16 de out de 2011

O Corpo Astral - Processos de Energização e Ovoidização

Luz azul e violeta em arte digital

O corpo astral, juntamente com o corpo mental inferior, forma aquilo que Kardec denominou na codificação de perispírito e esse conjunto é definido na Bíblia como corpo espiritual. 

O corpo astral e o corpo mental inferior estão unidos pela base da nuca por um fio dourado. Enquanto o corpo astral é responsável por servir de veículo de manifestação das emoções, o corpo mental inferior serve de veículo manifestador do intelecto. Vale ressaltar que as emoções não nascem no corpo astral, da mesma forma que o intelecto não nasce no corpo mental inferior, é apenas veículo de manifestação da energia, seja emocional ou intelectual que emana do espírito. Da mesma forma o pensamento não nasce no cérebro, o cérebro é um mero receptor daquilo que recebe do corpo espiritual, que por sua vez o recebeu do espírito, a verdadeira fonte do pensamento e da emoção.

O corpo astral é conhecido como corpo das emoções, dos desejos, justamente por possuir essa função, de servir como um veículo de manifestação desse tipo de vibração e energia que nasce da atividade incessante da individualidade inteligente (instinto + intelecto + sentimento), individualidade essa que é o espírito (formado pela fusão da alma + Espírito Santo).  A alma é a mente, possuidora do livre arbítrio, evolui ao longo das reencarnações e da eternidade através da lei do karma positivo e negativo, colhendo o fruto de suas ações e aprendendo a despertar a essência de amor existente dentro dela, essência essa perfeita, divina, dom dado gratuitamente por Deus e que está presente no Espírito Santo, elo fundamental entre a alma e Deus, Espírito Santo que forma a parte perfeita do espírito, tornando o espírito a imagem e semelhança de Deus e inspirando constantemente a alma, para que ela vibre em ressonância plena com essa essência e acelere cada vez mais sua evolução. 

O corpo astral é como uma matriz energética, formada por várias camadas sobrepostas, de matéria astral e fluido universal. Essas camadas se sobrepõe como uma malha, tal qual uma rede de pescar, por onde fluem as energias e vibrações do espírito e por onde descem as toxinas mentais produzidas pelo espírito, na forma de doenças que irão danificar a estrutura desse corpo astral, que serve como molde para o corpo físico. A grande maioria das doenças surgem em virtude de grande stress, culpa, exageros no consumo de determinadas substâncias e determinadas atividades e todas elas se manifestam de alguma forma através do corpo astral pelos chacras. 

Gif dos 7 chacras iluminando a aura energetica, kundalini animação

Os desregramentos sexuais, por exemplo, incidem grande desequilíbrio através do chacra básico, concentrando uma carga de toxinas nessa região do corpo astral. Já os problemas relativos a culpas e dificuldade no autoperdão atingem normalmente o chacra laríngeo, proporcionando comportamentos excessivamente introvertidos, dificuldades de convívio com outras pessoas e em alguns casos uma melancolia e tristeza que pode chegar ao início de uma depressão. Raivas e ódios, orgulho excessivo, despotismo e tirania normalmente atingem o chacra cardíaco. Excessos alimentares e de uso de drogas como álcool em excesso e outras atingem diretamente o chacra esplênico. Excesso de materialismo, egoísmo e sentimentos antifraternos normalmente estão ligados a energias que atingem diretamente o chacra umbilical (a expressão “só olhar para o próprio umbigo”reflete bem isso). Os desequilíbrios emocionais mais severos atingem o chacra frontal e o coroa, ambos na cabeça, ligados a estrutura do cérebro físico e astral que existem no corpo físico e no corpo astral. Justamente por existir a ligação entre o corpo astral e o mental inferior através de um fio dourado conectado na base da nuca, no cérebro astral, o mau uso do intelecto também descarregará nas estrutura desses dois chacras (frontal e coroa) intensa carga de energia negativa, causando grandes problemas nessa região do corpo astral, tornando-se a raiz da maioria dos problemas psicológicos de natureza espiritual que surgem aos milhares em todos os centros espíritas e espiritualistas em busca de atendimento. 

É interessante relembrar que nos processos de deterioração ou diluição molecular das células astrais que compõe o corpo astral e o corpo mental inferior, o primeiro corpo que se dilui totalmente no processo de ovoidização é exatamente o corpo astral. Chega num ponto que as toxinas e feridas no corpo astral tornam-se tão grandes que a energia vital advinda dos chacras e do espírito não consegue mais circular pelas camadas que formam a matriz astral, causando sua diluição por completo, sobrando apenas o corpo mental inferior sofrendo o processo de ovoidização.

