18 de out de 2017

O Lírio das Américas - As Forças Armadas e a Destruição da Torre de Babel



Antes de trazer a mensagem que os amigos guardiões Anik e Jeremias transmitiram ao longo dos últimos dias diante dos recentes acontecimentos da política brasileira, esclarecendo de forma clara as novas estratégias das sombras até as eleições de 2018 e também qual a estratégia que as equipes de guardiões estão adotando e adotarão até o final de 2018, aconselho que tanto o leitor novo da página que ainda leu os trechos a seguir extraídos dos livros "Brasil o Lírio das Américas" (2014) e "Brasil: Ordem em Progresso" (2016) como os leitores que já possuem as obras, releiam essas passagens, pois elas ajudarão a compreender o contexto do que será explicado na mensagem trazida por Anik e Jeremias.

Adianto que o texto será longo (textão) e além de lido deve ser relido e analisado. Advirto também, antes da leitura, que se ainda tem algum marxista, gramscista, petista, comunista ou socialista nessa página, médium ou não, você está no lugar errado, pois esse espaço não abre um milímetro sequer para qualquer retórica de apoio a tais "filosofias" sendo que essas "filosofias" jamais contarão com o apoio dos guardiões superiores

E sim, continuarei fazendo como tenho feito desde 2014 de forma pioneira o trabalho de esclarecimento dos bastidores astrais da política (trabalho pioneiro feito aqui) juntamente com a divulgação do planejamento a curto e médio prazo das ações dos guardiões superiores para o Brasil e o mundo, trazendo com alto grau de acerto na concretização de tais informações (tanto pelos detalhes como pelas datas), até porque não adianta ficar falando só de "bastidores" a respeito de fatos que já ocorreram, mas sem comprovar verdadeira capacidade de acesso ao futuro planejado pelos guardiões superiores (acesso que comprova verdadeiro contato com os guardiões superiores) 

Dito isso, vamos lá:

O QUE FOI PREVISTO ATÉ AGORA

Primeiro de tudo: a previsão de que o caminho de mudanças do Brasil seria decidido entre 2014 e 2018 ( hoje sabemos tratar-se da lava jato, operação iniciada em meados de março de 2014), sendo que o texto foi publicado no blog em 1º de janeiro de 2014, meses antes do petrolão e do início da operação:

"Brasil, seu caminho de mudanças será decidido entre 2014 e 2018. Postergado talvez, evitado, jamais. Seu povo escolherá se deseja liderar o processo de mudanças nas Américas ou se será levado. Novo até 2018, renovação completa entre 2022 e 2029."

"Essa revolução espiritual terá sua contrapartida no mundo físico. O que foi visto em junho de 2013 é apenas uma pálida imagem do que vem por aí. A história nos conta que todos os grandes impérios tiveram sua ruína exatamente quando a corrupção, os desmandos, a sede pelo poder atingiu seu ápice e estamos vendo isso aqui no Brasil, o grande império da America do sul, que esse ápice não esta longe de acontecer, o atual sistema que rege esse "império" vai ruir em breve." (texto de 17 de março de 2014 no blog, o primeiro dia da Lava Jato)

O livro "Brasil o Lírio das Américas" lançado em 2014 descreveu na página 270 o fim do populismo na América do Sul, estipulando o cronograma da missão dos guardiões entre 2012 e final de 2017, exatamente como temos visto acontecer nos últimos 3 anos (a ascensão de Macri, a eleição de um novo parlamento contra Maduro bem como a maioria do povo venezuelano indo as ruas seguidamente contra o governo, além é claro da queda da governanta e a condenação do nine):

"De toda forma, os recentes acontecimentos desde as manifestações de junho em 2013 no Brasil, passando pelas manifestações na Venezuela contra o presidente Nicolás Maduro e chegando atualmente nas greves e problemas econômicos da Argentina, mostram que o projeto de poder está trabalhando intensamente para influenciar esses três países a aproximarem-se mais do modelo mais liberal e capitalista da Aliança do Pacífico, que reúne México, Peru, Colômbia e Chile e assim sepultar a idéia de uma república ou bloco bolivariano majoritário na América do Sul." (Brasil o Lírio das Américas, página 270)

"A insatisfação da população com os desmandos, corrupção, desigualdade chegará a tal ponto que a população buscará uma nova forma de protestar, livre de partidarismos políticos." (A previsão dos panelaços, "Brasil: O Lírio das Américas" página 301)

