16 de mai de 2018

Vamos ter uma Idéia mais Clara sobre os Efeitos da Queda do Asteróide Apophis


Dando prosseguimento ao post sobre a experiência projetiva que rendeu bastante comentário trago agora mais algumas informações sobre como será o evento do asteróide Apophis. O texto anterior e os comentários estão aqui:


As dorsais oceânicas são as linhas que compõe o sistema global que divide os grandes blocos de placas tectônicas 

Como estudo principal nós temos as placas norte americana e sul americana fazendo divisa com a placa africana. Essa principal divisa que corta as profundezas do oceano Atlântico é a chamada dorsal meso-atlântica que possui profundidade média entre 3 km e 3,5 km (o que significa que o choque do asteróide Apophis, previsto pelo físico Neil Tyson com poder de adentrar 5 km no ponto de choque, atingirá exatamente as placas tectônicas 



Fossa Romanche - Na imagem é esse corte horizontal na altura do equador, possui profundidade de 7,7 km




Fossa de Milwaukee (região de porto rico no Caribe) - 8,4 km profundidade




Fossa das ilhas Sandwich Sul - 8,5 km profundidade




Essas três regiões responderão pela liberação de energia que será liberada pelo evento do Apophis, ou seja, nessas 3 fossas além do ponto de impacto na região açores/canárias teremos origem de tsunamis pois as fossas extravasaram energia do choque por todo o sistema da dorsal do meso atlântico, além do extravasamento nas áreas de subducção no resto do planeta e nas região com vulcões ativos (Itália, Havaí, norte da África) alem das grandes falhas geológicas, como san andreas e a falha no grande chifre africano 

Ocorre que o ponto mais superficial da dorsal é exatamente na região que se ergue as ilhas dos açores e das canárias, ali a profundidade é pouco maior do que 2 km e o impacto de milhares de bombas atômicas em uma profundidade tão grande (perto de 5km , com a força do Apophis) já adentrando nas placas causará um efeito muito mais intenso

Para entender o efeito do impacto do Apophis precisamos de um parâmetro e de uma simulação a partir desse parâmetro, que será a maior bomba atômica já produzida pelo homem, a tsar bomba.

Tsar bomb - poder de 50 megatons (milhões de toneladas de dinamite) ou 4 mil vezes a bomba atômica de Hiroshima , foi a bomba mais potente a ser usada até hoje em testes, criada pelos russos ela teria originalmente o poder de 100 megatons

O impacto do Apophis com a Terra levando em conta seu tamanho e peso seria de mais ou menos 30 mil bombas de hiroshima, ou seja, quase 8 tsar bombas sendo detonadas ao mesmo tempo a uma profundidade de 5km diretamente no encontro das placas do Atlântico. Para termos um efeito comparado vejamos o que aconteceria se uma bomba tsar fosse detonada na região de placas nas fossas marianas (mais profundas, porém equivalentes ao impacto nas placas). Vejamos o efeito:



Teríamos, portanto uma grande onda sendo produzida no ponto de impacto com efeitos semelhantes ao do vídeo, só que na região do Atlântico. Teríamos ainda uma outra onda, produzida pelo desmoronamento do Cumbre Vieja, com efeitos mostrados aqui:




Além dessas duas mega tsunamis teríamos ondas produzidas pela energia extravasada através das 3 fossas existentes na dorsal medio atlantica: uma na região das ilhas Sandwich, uma na região de porto rico e outra  na região da fossa Romanche, sendo que a onda produzida pela energia liberada pela fossa das ilhas Sandwich atingiria a costa argentina e sul do Brasil somadas ao resquício das duas mega tsunamis produzidas no Atlântico mas que serão amortecidas em boa parte pela costa norte e nordeste do Brasil.  Já a onda produzida pela fossa Romanche afetaria o nordeste e o sudeste do Brasil, afetando em menores proporções o sul      