O corpo mental inferior em desequilíbrio, ou seja, quando apenas canaliza seu intelecto para práticas antifraternas (caso dos magos da escuridão e dragões) ou quando se torna refém do instinto e sentimentos inferiores (espíritos que desencarnaram e cultivam esse tipo de comportamento, mas não tem o conhecimento iniciático para manter o mínimo de equilíbrio no corpo mental inferior), nesses dois casos ele deixa de possuir seu aspecto ovalado, com brilho, luminosidade e cores, que se expandem num raio de atuação da sua esfera oval entorno de 3 a 4 metros e se torna um ovóide, com pouco mais de 1 metro, enegrecido, de textura gelatinosa, girando alucinadamente no próprio eixo em virtude do desequilíbrio dos seus chacras (centros de força). Na trilogia “Reino das Sombras” do médium Róbson Pinheiro existe o relato de outra espécie de ovóide, não com o aspecto ovalado tradicional do corpo mental inferior, mas como se fosse uma serpente ou cobra, também com tamanho entorno de 1 metro, de aspecto enegrecido e gelatinoso que o médium denomina vibriões. Esse tipo específico e raro de ovóide, o vibrião, é o resultado do processo de deterioração completa do corpo astral de magos da escuridão, chamados pelo médium de magos negros, além de seus asseclas e subordinados que tenham acesso a uma técnica especial que comentarei a seguir. 


Legião, Senhores da Escuridão, A Marca da Besta, box especial Robson

Os magos negros, que são espíritos com grande conhecimento iniciático de como funciona a ciência no plano astral, mas com pouco conhecimento na prática do amor e doação ao próximo, sabem que esse tipo de comportamento causa a gradativa diluição do seu corpo astral e caso esta não seja contida, pode ocasionar um processo severo de ovoidização. Isso no futuro causará a perda da consciência, visto que o corpo mental inferior está intimamente ligado ao cérebro astral no corpo astral e caso esse se dilua, a ligação do cordão dourado entre os dois corpos se perde, e o corpo mental inferior entra em processo de total desequilíbrio, perdendo sua capacidade de servir de veículo ao espírito, tornando-se uma prisão para o espírito que passa a viver entre a inconsciência e a própria ação desequilibrada na própria mente. Nesse caso ele entra numa espécie de inferno interior, algo como no filme “A Origem” onde o espírito passa a viver dentro da própria mente e das próprias projeções, medos e sombras criadas ao longo dos milênios.

Link com o trailer do filme: http://www.youtube.com/embed/B03UVHTn5Q0?

Esse processo chega no limite, quando o ovóide (corpo mental inferior) simplesmente pára de girar e se torna um ovo "sólido", de matéria astral, com as camadas energéticas totalmente petrificadas. Mesmo esse limite, que pode atingir dragões, pode ser revertido pela Alta Espiritualidade, pois não existe morte e nem involução para os espíritos criados por Deus, tudo que o espírito aprendeu e vivenciou não se perde, assim como o espírito não morre e nem se desfaz, todo o espírito foi criado com a essência divina e um dia despertará dentro de si essa essência de amor.

Então como os magos negros conseguem prolongar esse processo de diluição do corpo astral? Primeiramente buscam fortalecer a atividade intelectual e apagar ao máximo a atividade sentimental, ensinamento que aprenderam em boa parte com os dragões. Magos da escuridão e seus asseclas ou subordinados que tem um pouco menos de conhecimento ( a quem chamo de ‘maguinhos das trevas”) criam uma espécie de coluna artificial, formada por matéria astral e ectoplasma, uma espécie de reservatório de energia que permita a manifestação do corpo mental inferior por um corpo astral menor. O corpo astral como sabemos, é o que os médiuns  videntes enxergam, normalmente tem uma aparência bem humana. Então o que os magos negros fazem? Eles simplesmente desativam boa parte da ligação em rede da malha existente no corpo astral e potencializam os sentimentos inferiores por essa coluna artificial , evitando assim que os danos no corpo astral ocorram numa velocidade normal, prolongam assim o tempo do processo de diluição total do próprio corpo astral. Dessa forma a energia e vibração mais densa flui por essa coluna, sendo retirada com a reposição de novas cotas de ectoplasma e retirada do ectoplasma já carregado de grande vibração negativa, diminuindo essa radiação de energia negativa para o resto do corpo astral e facilitando o processo magístico que possibilita a transformação ideoplástica do corpo astral até mesmo por várias horas, fazendo com que esses espíritos possam aparecer em formas humanas belas, que disfarçam a real natureza do seu corpo astral cheio de feridas. 