"Não apenas utilizamos o material humano disponível, como também buscamos criar situações adequadas ao próprio caráter e motivações dos envolvidos, permitindo que eles mesmos, entre eles, tragam pelo próprio enfrentamento e guerra de egos, aquilo de errado ou ilícito que até então estava oculto, escondido" (Brasil: Ordem em Progresso, julho de 2016, página 137)

"O desejo coletivo por maior segurança, organização e combate a corrupção – complementou Jeremias – será algo cada vez mais intenso nos próximos anos José, principalmente no Brasil. Após quase uma década e meia, vivenciando um mesmo modo de Governo que se mostrou falido, as pessoas buscarão novas saídas, uma profunda ruptura com tudo que deu errado nesse período. Em suma, buscarão uma saída que seja oposta a tudo aquilo que foi praticado até aqui." (Brasil: Ordem em Progresso, página 144)

"A idéia dos grupos trevosos é conseguir com o passar dos próximos anos tentar fortalecer essa base mais radical e ao mesmo tempo fazer oposição feroz a qualquer forma de governo que não tenha o atual partido do governo como a liderança executiva. Essa pequena resistência é que será responsável, pelos idos da década de 20, como foi explicado em um dos livros que trabalhamos (Brasil o Lírio das Américas) de um processo de união pela democracia e contra corrupção política ainda mais efetivo, unindo a sociedade brasileira, prioritariamente o Exército, o Judiciário e o empresariado para sepultar de vez por todas qualquer ideário ligado a ditadura, partido único ou política de viés comunista em solo brasileiro.” (Brasil: Ordem em Progresso, página 148)

"É natural que cada vez mais a parcela descontente da sociedade – acrescentou Anik – com o modelo atual de governo canalize esperanças em um discurso mais radical e que expresse total oposição ao estado das coisas que o governo vermelho estabeleceu nos últimos 13 anos. Obviamente que em um cenário como esse, o nome do Bolsonaro se destacaria, mas a esquerda mais radical faria de tudo e fará qualquer coisa para impedir uma candidatura dele. Com um olhar resignado, o homem da túnica azul Royal completou: – Ele mesmo sabe que corre esse risco e exatamente por isso está preparando um plano B, um sucessor que possa concorrer caso ele muito provavelmente não possa e é exatamente esse sucessor, que sempre tem acompanhado pessoalmente cada entrevista que ele tem concedido o plano principal dos guardiões para esse processo de mudanças já profetizado anteriormente, permitindo que outras “peças” importantes possam surgir durante a década de 20, como “a mulher do judiciário” e o “homem do cavalo branco” (Brasil: Ordem em Progresso, página 150) Observação: maiores informações sobre esses dois personagens a partir da página 301 do livro "Brasil: O Lírio das Américas"

“Teremos o Brasil regido durante as eleições pela carta A Torre (que entra em setembro de 2018) enquanto que o mundo estará regido pela carta A Força. A nível mundial nós teremos um sentimento de coragem, bravura para encarar problemas espinhosos, vontade férrea para superar difíceis obstáculos (situações que estavam sendo “empurradas com a barriga” ou que não estavam totalmente resolvidas). Já no Brasil este sentimento será ainda mais potencializado, pois a carta A Torre (representada por um raio caindo e quebrando o alto do castelo) representa a libertação, a destruição completa daquilo que não serve mais, início de algo totalmente novo.” (Brasil: Ordem em Progresso, página 147)

O FUTURO PRÓXIMO - DE 2018 A 2022

"Seu povo escolherá se deseja liderar o processo de mudanças nas Américas ou se será levado. Novo até 2018, renovação completa entre 2022 e 2029."

A previsão acima feita em janeiro de 2014 e que vem se cumprindo desde então traz muito claramente uma afirmativa: o povo pode liderar o processo de mudanças de forma mais ativa ou ser levado pelo transcorrer dos fatos (uma postura mais ativa ou mais omissa de lutar pelas mudanças). Em ambas as opções, também descritas no livro "Brasil: O Lírio das Américas", também de 2014, como a pior (ser levado) e melhor (liderar o processo) hipóteses do processo de Revolução (com seu ápice em 2022), em ambas a presença do Exército de forma mais ostensiva dentro do governo ficou muito clara, como descrito no livro, na página 299:

"mantendo forte aparelhamento e gastos com a máquina governamental para conseguir apoio político no Legislativo e lutando ferozmente pelo poder político ao invés do bem do Estado, tenhamos o aumento da corrupção, o desgaste ainda maior do sistema político e severos problemas econômicos que impulsionarão uma terrível revolução semelhante a acontecida na época da Revolução Francesa, entre os anos de 2020 e 2022. Tal processo sangrento unirá setores da classe média, militares e membros do judiciário no combate de forma impiedosa a todo tipo de corrupção e controle do Legislativo e Executivo, através de uma presidência compartilhada entre três membros: um da esfera militar, um da esfera judiciária e um da esfera popular, criando um governo de coalizão popular, limitando o poder do Legislativo e aprovando reformas necessárias. Um cenário difícil que atrasaria em dez anos o processo de transformação política e social do país, pois seria necessário reconstruir novamente toda a democracia a partir do zero."

Na melhor das opções as forças militares que contam com apoio expressivo da população chegarão ao poder pela via democrática (leia-se voto) através de um candidato que representa as forças armadas. Na pior das opções, as forças militares também chegarão ao poder, só que através de um processo que, como mencionado no trecho final do livro, precisará reconstruir a democracia a partir do zero (o que hoje fica muito claro para mim como um processo ainda que indesejado, mas a última barreira para permitir a harmonia entre Judiciário e Legislativo).

Não por coincidência temos observado nas últimas semanas o posicionamento de diversos generais, tanto da ativa como da reserva, em apontar claramente que a harmonia dos poderes precisa ser respeitada, que a investigação dos casos e combate a corrupção deve ser efetiva e sem embaraços por qualquer um dos poderes (ou seja, que não deve existir manobras para o impedimento de investigações de políticos), que candidatos condenados não podem concorrer ao posto máximo do Executivo e que nenhuma manobra para evitar a candidatura de um candidato das forças armadas, da ativa ou reserva, será permitida. Não foi apenas o recado isolado, mas sim de vários generais, demonstrando claramente que as forças armadas estão prontas para intervir e restaurar a democracia, caso as rupturas já evidentes nas pilastras que sustentam a harmonia das instituições e sua capacidade de depuração tornem impossível a sustentação do edifício que está assentado o Estado de Direito.

Sendo ainda mais claro, qualquer manobra política ou jurídica que permita a candidatura de Lula em 2018 ou impeça a candidatura de Bolsonaro em 2018 ensejará uma intervenção ANTES do pleito de 2018. Da mesma maneira a insistência do Legislativo em impedir a investigação das vastas provas contra o presidente pelo Judiciário e ao mesmo tempo autoproteger os parlamentares investigados também pode ensejar uma intervenção dependendo, nesse caso, do apoio popular. Foi isso que foi dito nas entrelinhas e de forma não tão velada nas recentes manifestações de membros de alta patente das forças armadas. Por tudo isso eu digo tranquilamente que não há a menor possibilidade de um candidato de viés marxista ser eleito presidente em 2018. De uma forma ou de outra, sobretudo em 2022, mas já a partir de 2018, o processo de limpeza das instituições será intensificado, de forma mais positiva se a população se engajar mais, mas de qualquer maneira acontecerá e contará sim com a presença mais destacada do Exército, como alias já vem acontecendo nas questões de segurança nos estados.

Os guardiões superiores estão fazendo tudo que podem para acelerar o processo de limpeza do país e certamente poderiam fazer muito mais se o engajamento popular nas manifestações fosse maior. Como foi previsto lá em 2014, o governo vermelho cairia em breve e caiu, um gigantesco esgoto de corrupção e propinocracia foi limpo, mas ainda restava (e resta) um esgoto ainda que menor: o do atual sistema de corrupção dentro do Estado, controlado pelo partido do atual presidente. Como foi dito durante 2016 e no final de 2016, o trabalho estava e está sendo feito para retirar o atual presidente e todo o sistema partidário que ele controla, primeiro com a tentativa no TSE e depois com a primeira denúncia na Câmara. Repetimos: se houvesse maior engajamento popular na cobrança desses casos, certamente o presidente já teria caído bem como o sistema que ele controla. Obviamente que retirá-lo não vai "zerar" o esgoto, mas já traz um cenário de limpeza bem melhor.

