


Lua

O Urano de Aécio estará em quadratura com a Lua do debate com variação de 2º enquanto o Plutão de Dilma também estará em quadratura com a Lua do debate com variação de 1º.  Pela menor variação e por conter um planeta mais pesado, Dilma perde aqui por pouco

Mercúrio

O Urano de Aécio está em sextil com o Mercúrio do debate com variação de 1º, enquanto o Plutão de Dilma também está em sextil com o Mercúrio do debate. Pela menor variação e por ter um planeta que combina mais com o rápido Mercúrio, Aécio ganha aqui novamente, tendo facilitada a sua comunicação, sobretudo ao transmitir a imagem de reformador e melhor opção de futuro (característica de Urano) 

Meio Céu (MC)

O Plutão de Dilma está em trigono exato (zero grau variação) ao MC do debate, assim como o seu Júpiter está em trígono (3º de variação) ao MC do debate. O Urano de Aécio está em trígono (3º de variação) ao MC do debate. Dilma ganha aqui no início do debate. Com o transcorrer do debate, o Júpiter de Aécio ficará em quadratura com o MC do debate, enquanto o Ascendente de Dilma ficará em oposição (3º variação) ao MC do debate. O Marte de Dilma ficará em trígono (3º variação) ao MC do debate. Dilma ganha aqui também.
Apesar de perder na comunicação e de transparecer menos emoção (os dois primeiros itens, Lua e Mercúrio, que Aécio deve vencer no debate), Dilma conseguirá passar a imagem de segurança e capacidade de gestão ao longo de todo o debate (ao ganhar o item do MC)

Ascendente

No início do debate, o Marte de Dilma estará em sextil  ao Ascendente do debate, da mesma forma que o Plutão de Aécio. Ambos estarão prontos para uma intensa luta, ainda que Plutão dê mais força a Aécio do que Marte a Dilma.

Por alguns instantes no início do debate, o Júpiter de Aécio ficará em oposição ao Ascendente do debate, o que indica que ele poderá demorar alguns minutos iniciais para realmente entrar no debate. Da mesma forma, nesses primeiros minutos, o Ascendente de Dilma estará em trígono com o Ascendente do debate, fortalecendo a sua concentração e centramento no debate. Provavelmente nos primeiros minutos ou primeiro bloco, ela deve passar uma imagem de mais segura, sobretudo se acontecerem confrontos intensos.

Mais ao final do debate, o Sol de Aécio ficará em trígono com o Ascendente do debate, favorecendo o embate do seu Plutão com o Marte de Dilma, permitindo que na meia hora final ele transmita maior autoridade (Sol) em relação a sua adversária.

Baseado nessas análises, eu acredito que no debate Dilma transmitirá uma imagem de gestora mais forte do que Aécio, enquanto que Aécio transmitirá maior emoção e se comunicará melhor. O debate tende a ser mais favorável para Dilma no seu início (primeiros 15 minutos) e mais favorável a Aécio na parte final (últimos 30 minutos), sendo que na maior parte será uma grande luta entre a presidente tentando transmitir uma imagem de gestora séria e competente contra um Aécio bem comunicativo e buscando motivar pela parte emocional a esperança de mudança nos eleitores ainda indecisos.

Será um debate muito duro a nível emocional para Dilma, sobretudo pela quadratura da Lua com o seu Plutão natal, o excesso de tensão mental (própria de Plutão) pode ocasionar novamente algum problema ligado a queda de pressão. Já Aécio deve controlar bem sua grande energia emocional que estará forte nesse dia, pois é provável que seja instigado, fortemente, a perder o equilíbrio emocional de forma ainda mais intensa do que aconteceu no debate do SBT.

Acredito que não teremos aos olhos do grande público um vencedor no debate, ainda que exista uma pequena vantagem para Aécio, sobretudo na parte final do programa (encerramento) que pode representar a imagem final do confronto e a escolha para alguns indecisos.

Aguardemos até o dia 24 de outubro ....


UMA ELEIÇÃO INCENDIÁRIA E PLUTONIANA   



Teremos a eleição de domingo com três planetas em signos de fogo (Júpiter, Lua e Urano), sendo que Marte estará adentrando em Capricórnio, ou seja, ainda recebendo fortes influências de um signo de fogo (Sagitário). Marte, na Astrologia o arquétipo de guerra e da vontade, estará em Capricórnio juntamente com Plutão que não apenas estará em conjunção com o Ponto da Fortuna potencializando sua força de transformação destruidora como causando um “fuzuê” em todo o submundo, desde as instituições do mundo físico ao mundo astral, pois estará recebendo a energia, através da Configuração de uma grande quadratura, de Urano e Mercúrio, sendo que os 3 aspectos envolvendo essa Configuração, Urano participa dos dois mais fortes (linhas vermelhas mais intensas no mapa).