Como os chacras ficam exatamente no centro do corpo astral ( e na sua contrapartida física no corpo físico), sobrepostos a coluna vertebral, os magos buscam fortalecer de forma artificial essa estrutura do corpo astral, tentando preservar ao máximo os chacras e essa estrutura central, pois com ela mantida, mesmo com todo o resto do corpo astral quase todo destruído, será ainda possível manter total lucidez e atividade mental.

Corpo astral em decomposição, dragoes e magos negros

A grande diferença entre magos negros e dragões está justamente na capacidade de postergar esse processo de diluição, enquanto os magos negros necessitam reencarnar de tempos em tempos para evitar a diluição do corpo astral e consequentemente a ovoidização do seu corpo mental inferior, os dragões não apenas conseguem passar pela diluição do corpo astral e ovoidização do seu corpo mental inferior criando corpos artificiais para manifestação, algo muito além na ciência das trevas do que uma simples coluna de matéria astral e ectoplasma que os magos negros conseguem criar. Inclusive, podemos ainda fazer uma análise com a metáfora dos dragões (nome dado a espíritos muitos antigos que foram exilados pra Terra centenas de milhares de anos antes do exílio de Capela, quando vieram os magos negros), pois os dragões formam a categoria de espíritos que possuem pleno domínio dos elementos (o dragão mergulha, voa, cospe fogo e anda pela terra): os dragões deixam no “ninho” (leia-se Sol Negro) os “ovos” ( seus corpos mentais inferiores já ovalados e petrificados) para que seus espíritos  possam ter energia suficiente para ficar fora desses ovos (que não servem mais como corpos para seus espíritos) e utilizar corpos artificiais, feitos com uma combinação de matéria astral e intensa radiação vinda do Sol Negro.

Dito isso, podemos finalmente compreender o processo pelo qual se formam “ovóides” (vibriões) com o aspecto de uma cobra, com mais ou menos um metro de tamanho, de aspecto gelatinoso e enegrecido, relatados na trilogia O Reino das Sombras do médium Robson Pinheiro (Legião, Senhores da Escuridão, A Marca da Besta). Esse tipo de ovóide é típico de magos negros e asseclas ou subordinados que desenvolveram mecanismo semelhante na criação da “coluna artificial”, são menos comuns do que o tradicional ovóide no formado ovalado. Quando o mago da escuridão ou algum assecla ou subordinado seu que usa essa técnica acaba prolongando além da conta o tempo de uso desse mecanismo artificial e não percebe que a diluição do seu corpo astral chegou ao limite, ou então caso ele não consiga ectoplasma suficiente pra repor a energia suja presente na sua coluna artificial a trocando por um ectoplasma mais novo, nesses casos ele se torna uma ovóide no formato de um cobra , como descrito no livro do Róbson. O corpo astral se dilui, mas como a mente do espírito ali preso ao corpo mental inferior (ovóide) degenerado plasmou com tanta força aquela forma da coluna artificial, sendo um pensamento recorrente e automático ligado ao instinto e não mais ao intelecto (um tipo de autohipnose usada por iniciados com conhecimento de causa), ao degenerar, o corpo mental inferior assume aquele forma, com o tamanho aproximado de uma coluna humana, um ovóide em forma de cobra, em suma, um vibrião.