O mesmo acontece agora com a segunda denúncia: novos acontecimentos escancaram as fraturas do Estado de Direito, novas provas e vídeos comprovam de forma indubitável as negociatas graças a manipulação que o nosso Departamento de Inteligência realiza, utilizando as motivações e sede de poder dos próprios envolvidos para entregarem seus superiores ou comparsas (como no recente caso da divulgação dos vídeos da delação que não havia sido liberada pelo STF, mas mesmo assim foi divulgada pelo presidente da Câmara, escancarando as provas contra o presidente da República) ou ainda manipulando antigas richas, como a de  jornalistas notoriamente esquerdistas que se utilizam da maior emissora do país para a cada dia massificar mais as denúncias contra o presidente da República. Sim, estamos manipulando todos eles, fazendo com que sirvam ao propósito maior de realizar a limpeza que o país precisa, ainda que pessoalmente sejam esses agentes movidos muito mais por questões pessoais menos nobres.

Ainda que tudo isso não seja suficiente para retirar o atual presidente continuaremos motivando o engajamento popular e já cientes que uma maior presença militar no Estado Democrático de Direito não vai tardar. Nós guardiões somos a força militar e policial das esferas celestes e servimos ao Grande Conselho e o nosso Governador Planetário e continuaremos o trabalho de limpeza para colocar em 2018 alguém que não esteja envolvido com corrupção, que não apóie a pauta marxista e esteja verdadeiramente preocupado em construir uma economia mais liberal, um Estado mais seguro e produtivo. Os partidos e políticos responderão pela corrupção que disseminaram, aqueles que ainda acham que podem triunfar através de um grande acordão estão redondamente enganados, pois as verdadeiras forças, militares e da justiça, deste e do outro lado, reconstruirão as vigas do Estado de Direito, eliminando os agentes daninhos que as corroíam

Jamais apoiaremos o marxismo, o gramscismo ou comunismo. A pauta desses e de todas as filosofias a esses interligadas é baseada na mentira e no ódio. No ódio, pois se aproveita de sentimentos de raiva mal resolvidos das pessoas em relação a outras, seja pela cor da pele, pela opção sexual, pela posição social, pelo local de nascimento. É a doutrina que busca identificar e manipular o sofrimento das pessoas: o nortista que se sente discriminado pelo sulista, o pobre em relação ao rico, o empregado em relação ao empregador, e assim manipulando e disseminando a mentira que somente o partido ou o "ideal social" da luta contra aquele que supostamente oprime é a saída, com a mentira de que o partido ou a ideologia (comunista, socialista, marxista, gramscista) teria a suposta virtude inquestionável de trazer justiça social para o mundo, supostamente transformado o ódio em justiça. Criaturas mentirosas que na verdade fomentam o ódio e a mentira sob a falsa máscara de justiça social, vocês nunca contarão com o apoio dos guardiões superiores, são cegos que não conseguem guiar nem a si próprios e menos ainda a outras pessoas. A queda de vocês, como tem sido do sistema vermelho desde 2014 é inevitável.

O JOGO QUE ESTÁ SENDO JOGADO

Como mencionamos anteriormente, nós utilizamos os interesses, por vezes escusos, daqueles que estão no poder, manipulando essas pessoas para que elas na sua ânsia por poder briguem entre si e entreguem as informações que precisam vir a luz para realizar a limpeza da República. Recentemente o PMDB e o DEM iniciaram uma briga por trazer para os seus partidos deputados descontentes do PSB e da ala mais jovem do PSDB (os cabeças pretas, mais liberais e menos centro-esquerda que a ala antiga), além do DEM buscar alguns parlamentares descontentes do PMDB. O objetivo do DEM é aproveitar o receio de muitos deputados com o enfraquecimento do PMDB diante da opinião pública ao mesmo tempo do descontentamento do "centrão" para criar um novo partido, maior e mais forte que o PMDB, capaz de lançar um candidato forte para 2018, uma alternativa mais ao centro e com uma suposta cara de "novo" para rivalizar com a direita (Bolsonaro) e a esquerda (pt, psol, pdt, pc do b e companhia). Como parte desse jogo o presidente da Câmara (que é do DEM) decidiu definitivamente romper com o vampirão, expondo os vídeos da delação de Funaro (doleiro do Cunha) com provas robustas contra a alta cúpula peemedebista, além de divulgar o numero privado do presidente (uma canelada desnecessária, mas apenas para não deixar dúvidas da sua mudança)

Para os guardiões essa briga entre os dois políticos por poder é ótima, pois tem por objetivo retirar o atual presidente da República e a cúpula peemedebista do poder, cúpula que esteve 13 anos no poder com o partido vermelho e infelizmente escolheu continuar com o esquema de propinocracia. Certamente o atual presidente da Câmara como presidente interino até eleições indiretas antes de 2018 para um mandato tampão não é um anjo de inocência na política, mas ao menos representa algo menos pior e que vai colaborar para diminuir um pouco o tamanho do esgoto de propinas, com a queda dos dois principais partidos do sistema de propinocracia criado pelo partido vermelho.