A ação de Urano estará muito potencializada, pois estará no signo (Áries) regido exatamente por Marte, o planeta com maior energia no dia das eleições, deixando tudo ainda mais incendiário a nível astrológico. Áries rege naturalmente a primeira casa , está muito ligado aos inícios, a coragem para arriscar , a imagem física vigorosa e tendo ainda a ação do elétrico e progressista Urano, indica a clara mensagem de um novo ciclo (algo que será melhor explicado no próximo post)

Antes de entrar em uma análise mais minuciosa dos mapas dos 2 candidatos (que farei no post a seguir), vou analisar basicamente a energia de cada um no elemento fogo e especificamente no signo de Capricórnio, que não apenas receberá Plutão e o Ponto da Fortuna como ponto máximo da Configuração (Grande quadratura) como também receberá o planeta mais forte nesse dia, Marte.

Dilma tem 3 planetas no elemento fogo (Saturno com pouca energia, Plutão com energia estável e Júpiter com muita energia), Aécio tem 2 planetas no elemento fogo (Urano com pouca energia e Lua com energia estável).

Já em Capricórnio, signo que estará mais energizado na eleição, Aécio possui 2 planetas (Saturno com muita energia e Júpiter com pouca energia) enquanto Dilma possui apenas um planeta (Lua com pouca energia).

A vantagem de Dilma está exatamente no seu Plutão e Júpiter e a supremacia de maior energia no elemento fogo, já que no signo de Capricórnio ela tem uma desvantagem muito grande para Aécio. Se parássemos a análise aqui, poderíamos dizer: “empate” ou “indefinido”.

Entretanto, teremos dois aspectos fortes no dia das eleições. Um deles é uma quadratura forte envolvendo Júpiter e Saturno, que de certa forma mantém o “empate”, pois se Dilma tem Saturno fraco e Júpiter forte no elemento fogo, Aécio tem Saturno forte e Júpiter fraco em Capricórnio.

Na Configuração da Grande Quadratura temos Plutão muito forte com o ponto da fortuna e recebendo a energia de 2 planetas, mas ao mesmo tempo os 2 aspectos mais fortes que compõe os 3 aspectos dessa Configuração estão em Urano que por sua vez está muito fortalecido por estar em Áries (regido por Marte e que também está em Capricórnio, signo que por sua vez tem Plutão ali alocado). Nessa briga também dá empate, pois ainda que pudéssemos contar uma ligeira vantagem para Plutão em relação a Urano, ainda sim o Urano natal de Aécio está melhor posicionado (em conjunção ao MC, mesmo que com pouca energia), enquanto o Plutão de Dilma, ainda que com energia estável e também na casa 10 está longe do MC (16 graus)

UM NOVO BATISMO DAS ÁGUAS

O segundo aspecto forte da eleição e único harmônico é um trígono de água envolvendo Sol em Escorpião e Netuno com muita energia em Peixes, unindo as casas 4 (família) e 11 (associações, reuniões de pessoas). É aqui que a eleição é desempatada. Ambos os candidatos tem ascendente em Escorpião, mas Aécio possui o seu signo solar em Peixes, exatamente o signo que receberá na casa 04 no dia das eleições Netuno com grande energia em trígono exatamente com o Sol. 

Se os demais posicionamentos igníferos com a ação de Marte, Áries e Urano potencializarão a força e o desejo de uma grande mudança, o trígono em água envolvendo Netuno trará a tranqüilidade para permitir uma visão esperançosa sobre a mudança que se faz necessária, encorajando as famílias (casa 4) a apostarem no sonho (Netuno) de algo novo ser iniciado (Marte, Áries com Urano) e realizando a intensa mudança através da Grande Quadratura com o ápice em Plutão (o destruidor e transformador completo do status quo estabelecido)




No próximo post farei uma análise astrológica minuciosa dos 2 candidatos para  a eleição decisiva do segundo turno, que acontecerá dia 26 de outubro, complementando as explicações a nível astrológico no mapa astral sobre a eleição incendiária e plutoniana.