Dragao no Egito, dragão em templo egipcio, estatuas egipcias

Especificamente esse processo pode ser observado no livro “Senhores da Escuridão” na trilogia Reino das Sombras. Nas páginas 180 a 183 é relatada de forma mais minuciosa a natureza do vibrião, das páginas 190 a 192 os viveiros ou campos no umbral onde são cultivados e amadurecidos esses vibriões enquanto que entre as páginas 194 a 196 é explicado um pouco desse processo de roubo de ectoplasma. Em suma, os vibriões são implantados em alguns encarnados que tenham sintonia sobretudo com pensamentos e ações de total desregramento sexual segundo relata o livro e podem fornecer uma carga de ectoplasma mais energética aos magos da escuridão, que podem escolher vítimas com uma quantidade maior de ectoplasma no duplo etérico que será vampirizado pelo vibrião. Nos viveiros ou campos de concentração do astral inferior é onde são cultivados esses vibriões segundo relata o livro e que servem a esse propósito comercial das falanges umbralinas em comercializar um ectoplasma de melhor qualidade, de pessoas selecionadas para sofrerem as ações dos vibriões. Esses vibriões são exatamente magos das trevas, asseclas destes e subordinados que acabaram perdendo a forma perispiritual que acabam por se tornar meros objetos nas mãos de magos negros e cientistas do astral inferior. 

Mais sobre Dragões e Magos Negros: AQUI

Mais sobre o Sol Negro: AQUI 

Mais sobre os chacras: AQUI     

12 comentários:

Alê disse...

Minhas energias tem andado 'pálidas'
=(


Bjka

Perceptível Oculto disse...

E quanto ao processo inverso, o de desovoidizaçao. Quais os mecanismos usados pra reestruturaçao dos corpos? O espirito precisa mesmo estagiar novamente nos reinos anteriores(mineral, vegetal e animal)?
Nao significando que seja uma retrogradaçao consciencial, apenas morfologica.

Poderia explicar como funciona o processo de reestabelecimento das estruturas dos corpos?

José Alencastro disse...

Esse processo é analisado com propriedade no livro do Andre Luiz "No Mundo Maior" e no livro "Senhores da Escuridão", inclusive Andre Luiz através do medium Chico Xavier causou muito polemica ao relatar a gravidez no mundo espiritual. Basicamente existem diversos estagios até que o perispirito atinja a triste forma de um ovoide ou de um vibrião, no entanto a maioria deles chega a esse ponto devido a intensas perturbaçoes psicologicas, de autopunição, processos severos de hipnose e até mesmo de autohipnose (como relatado nesse texto sobre os magos negros). Primeiramente o que é feito é uma açao mental por parte de equipes medicas especializadas no astral para reativar gradativamente a malha energética que envolve o que sobrou do perispirito em forma de ovoide, em conjunto com passes magnetizadores que tranquilizem o espírito e modernas técnicas de reconstruçao do corpo astral, envolvendo o que hoje no mundo atual é conhecido como manipulaçao de celulas troco, ja era conhecido da espiritualidade desde pelo menos 1990 em alguns trabalhos que pude observar com o Dr Fritz que nomeava tal estrutura de "celulas primordiais". Apos essa etapa, o espirito é encaminhado para uma "mae espiritual", ou seja, um espirito com perispirito na forma feminina, que irá gerar em seu utero astral por meio de inseminaçao um novo corpo astral mais elaborado para aquele espirito, que fica dentro do seu utero como se fosse um feto. Apos essas etapas todas, o espirito é entao encaminhado para uma nova encarnaçao, normalmente na Terra ou em outro mundo expiatorio, muitas vezes pior do que a Terra e atualmente, na maioria das vezes, ja no futuro mundo exilio, onde recomeçará sua jornada espiritual em corpos humanos semelhantes ou um pouco mais primitivos do que os atuais. A encarnaçao de espiritos humanos em reinos como o animal, vegetal ou mineral não ocorre, pois estes apresentam uma diferença de milhoes de anos ou ate mesmo bilhoes de anos (no caso do mineral) em relaçao ao reino humano, sendo que os processos de ovoidizaçao não chegam nem a um milhao de anos (nos casos mais graves dos espiritos conhecidos como dragoes). Alem disso, nao existe a morte do espirito, que é imortal, sendo assim sua bagagem de conhecimento permanece latente, assim como a estrutura primordial do seu perispirito, que mesmo na forma ovoide é muito superior ao perispirito de um gato ou de um cachorro. É mais ou menos por ai, Abraço

Luciene Medeiros disse...

Olá José!
Vim retribuir a sua visita em meu blog. Obrigada pelo convite,estou te seguindo e cadastrei meu email para receber as atualizações.
Bjs!

José Alencastro disse...

Seja bem vinda Luciene!!

Ana disse...

Estou adorando as tuas postagens, muito esclarecedoras por sinal.

José Alencastro disse...

Que bom Ana, é sempre muito gratificante o retorno positivo, pois a ideia dos textos é justamente essa: ajudar de alguma forma na reflexão e no esclarecimento desses assuntos da espiritualidade.