Dito tudo isso, os limites estão muito bem definidos: mesmo que o vampirão se agarre ao cargo como a múmia na cripta e fraturas ainda existam no Estado e suas instituições, a candidatura do nove dedos assim como o impedimento da candidatura de Bolsonaro não vai acontecer, os limites para isso foram colocados claramente pelos generais. E mesmo sem cair, o presidente estará como um "pato manco", com o seu partido perdendo poder para outro partido e assim, definitivamente, perdendo poder de ação para os próximos governos. Ainda que não seja o cenário ideal (e continuamos trabalhando pela queda dele), de uma forma de outra tanto o partido vermelho como o PMDB estão com os seus dias de poder contados.

AS ELEIÇÕES DE 2018

Maia e o DEM buscam fortalecimento, sobretudo com o chamado "centrão" e nesse jogo é fundamental conseguir a queda de Temer. Isso não apenas quebraria vários esquemas do PMDB como já deixaria o PMDB fraco para as eleições presidenciais, permitindo que o DEM surgisse como uma força de centro, menos fisiológica que o PMDB e mais aliada ao centro, até mesmo as idéias liberais na economia, o que seria um passo importante no processo de sepultamento definitivo do marxismo no país.

Tanto PMDB e DEM estão lutando tanto nos bastidores pela hegemonia na Câmara, pois há um cenário que teoricamente seria muito favorável para qualquer um deles que consiga conquistar o domínio do centrão: o PSDB está fraco e rachado com um candidato (Alckmin) que não supera a barreira dos 15%. Considerando uma candidatura de esquerda que herdará parte dos votos de Lula (seja Marina, Ciro Gomes) também na mesma faixa de votos (15%) e com a certeza de que Bolsonaro vai para o segundo turno (com margem de 20% dos votos), o PMDB e o DEM sabem que qualquer um deles que for para o segundo turno tem grande chance de derrotar Bolsonaro, por herdar o voto petista-pró-lua-anti-lava-jato que não aceita Bolsonaro. A estratégia do DEM é trazer alguém novo na política, com apoio "global" e de parte do empresariado, além de ter algum apelo popular, algo semelhante ao ocorrido em 1989 quando Silvio Santos foi candidato, dessa vez o candidato midiático seria Luciano Huck. Seria o nome que o DEM e boa parte da esquerda votaria em peso para evitar a eleição de Bolsonaro.

O PMDB por sua vez apostaria no atual discurso de recuperação econômica, tentando uma chapa voltada para a gestão econômica e administrativa com Dória e Meirelles, varrendo as denúncias de corrupção pra debaixo do tapete. Boa parte do mercado financeiro do establishment, que enriqueceu com Meirelles a custa de alta de impostos e ausência de medidas financeiras reais (pois não diminui spread, os juros a taxas reais e não aumentou crédito barato a pequenos empresários) nos governos vermelhos. Toda a ala esquerdista e mega empresários que enriqueceram nesse período apoiariam essa candidatura em um segundo turno para evitar a eleição de Bolsonaro.

Mas como então será possível falar em eleição de Bolsonaro em um cenário claramente desfavorável para um segundo turno, mesmo sem a presença de Lula na corrida presidencial? Se o próprio Bolsonaro já sinalizou o interesse de encher o governo e ministérios com técnicos e pessoas vindas das forças armadas, além de recentemente flertar com os ensinamentos econômicos da escola liberal austríaca (em boa parte pela ajuda do seu filho Eduardo que está se formando no tema), além de ser um candidato ficha limpa sem ligação com esquemas de corrupção, temos senão o melhor nome, aquele que está mais adequado a todo o cenário de mudanças previsto desde 2014.

Então o que falta para que todo o processo de aliança do Exército e do Judiciário (leia-se Lava Jato) se concretize, permitindo um governo totalmente novo a partir de 2018 com profundas mudanças? A resposta está na mulher do Judiciário, a mulher vinda da Lava Jato, aquela que vai compor a chapa presidencial de 2018 e definitivamente permitirá o triunfo do planejamento dos guardiões superiores e o cumprimento da profecia

Até lá que a população possa se engajar pela refundação da República, entre 15 de novembro de 2017 e 15 de novembro de 2018. As forças celestes, militares e da justiça, nos dois lados da vida trabalham para que isso aconteça e precisamos do apoio de cada um de vocês

É o que eu e os amigos guardiões sinceramente desejamos e trabalhamos para o futuro do Brasil


A espada de Miguel e o cronograma da Transição Planetária:

19 comentários:

Magnus disse...