Fanpage Profecias o Ápice em 2036 no Facebook:
https://www.facebook.com/josemaria.alencastro2036 

Fórum Profecias 2036: 
http://www.profecias2036.com.br/forum/ 



21 comentários:

Lorya disse...

Bacana o fruto de suas análises e estudos. Pena que tem estado ausente do fórum.
Abcs!
Leda

Fabrício E. disse...

Boa noite José.

Num momento oportuno, e caso possua a informação, poderia nos passar os preparativos dos guardiões para que as eleições ocorram da melhor maneira para o Brasil. Se existe muita influência negativa, até que ponto a alta espiritualidade pode interferir nos acontecimentos.

Obrigado

Unknown disse...

Já deu para "captar" o resultado da eleição! hehehehehehehe

João Inácio disse...

Zé e demais amigos!
Apenas corroborando e complementando o que aqui está exposto, sugiro, mais uma vez a leitura desapaixonada e muito bem fundamentada da astróloga gaúcha Susana:

http://veraluciacienciasocultas.blogspot.com.br/2014/10/eclipse-parcial-do-sol-23102013-nos-e.html


Abs fraternos a todos!

Palhaço Que Que disse...

Bom ver que as trevas não vencerão.

José Alencastro disse...

João: Ótimo o texto da Susana

No início da votação a Lua fortalecida pelo eclipse ocorrido no dia do debate estará na casa 01 (inícios) exatamente no signo de Sagitário (filosofia, ética, estudos superiores), que por sua vez terá seu planeta regente (Júpiter) em Leão próximo ao MC (status, vida pública) mas exatamente na casa que naturalmente é regida por Sagitário (casa 09).

Um novo início que elevará os valores de Sagitário ao topo do mapa através de um sentimento (Lua) iluminado pela autoridade (Sol).

No final das apurações (ali pelas 21 ou um pouco depois), Urano estará ainda mais forte do que esteve ao final do primeiro turno, quando também estava na grande quadratura (quadratura em T) com Plutão, a diferença é que agora seus dois aspectos na grande quadratura estão mais intensos e ainda fará dois trígonos em um grande trigono com Júpiter e Lua (este bem forte)

Urano simboliza o novo, uma mudança rápida e elétrica e por estar presente em um trígono de fogo e uma grande quadratura, isso fica ainda claro.

Amanhã publicarei o segundo post com uma análise comparativa dos dois mapas, de Aecio e Dilma, que somados ao que foi dito agora e no post sobre o debate, deixam claro que astrologicamente o mapa aponta para uma profunda mudança, o que obviamente não condiz com a manutenção do atual governo.

Além disso, se 2014 for regido por Xangô (o juiz que trouxe tudo as claras em busca da ética e filosofia de Júpiter que rege 2014), 2015 começa com Marte e Ogum, ou seja, a luta para colocar essas mudanças em prática, doa a quem doer.

Abraço

Rafael Frigori disse...

Parece que está complicando: http://www1.folha.uol.com.br/poder/2014/10/1537063-dilma-atinge-53-e-abre-6-pontos-de-vantagem-sobre-aecio-diz-datafolha.shtml ... e agora José ?

José Alencastro disse...

Aquele instituto que no primeiro turno deu 5 pontos a mais pra atual presidente e 6,5 pontos a menos para o concorrente?

Hum...

Sergio Bini disse...

Em SC o Ibope no dia 04/10 anunciou Dilma 38% e Aecio 28%.

No dia seguinte Aécio venceu com 52%. Uma diferença abissal.

Pesquisa virou instrumento de marketing nas mãos do governo.

Rafaela Batista disse...

José, no meu íntimo sempre acreditei que o Aécio ganharia, mesmo com Marina aparecendo em segundo. Acho que as coisas tem chances de serem mudadas com ele, a Dilma do PT é uma avalanche autoritária e imperialista que ta acabando com o Brasil. Espero q sua análise se concretize com #aécio45

Unknown disse...

É pessoal. aguardem mais 4 anos! Difícil não perder a fé quando tudo aponta para um lado e acontece o contrário! Sério! Feliz os ignorantes que seguem religião e os cordeirinhos felizes em serem mandados e guiados.

Esse mundo não tem lugar para os racionais. Tenho vontade de queimar todos os meus livros sobre espiritualidade. De boa!

José Alencastro disse...