Isso apenas para citarmos o efeito nas zonas costeiras banhadas pelo Atlântico. As zonas de subducção, sobretudo na região do anel de fogo no Pacífico, juntamente com as cadeias vulcânicas ativas (em especial do Havaí e Itália) também terão energia desencadeada pelo evento, fazendo com que os efeitos das duas ondas que adentrarão o mediterrâneo, na direção do Egito e Israel tenham seu efeito potencializado, já que ali trata-se de um "corredor" que vai afunilar a onda na direção dos dois países a pouco citados. Grandes falhas geológicas como San Andreas, costa do Japão e Yellowstone também serão ativadas. É esse conjunto de eventos que será desencadeado com a queda do Apophis que representa os eventos do chamado Dia do Juízo Final. 


Considerações adicionais

Regiões longe 200 km do litoral norte e nordeste, 100 km no sudeste e pelo menos uns 50 km no sul eu acredito que são boas margens de segurança para não sofrer o impacto do tsunami (regiões mais altas ou montanhosas dentro desse perímetro devem ficar ilhadas).

A partir dessa distância segurança é importante verificar presença de grandes rios, pois a inundação vai tornar as áreas próximas aos rios inseguros (como presidente prudente e são José do rio preto em SP). Passando por esses dois perigos maiores há que se considerar acesso a água potável e alimentos de forma próxima, o que coloca no meu entender as regiões do aqüífero guarani e da zona rural do Mato Grosso e MT do Sul como as melhores, seguidas por Goiás e a parte mais interior de MG e SP, além do sul do Pará e boa parte da região Sul (seguidos os critérios acima).

Essas regiões também não sofrerão maiores conseqüências de grandes erupções vulcânicas no hemisfério norte devido ao movimento das correntes de ar (ler mais sobre isso no segundo texto do xadrez mundial). Estamos em uma posição privilegiada, os demais países do Globo todos sofrerão nas zonas costeiras, em especial Europa, Mediterrâneo, EUA, chifre da África. Rússia e China sofrerão mais pelos efeitos vulcânicos das erupções de Yellowstone e da cadeia vulcânica na Itália (efeito que Chile, Paraguai, Bolívia e metade do território argentino sentirá em menor escala pelas erupções no Chile).

O tsunami produzido pelo big one em San Andreas e pelo big one do Japão atingirão brutalmente a costa leste chinesa e chilena (assim como a região costeira do pacifico na America do sul e central). A maioria dos territórios da região de Cocos e do Caribe vai afundar completamente, assim como a região costeira sudeste e nordeste da Austrália.

O tsunami que invadirá o Mediterrâneo (somado pela energia do Cumbre e da queda do Apophis) além dos detritos vulcânicos que cairão no mar na região da Itália e produzirão uma imensa onda (já narrada no livro A Bíblia no 3º Milênio) que chegará até a Turquia, varrendo Israel e o Egito bem como todos os países banhados pelo golfo de Aden, que ainda terão um problema extra: a erupção vulcânica e rompimento tectônico no chifre da África, gerando um imenso tsunami que atingirá a costa oeste da Índia e afundando por completo Indonésia, Filipinas e Malásia bem como uma porção do noroeste da Austrália. Esses fenômenos é que causarão o desencarne de metade da população mundial de forma direta e dias depois de forma indireta. 

Não teremos uma nova era do gelo ou meses de inverno vulcânico, tais efeitos serão minimizados em duração.

Uma dica do amigo Fernando Cesar (colocada nos comentários do post no facebook)

Como saber a altitude de uma cidade -- Amigos, lembrando que nosso espírito é indestrutível e que não devemos nos desesperar, achei um recurso bastante interessante:um site que permite pesquisar a altitude de qualquer lugar por CEP ou por nome. Por tudo que temos lido e o Zé tem estudado, os locais que supostamente serão afetados, no Brasil são: a faixa de 200km do mar para dentro da terra no litoral Norte e Nordeste, a faixa de 100km no litoral Sudeste e a faixa de 50km no litoral Sul. Além disso, supostamente devem ser atingidos locais a menos de 800m de altitude (o site a seguir ajuda nisso).