Será q seria a Janaina Paschoal ?! Ela já derrubou Dilma . Não sei se a Carmen Lúcia , apesar de ser do mais alto cargo ocupado por uma mulher e ser do judiciário, está com cara de vice...

Sergio Gallo disse...

Estávamos precisando destas palavras.

Edson Siqueira disse...

Excelente notícia �� a dúvida é quem a mulher do Judiciário dá mais uma pista aí Zé ��

Jezziel Collin disse...

É realmente aliviadora essa mensagem. Podemos ter uma visão mais tactil sobre o futuro imediato do Brasil. Tenho em mente que o próximo presidente será Bolsonaro, e se for para o bem de todos, principalmente daqueles que estão lutando tanto para acabar com os crimes e as injustiças, que assim seja. Que Deus abençôe os guardiões em suas nobilitantes tarefas. Que Deus abençôe as forças populares, militares, policiais e jurídicas que estão trabalhando aqui no nosso plano material. Obrigado José Maria Alencastro, parabéns pelo teu gde esforço e trabalho.

Jezziel Collin disse...

É realmente aliviadora essa mensagem. Podemos ter uma visão mais tactil sobre o futuro imediato do Brasil. Tenho em mente que o próximo presidente será Bolsonaro, e se for para o bem de todos, principalmente daqueles que estão lutando tanto para acabar com os crimes e as injustiças, que assim seja. Que Deus abençôe os guardiões em suas nobilitantes tarefas. Que Deus abençôe as forças populares, militares, policiais e jurídicas que estão trabalhando aqui no nosso plano material. Obrigado José Maria Alencastro, parabéns pelo teu gde esforço e trabalho

ed disse...

Esclarecedor como sempre! Obrigado, José!

joão arthur abreu disse...

olá josé o possível titulo do brasil na copa pode ter efeito na população para as eleições de 2018?desde já grato.

Vinicius de Moraes disse...

Seria a mulher do Judiciário a Dra Erika Marena?

NA.Net disse...

Será que a dita mulher é Érika Mialik Marena ?

jânio ferreira dias jânio disse...

Quem será esta mulher? ?
Janaina Paschoal não pode ser porque não vem da Lava Jato.
Quem será? ??

jânio ferreira dias jânio disse...

Quem será esta mulher? ?
Janaina Paschoal não pode ser porque não vem da Lava Jato.
Quem será? ??

Tuvok disse...

Janaína Pascoal,que mais teria força suficiente para encarar todo o sistema?

Mara disse...

Não me inclinaria por Jair Bolsonaro em 'tempos normais', mas nesse contexto todo que estamos vivendo, e aqui tão bem delineado e exposto,votaria nele sim e o nome de "mulher vinda da Lava Jato" que primeiro me ocorre é, sem dúvida, o da professora e advogada Janaína Paschoal. Bolsonaro me parece emocional demais, enquanto Janaína me inspira confiança no seu bom senso. Se Bolsonaro a quiser e a tiver como uma efetiva parceira e não um 'poste'ou um enfeite, ele vencerá as eleições.
Agradeço demais ao autor do texto e aos guardiões em quem confio e por quem tenho rezado continuamente. Trouxeram-me um sopro de esperança! Gratidão!!!

Reinaldo disse...

Que o Sr. Supremo dos Exércitos ajude o BRASIL dw preferência com uma intervenção militar aguda para reconstruir a democracia do zero e transformar o Brasil ns potência mundial que os demônios do poder mundial nao querem que ele se transforme!!!!

Rafael Frigori disse...

"Mulher do judiciário": Rosângela Wolff Moro

Mauro Graca disse...

Gabriela Hardt óbvio!

Neide Fraga disse...

Obrigada José Maria pelas suas palavras eu estava ansiosa
para receber noticias depois de tudo que presenciamos des
de ontem.Peço saúde e que eu tenha mais anos pela frente
pra eu ver as mudanças que vão ocorrer.Muita luz e paz.

Juanito Suarez disse...

Bom, aguardemos cenas dos próximos capítulos. Porém tenho a impressão que a tal mulher do judiciário pode ser a Jerusa Burmann Viecili. A figura dela transmite algo muito positivo, diferente.

tatiana cruz disse...

Raquel Dodge ?