A vontade de mudança ficou clara, tanto que a eleição terminou 51 a 48, muito acirrada e dividida. Mas a força da publicidade da maquina estatal é forte e creio que tenha sido decisiva

De qualquer forma, os proximos 4 anos serao decisivos: resolução de problemas economicos serios, apuração de um caso serio de corrupção e talvez seja preciso mais 4 anos e maiores problemas para que o desejo de mudança tome conta da ampla maioria

Até la temos grandes desafios e creio que pessoalmente um caminho dificil, pois nao acredito que o atual governo, que criou problemas economicos e politicos nos ultimos 4 anos tenha força para reverter esses problemas.

As mudanças sempre chegam, no nosso caso precisaremos ainda de mais 4 anos. A decisao, como disse em primeiro de janeiro, seria entre 2014 e 2018, por pouco nao foi agora.

Palhaço Que Que disse...

Meus comentários não estão saindo aqui no blog...

José, vc tem noção da força de uma união Globo-Estadão-Folha-Veja-SBT-Band contra a Dilma?

Seriam esses veículos que aliados a quem roubou muito mais trariam a garantia de mudança?
Veículos que sempre abafaram os casos...?

Olha, eu compartilho as mesmas idéias espiritualistas com os irmãos aqui, mas essa de defender um gorverno tucano-éfeagacedístico está sendo de doer.

José Alencastro disse...

Comentário: "José, vc tem noção da força de uma união Globo-Estadão-Folha-Veja-SBT-Band contra a Dilma? Seriam esses veículos que aliados a quem roubou muito mais trariam a garantia de mudança? Veículos que sempre abafaram os casos...? Olha, eu compartilho as mesmas idéias espiritualistas com os irmãos aqui, mas essa de defender um gorverno tucano-éfeagacedístico está sendo de doer."

Resposta: Sejamos ao menos coerentes para analisar fatos e não simplesmente repetir a retórica da propaganda política

Ninguem está defendendo partido algum, isso é que alguns petistas precisam entender. O Estado, como conjunto de instituições, é controlado temporariamente por um mandato ou mais mandatos por um partido que forma assim temporariamente um governo. O governo é transitório, o Estado não.

O problema é quando alguém acredita que Estado e governo são a mesma coisa e pior ainda: quando alguns partidários de um partido não aceitam que alguém ache que o projeto de governo deles é pior do que outro projeto, não por causa do partido, mas pelo projeto em si. A candidatura tucana, por exemplo, angariou apoio de 2 famosos ex petistas (Marina e Eduardo Jorge), pessoas que pertenceram ao partido e viram que as propostas do partido não representam o melhor caminho, simples assim. não significa que sejam tucanos, ou "fhcistas", simplesmente acreditam que uma proposta partidária é melhor que a outra e nem por isso estão abrindo guerra pessoal contra aos militantes do ex partido, isso que alguns precisam compreender.

A Globo, assim como o SBT recebeu, ao longo dos últimos 12 anos ganhou uma enorme quantidade de dinheiro através de verbas com publicidade. Nenhum governo gastou tanto com publicidade, no auge da crise do petrolão era propaganda em horário nobre da novela dia e noite. Porque você acha que críticos ferrenhos do atual governo, como Jabor e Sherazade foram censurados em suas emissoras?

José Alencastro disse...

Quanto a Veja é importante ressaltar que ela participou ativamente no esclarecimento de dois escândalos recentes do país: o impeachment do Collor e o mensalão. Foram matérias e reportagens trazidas nessa revista que ajudaram no processo de investigação e informação da população. No caso do petrolão é a mesma coisa: caso seja comprovado que existem documentos em posse do doleiro que indicam contas no exterior para lavagem de dinheiro ou o envolvimento da presidente reeleita, isso será apurado, da mesma forma que se hoje já se sabe muita coisa sobre esse esquema através da delação do outro doleiro, foi exatamente pela investigação jornalistica da Veja que trouxe isso a tona

Quanto a "quem roubou muito mais" isso também é uma outra falácia. Provado e transitado em julgado foi o mensalão que condenou muitos dos seus réus, entre eles as principais lideranças do atual partido do governo no maior esquema de corrupção (pelo menos ate enquanto o petrolão nao seja plenamente investigado) desse país. Se existe algo que o atual governo julgue obscuro ou pouco conhecido em algum caso do governo FHC é simples: reabram o caso e investiguem novamente, tiveram 12 anos pra fazer isso e não encontram nada. Julgado pelo suprema corte é o mensalão, já o que ainda não transitou ou ainda o que acham que nao esta claro é apenas suposição, portanto de julgado e claro é que o atual partido da situação foi responsável pelo maior escandalo de corrupção do país, esse é o fato.