José Luiz Pereira disse...

José, que Jesus lhe proteja e de forças nesta tarefa importante!
A respeito desses corpos de manifestação do espírito (físico, astral e mental inferior), gostaria de saber sua opinião sobre o contido no livro “A Energia dos Raios em Nossa Vida” de Trigueirinho.
Em particular o contido na Apresentação - “Os Raios”, onde ele diz: “Quando os corpos físico, emocional e mental manifestam livremente seus respectivos raios, começa a emergir o raio da personalidade. Depois, à medida que a personalidade faz o alinhamento com a alma, emerge o raio da alma. Após uma evolução mais profunda, será possível, também, perceber o raio da mônada — o eterno indivíduo que somos, imerso na consciência cósmica.
E no capítulo “O QUE ABRE A PORTA – O Primeiro Raio: Vontade-Poder”, que traz uma comparação desses corpos com a imagem de “Krishna guiando uma carruagem puxada por três cavalos fortes e potentes. Ele está segurando as rédeas e assim chega ao seu destino.”... “Krishna é o símbolo do Eu Superior, da alma do homem, que tem Vontade-Poder em seu aspecto espiritual, transcendente. Os três cavalos que puxam a carruagem simbolizam os corpos físico, emocional e mental do homem. Nesta imagem eles aparecem fortes e correm harmoniosamente entre si, já que representam corpos sadios e alinhados, que desejam chegar à meta. A força que os impulsiona é o desejo.”
Tenho utilizado muito essa imagem dos três cavalos em minhas reflexões, e considero que o grande desafio de cada indivíduo é conseguir alinhar esses cavalos, pois cada um tem sua própria natureza, seus próprios desejos, necessidades, que não podem ser ignorados, sob pena de eles perderem a vitalidade. Mas que também não podemos nos tornar refém dos desejos desses corpos, o que acontece com freqüência, ora nosso físico nos cobra seus anseios, ora nosso emocional ou o mental, nos impedindo de avançarmos na direção de nossas metas. Por exemplo, quando o emocional prevalece, como numa paixão frustrada, ele domina o físico, que perde suas motivações, não queremos nos alimentar, nos cuidar, etc., e domina nossa mente, que não consegue pensar em outra coisa que não seja o objeto da nossa paixão. E, talvez, possamos citar no caso do predomínio do corpo físico sobre o nosso ser, o problema da gula, o predomínio do instinto sexual, etc., prevalecendo muitas vezes sobre o nosso emocional e mental.
Se puder e quanto puder gostaria de ouvir seus comentários a respeito dessa idéia apresentada pelo Trigueirinho e da forma como eu tenho refletido.

José Alencastro disse...

Olá José Luiz, eu acho que o Trigueirinho complicou um bocado um assunto que por natureza já é complicado. Primeiramente, os “raios” conhecidos amplamente no meio espiritualista são nada mais que fluido universal em diferentes matizes. O fluido universal está presente na formação de todos os corpos, inferiores e superiores, entretanto o principio que forma a alma e a personalidade é o principio espiritual. Portanto, considerando os raios como fluido universal, fica evidente que a origem da alma e da personalidade não está no fluido universal (raios) e sim no principio espiritual. Os corpos são veículos de manifestação, quem se manifesta é a alma, a personalidade, o espírito que são apenas três formas diferentes de analisar o principio espiritual.

Cada um de nós é Espírito (essência divina perfeita, o Eu Superior) + alma (a individualidade única e imperfeita que evolui, o Eu inferior) e essa soma é igual ao espírito

A mônada é o Espírito, a centelha divina individualizada, aquilo que faz cada espírito (em minúsculas) a imagem e semelhança de Deus.

A mônada (Espírito) dá origem em si mesma à alma, que é a individualidade imperfeita que irá evoluir por bilhões de anos através dos diversos reinos (do átomo ao anjo como disse Leon Denis), através das dimensões do Universo e se utilizando dos corpos de manifestação, para manifestar seu emocional, seu intelectual, seu instinto, sua criação.

Quando essa alma reconhece a si mesma como ser único e individualizado que sempre foi desde o início da sua criação, algo que ocorre depois de passar pela evolução como animal e elemental e normalmente ocorre no reino humano, então “nasce” a personalidade.

A personalidade é, portanto, o início consciente do espírito (Espírito + alma), quando o intelecto não está mais latente e assim o livre arbítrio é desperto para o espírito.