Quanto a altitude, penso que ela é mais importante quanto mais perto o local for do mar. Cuiabá tem altitude de apenas 200m, mas creio que estará protegida pela distância do litoral. Quanto a proximidade de rios, creio que isso seja um fator de risco caso o rio deságüe ao mar, não José Maria Alencastro? (Amazonas e Jacuí, por exemplo). Bom, em resumo e pelo menos para o Brasil (no hemisfério norte, o conjunto de "regras" seria bem diferente), vamos lembrar:

1) mesmo tendo o corpo soterrado, asfixiado ou submergido, ninguém "morre", apesar de que, sim, o processo será tanto mais desagradável quanto mais formos apegados ao corpo; 2) Podemos decidir evitar as faixas litorâneas nas larguras mencionadas acima; 3) Podemos decidir evitar regiões próximas a rios significativos que desemboquem no mar; 4) Podemos decidir evitar cidades com menos de 800m de altitude e que estejam próximas ao mar. Dito tudo isso, segue o link do mapa para todos poderem tomar suas próprias decisões. Procurem no campo de busca na parte superior o nome da sua cidade ou mesmo o seu CEP. Depois, cliquem dentro do mapa para ver a altitude de um local específico. Funciona muito bem!: 

http://pt-br.topographic-map.com/places/types/1/ 


Como medir a distância de uma cidade ao mar, complementando o post anterior sobre altitude -- 1) Abrir o "Google Maps"; 2) Buscar a cidade digitando no campo de busca do site ou clicando e arrastando o mapa com o mouse; 3) Dar "zoom out" até visualizar a cidade e o mar, usando a roda do mouse ou o botão "-" no campo inferior direito da tela; 4) clicar com o botão Direito do mouse sobre o nome da cidade e escolher "Medir distância"; 5) Clicar com o botão Esquerdo no litoral, no ponto mais próximo entre a cidade pesquisada e o mar. Depois de desenhada a linha de distância, você pode mover as extremidades. Para limpar o mapa, clique com o botão da direita em qualquer lugar e escolha "Limpar dimensões". É mais fácil do que parece 

As quatro obras que escrevi até o momento tratam dos efeitos desses eventos e detalham como tudo vai acontecer (clique no banner abaixo para conhecer):



2 comentários:

Chris Luz disse...

Serenidade.. �� paz e quietude à todos os seres viventes.. aqui e além..✨
Gratidão querido.. ����✨
e à tudo e todos que partilharam comigo essa odisséia de tantas vidas em Gaia..tão linda....��✨��✨
Paz e Luz.. ✨

METAPROJETOS Empreendimentos Eeducacionais disse...

PARABÉNS pelos esclarecimentos! Também pesquiso este tema há muito tempo e somente agora vc conseguiu apresentar uma das últimas peças do grande e complexo quebra-cabeças que temos de montar para compreender (com maior profundidade e abrangência) o que acontecerá não somente no Dia do Juízo em si, como também ANTES e DEPOIS do mesmo. Poderia, adicionalmente, responder ao que segue (talvez esteja num dos seus livros, já li 3 deles menos o primeiro, mas realmente não lembro se as respostas estão lá e - ademais - suas respostas dadas aqui poderão, uma vez mais, ajudar quem lhe acompanha o trabalho mais de perto, como eu e outros(as)): O que seriam os 3 dias de escuridão? Segundo sua cronologia de eventos, eles devem ocorrer APÓS 24/04/2036, não é isso (se for possível informar uma data aproximadamente mais exata...)? Seriam um processo de higienização final da Terra (com ação nas esferas física e do astral inferior, inclusive nos abismos umbralinos)? Caso sobrevivamos fisicamente à queda de Apophis, como fazer para sobreviver também a mais este evento? Seria o caso de buscar cavernas temporariamente habitáveis ou construir abrigos subterrâneos? Desde já agradeço sua atenção...!