Quanto aos ideais espiritualistas, considero que um dos principais é analisar e comparar fatos e não achismos. Qualquer um pode achar, por exemplo, que o atual governo foi o melhor para as classes menos favorecidas, mas os fatos (e não achismos) é que o atual governo conseguiu recorde atras de recorde na arrecadação de impostos, recorde atras de recorde no lucro dos bancos, aumento recorde na divida pública (já passa de um trilhão)

Segue mais alguns dados, colocando por terra a falácia de que o atual partido é o melhor para os pobres e o outro, da oposição, é o das elites:

José Alencastro disse...

Nos 8 anos do governo FHC o ganho real do salário minimo (aumento acima da inflação) foi acumulado de 85%, nos 8 anos de Lula foi um pouco maior, 98% e nos 4 anos de Dilma foram de 15%. Ou seja, o atual governo tem uma média anual de menos de 4% em ganho real, enquanto o "elitista" governo de FHC teve média anual de mais de 10%. Isso é fato, baseado em dados oficiais e não "achismo partidário". Quem quiser conferir os dados pode entrar aqui http://poucodeprosa.wordpress.com/2014/02/19/salario-minimo-no-brasil-ganho-real-entre-1995-e-2013/

Na criação do plano real o partido governista foi contra, mas será que seria possível realizar tantos avanços com uma inflação a 900% ao ano?

Muitos poderiam reclamar: a inflação foi controlada mas teve recessão, desemprego. Vamos novamente a fatos estatisticos?

Ao final do governo FHC o desemprego chegou a 12% e nos 12 anos de governo do atual partido governista, uma média de 5 a 6 %. O que muitos talvez não saibam é que para as estatisticas, os beneficiarios de programas de assistencia, como o bolsa familia, não contam como desempregados. Se compararmos então, as duas eras (petista e tucana) observando apenas a força de trabalho disponivel, veremos que na epoca dos tucanos foram 12% de desempregados com algo entorno a 5-10 milhões de pessoas assistidas por programas assistenciais (bolsa gás, bolsa escola, etc), enquanto que no governo petista foram 6% de desempregados, mas com quase 60 milhões de pessoas assistidas apenas pelo bolsa familia, sendo que metade das 13 milhões de familias esta no programa desde o inicio, não foi encaminhada para o mercado de trabalho.

José Alencastro disse...

Programas assistencialistas são muito importantes e os dois governos investiram nesses programas: os tucanos, mesmo tendo que arrumar a casa (inflação de 900%) conseguiram colocar milhões de pessoas em programas de assistencia, o atual governo também investiu muito nessa área, o problema é que não tem feito muito para tirar milhões de pessoas com idade de trabalho (entorno de 25 milhões) da dependencia desses programas, o que causa o problema que vemos hoje: falta de mão de obra no mercado.

Não existe milagre, para financiar tantos programas de assistencia é preciso recurso e o recurso só vem de duas formas: ou com crescimento da economia (aquecimento das industrias, desburocratização, simplificação de impostos) ou com aumento dos gastos (leia-se maiores impostos e aumento da divida interna). O atual governo, que poderia ter feito tranquilamente a reforma tributária pois teve ampla maioria no Congresso nos ultimos 8 anos, tem mantido os programas sociais a base de impostos cada vez mais alto (recorde atras de recorde a cada ano) e com o aumento da divida interna, até porque nao enxugou o excessivo numero de cargos de confiança que lotam o serviço publico, não baseado em concurso publico ou meritocracia por produtividade, mas simplesmente por ligações ideologicas com o partido. O número de ministerios aumentou enormemente no atual ciclo de 12 anos, na época de FHC já eram 26, no atual ciclo petista são 39 é gasto demais e desnecessário.

Se a atual presidente realmente deseja unir o país dividido, eu acredito que ela precisará mudar muitas coisas na própria filosofia do seu partido, seguindo (assim espero) o pensamento de muitos ex petistas, como Marina e Eduardo Jorge e buscando reconhecer os rumos catastróficos que tomou na economia e na politica, pois economicamente o atual modelo é insustentavel e caso sejam comprovadas as denuncias do petrolão, o modelo de apoio politico do atual governo também estará falido.