Ao reencarnar, o espírito manifesta apenas parte da sua personalidade imortal, personalidade essa que é e será o somatório de todas as experiências reencarnatórias que ele vivenciar.

Os desejos descontrolados, assim como o mau uso do intelecto não são culpa do corpo, mas tão somente do atraso evolutivo do espírito (personalidade) que a recém saiu da animalidade (pouco milhões de anos) e ainda é muito refém dos instintos e das experiências iniciais que vivenciou entre a humanidade. Por isso que em cada encarnação, apenas algumas características da personalidade imortal do espírito se manifestam, justamente para que ele trabalhe aos poucos os traumas e karmas que estão ligados a essas características, através dos veículos de manifestação apropriados (corpos) assim como dos mundos apropriados (normalmente, mundos expiatórios)

José Alencastro disse...

Não é o corpo físico que impede os avanços morais e emocionais do espírito encarnado, mas sim o próprio espírito que não sabe utilizar o seu corpo físico. Coloque numa ilha 12 homens e 12 mulheres e dentre esses 24 espíritos apenas almas iluminadas como Chico Xavier, Madre Teresa, João Paulo II, Nelson Mandela, Maria de Magdala e você não verá qualquer espécie de distúrbio emocional ou sexual, pois o problema não está no corpo físico e sim no espírito. O espírito em desequilíbrio é que gera as formas pensamento ao seu redor, algo que ganha muito mais força em coletividades de mundos provacionais, fazendo com que as almas sejam muito mais suscetíveis a sugestões desequilibradas, não pela fraqueza dos seus corpos físicos, mas sim pela fraqueza moral do próprio espírito.

As emoções nascem no espírito e se manifestam através do corpo astral e do físico, a origem das emoções não esta no corpo astral e nem no corpo físico, eles são apenas veículos de manifestação da vibração (a emoção no caso) que emerge do espírito. Muitos espiritualistas ainda acham que o corpo astral produz emoções, um grande erro, assim como seria supor que a origem do pensamento está no cérebro físico ou perispiritual, quando em verdade ambos são meros veículos de manifestação da vibração que surgiu no espírito. Dessa forma, a origem dos desequilíbrios emocionais está no espírito e não no corpo físico ou astral, meros veículos de manifestação que também servem para manifestar as sensações desequilibradas, assim como os efeitos desse desequilíbrio, pois sempre que o espírito manifesta alguma emoção desequilibrada, o que se vê em verdade é a alma ali presente e em evolução cometendo um ato de desequilíbrio, que automaticamente é retificado pelo Espírito que está fusionado à alma (fusão essa que é o espírito). Essa retificação ocorre porque o Espírito é perfeito e não permite que toxinas de origem intelectual ou emocional permaneçam imantadas à Ele e por conseqüência, não fiquem imantadas também ao espírito, causando um expurgo dessas toxinas, que irão parar em ultima instancia no corpo físico (caso esteja encarnado) ou no astral (se desencarnado).

Dessa forma, como nos ensina Ramatís, o corpo físico age como um mata borrão, não porque ele seja a origem da emoção desequilibrada, mas tão somente o veiculo de manifestação. Ao se manifestar, essa toxina motiva através da dor uma reflexão e assim o faz, quantas vezes forem necessárias, até que o espírito produza a emoção e o pensamento equilibrado que servirão como luzes higienizadores das próprias toxinas que ele próprio produziu, alvejando assim sua “túnica” (perispírito).

Cristtina Pacheco disse...

Gostaria que você postasse algo sobre a espiritualidade benfeitora nos processos de auxílio aos irmãos desregrados no astral inferior, umbral, ou qquer nome que se dê ao local extrafísico em que se encontrem. Como nós, estudiosos da espiritualidade em todas as suas expressões e, que, um dia já estivemos lá também sem exceção alguma, podemos agora do nosso ponto de vista físico fazermos algo efetivo para a evolução individual e consequentemente contribuindo para a planetária?

José Alencastro disse...

Sobre a ajuda realizada no mundo espiritual:

http://profeciasoapiceem2036.blogspot.com.br/2012/04/plano-astral-o-modo-de-vida-atual-e-as.html

Individualmente é a reforma interior, buscar diariamente melhor , mesmo que um pouco, em relação a alguma limitação moral, defeito ou algo que precise ser melhorado.