A industria do Brasil é fraca, pouco competitiva, baseada em exportação de matéria prima, o que garantia um bom crescimento quando a China crescia a dois digitos por ano e consumia enormemente, mas hoje não é mais assim, se o Brasil não investir pesadamente em ferrovias, portos e incentivo de mão de obra (inclusive de muitas pessoas que estão no bolsa familia), alem de diminuir impostos e a burocracia, o Brasil tende a agravar a atual crise economica.

José Alencastro disse...

A opção menos dura pros próximos 4 anos seria a oposição, simplesmente porque eles deixaram claro que queriam fazer essa ampla gama de mudanças e acabar, a nivel politico, dessa historia de "nós contra eles" ou ""elite branca contra povão", mudanças (reais mudanças) que eu sinceramente acredito que o atual governo reeleito não está disposto a fazer, ainda mais em vias de um escandalo politico (petrolão) crescer em proporção.

Tomara que eu esteja errado, pois do contrário o ano de 2015 será dificil, ainda que necessário para o nosso crescimento como nação pelo caminho mais árduo.

Fabrício E. disse...

Muito bem resumido este texto. Infelizmente a maioria da população não teve escola, recursos ou meios de analisar os fatos e realizar um voto consciente. E quem teve decidiu pensar no próprio umbigo talvez. Votar no PT acreditando nos casos de corrupção, nunca visto antes, deu carta branca pra eles fazerem o que quiserem agora. Vão ter 10 de 11 ministros no STF nos próximos anos.
O povo é facilmente manipulado. Não acredito em responsabilidade do povo pois o mesmo não tem insumos pra escolher de maneira clara. Então o que resta é acreditar que Deus sabe o que faz, e aguardar as mudanças, que só ocorrerão com intervenção divina mesmo, pq ainda somos crianças torcendo por times, e não pelo país.

José Alencastro disse...

Pois é Fabricio, eu falei sobre isso nos comentários de outro texto lá do blog:

"Caro José, de acordo com o que tenho lido aqui no blog, bem como em outras fontes, os grupos que detém o poder são sustentados ou mantidos por egrégoras, correto ? Em seu livro você narra a atuação dos guardiões no desmantelamento da egrégora 2012 e também aquela relacionada à guerra fria. Gostaria de saber como os guardiões atuam (se é que o fazem, no momento), em relação ao grupo que atualmente detém o poder no país ? Gostaria de entender melhor como se dá o processo de formação e manutenção de uma egrégora e como cada um de nós poderia contribuir para a ruptura de egrégoras negativas" (Francisco)

Sim Francisco, cada partido possui uma egrégora, da mesma forma que os próprios centros de poder ( como SP, Brasilia) possuem uma egrégora.

Uma egrégora existe porque recebe alimentação energética, quanto menos pessoas a alimentarem, menor será sua força e capacidade de influência.

No caso dos centros de poder temos um controle maior, de entidades superiores que são responsaveis pelo ciclos evolutivos. Quando chega um determinado momento que mudanças precisam ser realizadas, elas ativam certas forças de transformação, que podem fortalecer ou enfraquecer determinada egregora. Foi assim nas Diretas Já, foi assim no impeachment, quando egregoras fortalecidas foram enfraquecidas porque se fazia necessária uma mudança.

José Alencastro disse...

Ocorre que esse processo passa pela influenciação das pessoas envolvidas, muitas vezes sem maiores conhecimentos espirituais ou iniciáticos e que são levadas, quase que por hipnose, a acreditarem em determinadas versões dos fatos sem buscarem pesquisar a fundo e comparativamente os próprios fatos. Quando isso atinge grandes proporções e vai contra o plano programado pelas entidades que coordenam os destinos de uma nação ou do planeta, mudanças são feitas (como nos exemplos das Diretas e do impeachment citadas anteriormente)

Dessa forma a melhor forma de combater uma egrégora negativa é estimular o esclarecimento das pessoas, buscar informações em fontes oficiais, comparar dados e números de forma independente e não apenas adotar o discurso de um partido ou politico ou adotar uma ideologia como verdade absoluta, pois quando isso ocorre as pessoas passam a encarar seu partido como um time de futebol e deixam de analisar claramente os fatos em fontes oficiais para simplesmente acreditar em qualquer coisa que seja dita em beneficio do seu "partido de futebol".

Creio que estimular essa maturidade de pesquisa, em fontes oficiais ao invés de alimentar uma paixão partidária cega seja o melhor caminho para que cada vez mais pessoas tenham maturidade para perceber a atuação de uma egregora.